Maçonaria: sociedade discreta ou secreta?


    

     Maçonaria: sociedade discreta ou secreta?Não querem os maçons [que] se diga que sua associação é uma sociedade secreta; propalam que isso é calúnia inventada pelos adversários. Repetem então a famosa distinção: a Maçonaria é discreta, não secreta. O ponto parece-nos bastante importante, pelo que merece [ser] examinado. Deixaremos falar os documentos oficiais, reconhecidos pela Maçonaria no Brasil. Teremos então os elementos necessários para dirimir a questão.

     1) A Constituição do Grande Oriente do Brasil enumera no art. 4 os deveres dos maçons. O quinto é este: “Nada imprimir nem publicar sobre assunto maçônico ou que envolva o nome da Instituição, sem expressa autorização do Grão Mestre”.[1]” O art. 17 especifica os deveres das lojas; sob a letra p vem a determinação seguinte: “Nada expor, imprimir, ou publicar sobre assunto maçônico, sem expressa autorização superior”.

     Não só é rigorosamente interdito aos profanos (não maçons) tomar parte nas sessões comuns das lojas, mas o art. 20 da Constituição ainda decreta: “As oficinas, sob pretexto algum, poderão permitir maçons irregulares ou inativos nos seus trabalhos”.

     2) O Regulamento Geral vigente da Maçonaria Brasileira repete no art. 92 as determinações do art. 4, n. 5 e art. 17, letra p: “Os assuntos de natureza maçônica, não poderão ser impressos ou publicados pelos maçons ou pelas Lojas, sem que haja autorização do Grão Mestre Geral”. E no art. 95 lemos: “Não serão permitidas as polêmicas pela imprensa sobre fatos ocorridos nas Assembléias Gerais e Estaduais, Grandes Oficinas Chefes do Rito, Oficinas ou perante as autoridades judiciárias”.

     No art. 163 é regulamentado o modo como o profano deve ser iniciado; no § 3 deste artigo o Regulamento Geral prescreve que o neófito, antes de ser1 iniciado, “proferirá entre colunas o seguinte compromisso, que fica sendo o seu depoimento oficial de incorporação à Ordem: Prometo servir com honra e desinteresse a Maçonaria, guardar os seus segredos e cumprir as suas leis, e praticar com dedicação e sacrifício os seus ideais”. No § 8 do mesmo art. 163 temos: “O compromisso do § 3, depois de pronunciado pelo iniciado, será por ele escrito e assinado, conferido e registrado pelo Chanceler e pelo Secretário, referendado pelo Venerável e visado pelo Orador, e será incluído no expediente de admissão do candidato para aí ficar arquivado”.

     3) A Lei Penal da Maçonaria Brasileira conhece delitos individuais e coletivos. Os individuais podem ser de primeira ou segunda classe. O art. 17 define os delitos individuais de primeira classe (os mais leves) e entre eles temos, no § 3: “A revelação de cerimônias, rituais ou outros mistérios, não se tratando dos grandes mistérios da Ordem”. No art. 18 são especificados os delitos individuais de segunda classe, os mais graves; e ai temos, no § 9: “A revelação, a quem quer que, impedido de o saber, dos grandes segredos da Ordem”; no § 16: “A publicação, distribuição ou reprodução por qualquer forma gráfica, sem legal licença escrita, de qualquer prancha, documento ou ato maçônico, exceto os que tenham sido publicados anteriormente no Boletim Oficial”; no § 17: “A discussão pública no mundo profano dos atos passados no interior dos Templos e das deliberações das Oficinas”; e no § 18: “O fornecimento, direto ou indireto, a profano ou maçon irregular, de documentos ou quaisquer efeitos maçônicos, sem formal autorização”.

     Entre os chamados delitos coletivos, o art. 19 enumera, no § 3: “Iniciar ou sustentar, sem permissão dos Poderes Superiores, correspondência com as potências maçônicas estrangeiras ou autoridades profanas, sobre assunto maçônico”.

     4) Os Rituais fornecem abundantíssimos esclarecimentos para o ponto em questão. Particularmente expressivos são os sucessivos juramentos. Tomemos alguns exemplos: O Aprendiz (1º grau) deve, de modo solene, com a mão sobre a Bíblia, jurar “nunca revelar qualquer dos mistérios da Maçonaria, que me vão ser confiados, senão a um bom e legítimo Irmão, ou em Loja regularmente constituída; nunca os escrever, gravar, traçar, imprimir ou empregar outros meios pelos quais possa divulgá-los”. O Companheiro (2º grau), por sua vez, promete e jura “nunca revelar aos Aprendizes os segredos do grau de Companheiro, que me vão ser confiados, assim como prometi nunca revelar os de Aprendiz”. Da mesma maneira o Mestre (3º grau) deve jurar nunca revelar os segredos do grau de Mestre.

     E note-se que a Maçonaria dá extrema importância a este absoluto sigilo, de tal maneira que o faz sancionar com terríveis ameaças. Assim o Aprendiz deve acrescentar: “Se violar este juramento, seja-me arrancada a língua, o pescoço cortado e o meu corpo enterrado nas areias do mar”; o Companheiro: “se eu for perjuro, seja-me arrancado o coração, para servir de pasto aos abutres”; o Mestre consente que seu corpo “seja dividido ao meio” e suas entranhas “arrancadas e reduzidas a cinzas”, etc. Ora, ter o pescoço cortado, o coração arrancado, o corpo dividido ao meio, já é alguma coisa!

     De todos estes documentos oficiais, autênticos e autenticados, pode-se concluir que, também no Brasil de hoje, a Maçonaria é uma sociedade não apenas discreta, mas verdadeira e mesmo terrivelmente secreta, no sentido próprio e óbvio da palavra.

 [1] Esta é a formulação atual. Percebe-se a solicitude de evitar a palavra segredo, mas a coisa ai está. Na constituição de 1907, o mesmo art. 4, n. 3, dizia assim: “Guardar inviolavelmente os segredos da Ordem”. Poderíamos dar outros exemplos. Assim a Constituição do Grande Oriente de São Paulo, de 1921, art. 20, n. 5, determina como “dever do maçon”: “Guardar inviolável segredo acerca dos mistérios da instituição e de tudo quanto se passar no recinto da Ordem”. E assim outras Constituições.

(KLOPPENBURG, Dr. Boaventura. A MAÇONARIA NO BRASIL: ORIENTAÇÃO PARA OS CATÓLICOS. Editora Vozes LTDA., Petrópolis, Rio de Janeiro, 1956. Pg. 54-57.)

Anúncios

Uma resposta to “Maçonaria: sociedade discreta ou secreta?”

  1. mha Says:

    meu, acorda brow.

    vc fumou algo estragado.

    e não fala mal da confraria não, eles podem te perseguir……..hauhauahauhauahauhh

    acorda pra vida.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

FSSPX - Portugal

Tudo por amor a Jesus Cristo, Nosso Senhor.

Movimento Magistrados para a Justiça

"Uma visão conservadora de temas relacionados ao Direito"

O Legado d'O Andarilho

opiniões, considerações políticas e religiosas.

Roberta Acopiara's Blog

Just another WordPress.com weblog

Blog do Curso Técnico em Informática do IFCE - Campus Iguatu

Blog do Curso Técnico em Informática do IFCE - Campus Iguatu

pregarevangelho

Só mais um site WordPress.com

:.:Paródias da Professora Décia:.:

Paródias de uma professora cedrense!

Fratres in Unum.com

Ecce quam bonum et quam jucundum habitare fratres in unum.

Compartilhar é preciso.

Sinta-se livre para conhecer, aprender e compartilhar

§|Olhar Católico|§

Um Olhar Católico sobre o mundo!

Pacientes na tribulação

Apologética católica

Grupo S. Domingos de Gusmão

Fiéis Católicos de Maringá

Missa Tridentina em Brasília

Santa Missa no Rito Romano Tradicional

Vida, dom de Deus

Gratiam tuam, quaesumus, Domine, mentibus nostri infunde; ut qui, angelo nuntiante, Christi Filii tui encarnationem cognovimus, per Passionem eius et Crucem, ad Resurrectionis gloriam perducamur. Per eumdem Christum Dominum nostrum. Amen.

%d blogueiros gostam disto: