Bento XVI apresenta São João Damasceno


Queridos irmãos e irmãs: 

Hoje quero falar de João Damasceno, um personagem de primeira categoria na história da teologia bizantina, um grande doutor na história da Igreja universal. É sobretudo uma testemunha ocular da passagem da cultura grega e siríaca, compartilhada na parte oriental do Império bizantino, à cultura do Islã, que ganhou espaço com suas conquistas militares no território reconhecido habitualmente como Médio ou Próximo Oriente. João, nascido em uma rica família cristã, ainda jovem assumiu o cargo – talvez ostentado também por seu pai – de responsável econômico do califado. Bem cedo, contudo, insatisfeito pela vida da corte, amadureceu a escolha monástica, entrando no mosteiro de São Sabas, perto de Jerusalém. Era por volta do ano 700. Não se afastando nunca do mosteiro, dedicou-se com todas as forças à ascese e à atividade literária, sem desdenhar uma certa atividade pastoral, da qual dão testemunho sobretudo suas numerosas Homilias. Sua memória litúrgica se celebra em 4 de dezembro. O Papa Leão XIII o proclamou Doutor da Igreja universal em 1850. 

Dele se recordam no Oriente sobretudo os três Discursos contra quem calunia as imagens santas,  que foram condenados, após sua morte, pelo Concílio iconoclasta de Hieria (754). Estes discursos, contudo, foram o principal motivo de sua reabilitação e canonização por parte dos Padres ortodoxos convocados no II Concílio de Niceia (787), sétimo ecumênico. Nestes textos é possível encontrar os primeiros intentos teológicos importantes de legitimação da veneração das imagens sagradas, unindo a estas o mistério da Encarnação do Filho de Deus no seio da Virgem Maria. Continue lendo »

Por acaso o Papa diz:"Repousem e orem em línguas que ninguém entente!"? Acho que não! Nunca disse e nem dirá! Nem Bento XVI e nem um outro Papa!


O ESPÍRITO SANTO JAMAIS PROVOCA A PERDA DA CONSCIÊNCIA

por Daniel André

 

   Espírito Santo

Caro católico, muito provavelmente você ouviu falar num tal de ‘repouso no espírito’, prática muito comum entre os pentecostais, e agora difundida em meios católicos por muitos adeptos da RCC. Sim, é aquela loucura em que a pessoa perde a consciência e cai no chão. Os adeptos dessa prática, contra toda tradição bíblica e apostólica, defendem com unhas e dentes sua legitimidade. Mas pode ser a perda da consciência sinal de ação do Espírito Santo? A tradição da Igreja diz que não. A perda da consciência jamais é provocada pelo Espírito Santo. Recorrendo aos padres gregos, ficaremos com o testemundo do mestre alexandrino, Orígenes. Mestre dos Padres gregos, Orígenes, ensinava que a inspiração divina jamais provoca a perda da consciência.  

“O Espírito dita às conciencias, mas Deus respeita o livre-arbítrio”. Orígenes combatia sempre a idéia de que sobreviesse ao extasiado uma perda da consciência, como acontecia comumente nos centros pagãos de consulta aos oráculos de sua época. A ‘divindade’ apoderava-se da Pitonisa pensavam os gregos.

Mas Orígenes, assim como os demais Padres da Igreja, viam na perda da conciencia uma prova da presença dos demônios, que se apossavam da alma para escravizá-la, pois, a presença do Espírito agudiza a consciência.

Orígenes expôe sua objeção aos oráculos gregos quando refere, a respeito da pitonisa, que ” profetizar até entrar em êxtase, numa atitude louca, sem que ela tenha de nenhuma maneira consciência dela mesma, não é obra do Espírito divino.” (Orígenes, Contra Celso, VII,3).

O demônio podia disfarçar-se em anjo de luz, donde o empenho do mestre alexandrino em que as consciências se mantivessem sempre claras e alertas e ‘exercitadas no discernimento do bem e do mal’ (Heb 5, 14), assim como no ‘discernimento dos espíritos’ (1Cor 12,10) para saber de quem lhes vinha a inspiração e sugestões.

Mas este discernimento não podia acontecer sem a ação do Espírito Santo, visto ser um carisma. Orígenes, comentando a inspiração profética, diz que “o toque daquele que chamamos Espírito Santo nas suas almas, tornava suas inteligências mais perspicaces e suas almas mais límpidas.” (Orígenes, Contra Celso, VII, 4)

Fontes:

MONTEIRO, Alina Torres. Os sentidos espirituais no comentário ao cântico dos cânticos de Orígenes, Universidade Católica Editora, Lisboa, 2004, p.348)
ORÍGENES, Contra Celso. ed. Paulus.

PSL Cedro

Deus acima de tudo e Cedro para todos!

FSSPX - Portugal

Tudo por amor a Jesus Cristo, Nosso Senhor.

O Legado d'O Andarilho

opiniões, considerações políticas e religiosas.

Roberta Acopiara's Blog

Just another WordPress.com weblog

Blog do Curso Técnico em Informática do IFCE - Campus Iguatu

Blog do Curso Técnico em Informática do IFCE - Campus Iguatu

pregarevangelho

Só mais um site WordPress.com

:.:Paródias da Professora Décia:.:

Paródias de uma professora cedrense!

Fratres in Unum.com

Ecce quam bonum et quam jucundum habitare fratres in unum.

Compartilhar é preciso.

Sinta-se livre para conhecer, aprender e compartilhar

§|Olhar Católico|§

Um Olhar Católico sobre o mundo!

Pacientes na tribulação

Apologética católica

Grupo S. Domingos de Gusmão

Fiéis Católicos de Maringá

Missa Tridentina em Brasília

Santa Missa no Rito Romano Tradicional

Vida, dom de Deus

Gratiam tuam, quaesumus, Domine, mentibus nostri infunde; ut qui, angelo nuntiante, Christi Filii tui encarnationem cognovimus, per Passionem eius et Crucem, ad Resurrectionis gloriam perducamur. Per eumdem Christum Dominum nostrum. Amen.

%d blogueiros gostam disto: