Igreja propõe aproximação mais eficaz à AIDS


Fonte: ACIdigital.com 

 

TARAZONA, 12 Ago. 08 / 05:28 am (ACI).- Em sua recente carta pastoral titulada “A luta contra o AIDS e a Igreja Católica“, Dom Demetrio Fernández, Bispo de Tarazona (Espanha), assinalou que enquanto o preservativo é só “um tampão”, a Igreja propõe uma aproximação integral e mais eficaz para enfrentar a pandemia do AIDS.
Com ocasião da 17º Conferência Internacional do AIDS que concluiu no México, Dom Fernández lembra que “a enfermidade alcançou cifras alarmantes -mais de 33 milhões de contagiados-, morreram mais de 2 milhões de pessoas em 2007 e nesse mesmo ano o contraíram de novo 2,5 milhões de pessoas. Nunca houve uma peste tão exagerada, ameaçando ao mundo inteiro”.

Frente à epidemia, o Prelado propõe as respostas que deve dar a Igreja. “Em primeiro lugar, atender aos doentes”.

“Não pode dizer-se -lembra- que a Igreja Católica se desentende do tema. Como em tantas outras enfermidades, inclusive contagiosas, o amor de Cristo levou a atender com risco da própria vidaàs pessoas afetadas”. “Também aos doentes de AIDS os ama a Igreja e os cuida com amor”, assinala.

Entretanto, Dom Fernández destaca que “a batalha está na prevenção do contágio”.
A respeito, o Prelado lembra que “a postura mais freqüente é a de propiciar o ‘sexo seguro‘ mediante o uso do preservativo. A Igreja Católica, entretanto, propõe outros caminhos mais positivos. E isso a coloca contracorrente, procurando o bem integral das pessoas. O preservativo é um tampão, não sempre eficaz. A proposta deve levar a educar no amor verdadeiro”.
“A sexualidade não é um brinquedo. A sexualidade é a expressão carnal do amor humano, que Deus pôs no coração humano”; por isso “neste campo do AIDS, como em todos os que incluem o reto uso da sexualidade, a Igreja apresenta a proposta do amor verdadeiro, que leva consigo uma boa educação na virtude da castidade”.

O Bispo de Tarazona sublinha que “não se pode propor aos adolescentes e jovens o uso sem freio de sua própria sexualidade, em prol de uma maior liberdade. Isso pode até no início soar bem aos ouvidos, mas por este caminho, o homem se torna escravo de seus próprios egoísmos e não aprenderá nunca a amar de verdade”.
“Curiosamente, as cifras de contágio do AIDS se disparam com estas propostas. Por este caminho vamos à ruína moral”, adverte.
O Prelado lembra que “experiências concretas como a de Uganda, onde através dos hospitais católicos se pôs em prática esta proposta, reduziram as cifras do AIDS de 80% aos 10%. Nenhum outro programa conseguiu uma redução tão drástica”.
“A solução de AIDS virá por se acolher ao plano de Deus, que dotou ao homem (homem/mulher) do dom da sexualidade para expressar o amor verdadeiro. Aprender a amar é a verdadeira educação”, conclui o Bispo de Tarazona

Anúncios

Socialismo e Cristianismo


Fonte: http://www.permanencia.org.br 

Marcel de Corte

 

Venho novamente falar da fascinação que o socialismo marxista exerce em alguns católicos, jovens e velhos, ingênuos ou maliciosos. À primeira vista, aqui reside um mistério. Vejo homens que se apresentam como adversários do marxismo, mas que conferem todavia à doutrina ou àqueles que a professam a posição privilegiada de ponto de referência. Nada escrevem, nada fazem, nada iniciam sem antes se perguntar em que posição se situa seus pensamentos e atos em relação ao socialismo e aos adeptos de sua ortodoxia. Parece que sua preocupação dominante é sublinhar as semelhanças (e por vezes as diferenças) de atitudes diante das questões sociais e políticas.

 

Seria vão dizer que isso é tática e manobra. Não se ocupa os postos elevados dum partido, contando somente com o apoio deste mesmo partido. Um partido só tem sentido em relação aos demais partidos. Para triunfar, o acordo tácito dos adversários é quase sempre necessário. A longa experiência dos governos de coalizão é prova inconteste disso. Alça-se num átimo um indivíduo obscuro aos primeiros postos, não por nele confiarem seus partidários, mas sob a pressão oblíqua dos opositores. Assim vê-se, na multidão que sitia a entrada do guichê, correntes adversas conduzirem rapidamente o hábil aproveitador em direção ao alvo. Os demais ficam de mãos abanando. Para ele, basta se esgueirar até o ponto de tangência dos movimentos contrários. É um método bem conhecido hoje em dia, com resultados comprovados. Uma pessoa tem em vista menos “os seus” que “os outros”. Eis o abc do que denominamos política.

 

No entanto, esta é uma explicação curta demais. Atualmente, o político há-de ter como bagagem um mínimo de “idéias” e de “filosofia”, uma weltanschauung, no dizer dos alemães, uma visão do mundo e da sociedade. É algo que pareceria ridículo a nossos ancestrais. Por exemplo, um Rechelieu ou um Henrique IV não possuíam nem sistema nem doutrina. Era-lhes suficiente o sólido bom senso, o sentido do concreto e dos fatos, o prazer em servir, a aptidão para o comando e a intuição do bem. Hoje não é mais assim. O político considera mais a opinião dos eleitores sobre os fatos que os fatos em si mesmos. Não procura saber se as opiniões são verdadeiras ou falsas, razoáveis ou loucas, justas ou injustas. Para ele, é obrigação inelutável curvar-se a isso, sob a pena de desaparecer do cenário político. Ora, a opinião é essencialmente cambiante, móvel, incerta. Ontem, quem era pela guerra, hoje é pela paz, ou vice-versa. Para trabalhar com segurança neste fluído complexo, é preciso solidificá-lo. Os sistemas e as modernas doutrinas políticas desempenham esse papel de rolo compressor. Cabe-lhes comunicar aos homens uma ortodoxia, um conjunto de idéias invariáveis, capazes de resistir aos desmentidos da experiência, na medida do possível. A posição do político encontra-se consolidada. Tem seus fiéis, sua “Igreja”, seu “credo”, seus “dogmas”. Em tal ambiente, a política tende a se tornar religião, sistema teológico da vida social e, em certos casos privilegiados, crença “mística” inabalável.

 

Neste plano, o cristão está definitivamente em desvantagem, frente aos concorrentes incrédulos. Antes de tudo, ele tem uma religião de caráter bem diverso, visto que é sobrenatural. Mais ainda, a despeito das inúmeras tentativas em contrário, em vão escrutará o Evangelho para descobrir aí uma doutrina social ou política. A Boa Nova transcende a tais preocupações. É testemunha disso o desprezo soberano do Cristo: “Daí a César o que é de César…”. Antes do mais, o cristianismo é pessoal, dirige-se à fina extremidade da alma. Ele só é social, só edifica a sociedade cristã à proporção que é pessoal, que impregna a alma, introduzindo nas relações do homem com o próximo o lubrificante da caridade. O Cristo não fora o “primeiro socialista” ou “o primeiro democrata”, como afirma a exegese arrevesada, mas simplesmente o primeiro cristão. Finalmente, enquanto terrestre, a Igreja possui uma doutrina social, inclusive um sentido político, que apregoa a fim de harmonizar a natureza decaída do homem com sua missão sobrenatural. Não é uma doutrina opinativa, mas uma sociologia baseada na experiência, na tradição, nas constantes da vida social e nas grandes e eternas colunas que mantêm o equilíbrio dos edifícios humanos. Como tal ensinamento atrairia as pessoas, se não é fundado na opinião? Neste domínio, ela é inerme. Conta-se desta feita nos dedos os políticos cristãos que prestaram atenção às Encíclicas e no Syllabus.

 

Nesta perspectiva, é quase inevitável que o político cristão, caso não tome cuidado, sofra a atração do sistema socialista. O marxismo é um sistema acomodado para solidificar a opinião instável. Ele não promete aos cidadãos isso ou aquilo, mas tudo, a felicidade total e definitiva. A opinião, imbuída de esperança, se estabiliza, assegurando ao mesmo tempo aos organizadores do engenhoso sistema um poder inamovível. Ora, este é o sonho de qualquer político: convivendo com a instabilidade de opinião, tem por fim único estabilizá-la, para assim estabilizar-se a si. Por isso, é importante para ele possuir uma Weltanschauung, uma visão total, a promessa duma filosofia do universo e da humanidade. O político cristão que adentra nesta engrenagem, logo vai se forjar uma visão do mundo, análoga à do marxismo, porque total. Na cabeça de muitos, é certo que este sistema é mais gelatinoso que sólido. Não se decide os destinos do mundo só com a cabeça sem correr o risco de vê-lo atolar-se na lama.

 

O segredo da conveniência entre o marxismo e um certo cristianismo é não haver segredo. A convergência é simplesmente o resultado duma política falseada desde o início.

 

La libre Belgique, 7 de março de 1951.

Professor na Universidade de Liège.

FSSPX - Portugal

Tudo por amor a Jesus Cristo, Nosso Senhor.

Movimento Magistrados para a Justiça

"Uma visão conservadora de temas relacionados ao Direito"

O Legado d'O Andarilho

opiniões, considerações políticas e religiosas.

Roberta Acopiara's Blog

Just another WordPress.com weblog

Blog do Curso Técnico em Informática do IFCE - Campus Iguatu

Blog do Curso Técnico em Informática do IFCE - Campus Iguatu

pregarevangelho

Só mais um site WordPress.com

:.:Paródias da Professora Décia:.:

Paródias de uma professora cedrense!

Fratres in Unum.com

Ecce quam bonum et quam jucundum habitare fratres in unum.

Compartilhar é preciso.

Sinta-se livre para conhecer, aprender e compartilhar

§|Olhar Católico|§

Um Olhar Católico sobre o mundo!

Pacientes na tribulação

Apologética católica

Grupo S. Domingos de Gusmão

Fiéis Católicos de Maringá

Missa Tridentina em Brasília

Santa Missa no Rito Romano Tradicional

Vida, dom de Deus

Gratiam tuam, quaesumus, Domine, mentibus nostri infunde; ut qui, angelo nuntiante, Christi Filii tui encarnationem cognovimus, per Passionem eius et Crucem, ad Resurrectionis gloriam perducamur. Per eumdem Christum Dominum nostrum. Amen.

%d blogueiros gostam disto: