GUERRA AO CRISTIANISMO


Carta de Marcello Pera ao diretor do periódico Corriere della Sera
 
Estimado diretor:
 
      A questão dos sacerdotes pedófilos ou homossexuais desencadeada ultimamente na Alemanha tem por alvo o Papa. Porém, cometer-se-ia um grave erro se se pensasse que o golpe não irá mais além, dada a enormidade temerária da iniciativa. E se cometeria um erro ainda mais grave se se sustentasse que a questão finalmente se encerrará logo como tantas outras similares. Não é assim. Está em curso uma guerra. Não precisamente contra a pessoa do Papa, já que, nesse terreno, é impossível. Bento XVI tornou-se invulnerável por sua imagem, por sua serenidade, sua clareza, firmeza e doutrina. Basta seu sorriso manso para desbaratar um exército de adversários.
 
     Não, a guerra é entre o laicismo e o cristianismo. Os laicistas sabem bem que, se uma mancha de lodo chegasse à batina branca, se sujaria a Igreja, e se fosse sujada a Igreja seria suja também a religião cristã. Por isso, os laicistas acompanham sua campanha com perguntas do tipo «quem mais levará seus filhos à Igreja?», ou ainda «Quem mais mandará  suas crianças a uma escola católica?», ou  também ainda «Quem permitirá curar a seus pequenos num hospital ou numa clínica católica?».

  Continue lendo »

Assine!

Para os “donos” da Liturgia IV


“(..) a decadência [da liturgia] chega quando o culto divino é submetido ao sentimentalismo e ao ativismo pessoais de clérigos e leigos que, penetrando-o, transformam-no em obra humana e entretenimento espetacular: um sintoma hoje é, por exemplo, o aplauso na Igreja, que sublinha indistintamente o batismo de um recém-nascido e a saída de um caixão em um funeral.” (Pe. Nicola Bux, consultor do Ofício de Celebrações Litúrgicas do Sumo Pontífice, em entrevista a Zenit)

Autoridade do Papa não é diminuída pela campanha difamatória, diz Pe. Lombardi


VATICANO, 29 Mar. 10 (ACI) .- O Diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, P. Federico Lombardi, ressaltou em uma nota editorial titulada “Em vésperas da Semana Santa” o firme compromisso de toda a Igreja e, de maneira especialíssima, do Papa Bento XVI quem com mão firme responde adequadamente aos casos de abusos sexuais cometidos por alguns membros do clero. Explicou que a autoridade do Santo Padre não se vê diminuída pela campanha difamatória da mídia contra ele.

Este assunto, diz o Pe. Lombardi, esteve muito presente nos meios de comunicação, “em particular na Europa e na América do Norte também nos últimos dias depois da publicação da carta do Papa aos católicos irlandeses”. “Não é uma surpresa. O argumento é de tal natureza que atrai a atenção dos meios de comunicação, e o modo no qual a Igreja o confronta é crucial para sua credibilidade moral”, acrescenta.

“Em realidade, os casos que saíram à luz tiveram lugar, pelo general, há bastante tempo atrás, inclusive há dezenas de anos, mas reconhecê-los e reparar o dano feito às vítimas é o preço do restabelecimento da justiça e daquela ‘purificação da memória’ que permite olhar com renovado compromisso e com humildade e confiança no futuro”, indica o sacerdote jesuíta. Continue lendo »

Sensacionalismo e anti-catolicismo contra o Vigário de Cristo


Papa não encobriu o caso Murphy

Resposta ao caso do sacerdote que abusou de crianças com deficiência auditiva

Por Jesús Colina

CIDADE DO VATICANO, quinta-feira, 25 de março de 2010 (ZENIT.org).- “Não houve encobrimento algum”, garante o jornal vaticano em sua resposta a um artigo do New York Times, que tenta envolver a Congregação para a Doutrina da Fé, quando tinha como prefeito o então cardeal Joseph Ratzinger, no gravíssimo caso de um sacerdote americano acusado de abusar sexualmente de crianças com deficiência auditiva.

Trata-se do Pe. Lawrence C. Murphy, responsável por abusos cometidos contra menores de idade em um centro católico especializado, onde ele trabalhou de 1950 a 1974. Este caso, como explica o próprio jornal nova-iorquino, foi apresentado muito depois, em 1996, pela arquidiocese de Milwaukee, à Congregação para a Doutrina da Fé, cujo prefeito era o cardeal Ratzinger e seu secretário era o então arcebispo Tarcisio Bertone, hoje cardeal secretário de Estado.

Como explicou um comunicado do Pe. Federico Lombardi, SJ, diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, a arquidiocese americana não apresentou o caso por denúncias de abusos sexuais do sacerdote – uma questão que, para a justiça americana, havia sido arquivada anos atrás –, e sim pela violação do sacramento da penitência, perpetrada através de solicitações sexuais no confessionário, delito castigado pelo cânon 1387 do Código de Direito Canônico.

“Como se pode deduzir facilmente lendo a reconstrução realizada pelo New York Times sobre o caso do Pe. Murphy, não houve encobrimento algum”, assegura o L’Osservatore Romano na edição de 26 de março.

“Isso se confirma na própria documentação que complementa o artigo do jornal americano – acrescenta o L’Osservatore Romano –, na qual aparece a carta que o Pe. Murphy escreveu em 1998 ao então cardeal Ratzinger, pedindo que a investigação canônica fosse interrompida devido ao seu grave estado de saúde”. De fato, ele faleceu poucos meses depois, em estado de isolamento.

“Também neste caso, a Congregação respondeu, através do arcebispo Bertone, convidando o arcebispo de Milwaukee a aplicar todas as medidas pastorais previstas pelo cânon 1341 do Código, para reparar o escândalo e restabelecer a justiça”, garante o jornal vaticano.

“É importante observar, como declarou o diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, que a questão canônica apresentada à Congregação não estava relacionada de forma alguma com um possível procedimento civil ou pena contra o Pe. Murphy, contra quem a arquidiocese já havia empreendido um procedimento canônico, como evidencia a abundante documentação publicada na internet pelo jornal de Nova York”, acrescenta o artigo.

“A pedido do arcebispo, a Congregação respondeu com uma carta assinada pelo então arcebispo Bertone, em 24 de março de 1997, indicando que se procedesse segundo estabelece a Crimen sollicitationis”, carta da Congregação para a Doutrina da Fé sobre os delitos mais graves, revela o jornal da Santa Sé.

L’Osservatore Romano explica quais são os critérios indicados à Igreja pelo cardeal Ratzinger e por Bento XVI para esclarecer os diferentes casos de abusos sexuais cometidos por sacerdotes ou religiosos: “transparência, firmeza e severidade”.

“Uma forma de agir coerente com sua história pessoal e com mais de 20 anos de atividade como prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, que evidentemente é temida por quem não quer que se afirme a verdade e que preferiria poder manipular, sem nenhum fundamento, episódios horríveis e casos dolorosos que se remontam a décadas”, afirma o jornal vaticano.

O professor Massimo Introvigne, sociólogo e diretor do Centro de Estudos europeu sobre as Novas Religiões, em uma análise compartilhada com a Zenit, constata que os fatos narrados pelo New York Times não são precisos em alguns trechos e inclusive, segundo ele, foram manipulados.

“Para desonrar a pessoa do Santo Padre, agita-se um episódio ocorrido há 35 anos, já conhecido e discutido pela imprensa local na década de 70, cuja gestão – enquanto era da sua competência e 25 anos depois dos fatos – por parte da Congregação para a Doutrina da Fé foi canônica e moralmente impecável, e muito mais severa que a das autoridades estatais americanas.”

“De quantas destas ‘descobertas’ ainda temos necessidade para perceber que o ataque contra o Papa não tem nada a ver com a defesa das vítimas dos casos de pedofilia – certamente graves, inaceitáveis e criminais, como Bento XVI recordou com tanta severidade –, mas que tenta desacreditar um pontífice e uma Igreja que incomodam os lobbies pela sua eficaz ação de defesa da vida e da família?”, pergunta-se o sociólogo.

Vídeos §|Olhar Católico|§: Maçonaria vs. Catolicismo

Vídeos §|Olhar Católico|§: Maçonaria, sociedade discreta ou secreta?

Credo da Missa da Coroação

Publicado em Vídeos. Tags: . Leave a Comment »

O poder de uma Ave Maria

Publicado em Vídeos. Tags: . Leave a Comment »

O Bolsa Família segundo Lula: antes e depois


O Bolsa Família segundo nosso Presidente.

Sua opinião hoje e sua opinião antes de chegar ao poder.

Curiosamente ele mudou de opinião, assim como mudou quanto ao assunto de reeleição presidencial.

Será que ele não vai mudar de opinião com relação ao aborto também não?

Quem sabe nessas próximas eleições…

EXTRA! EXTRA! É uma menina! É Maria Clara!!!


Maria Clara!

Maria Clara

 

Hoje, às dezesseis semanas e dois dias de vida batí a primeira fotinha do meu primigênito, ou melhor, minha promogênitA.

Com as bençãos de Nossa Senhora e de Santa Clara de Assis que venha, e muito bem vinda, MARIA CLARA!

 

DIGA NÃO AO ABORTO!

SIM A VIDA!

Publicado em Aborto. 2 Comments »

Aborto. Direito de quem???

EVANGÉLICOS FRAUDAM CHARGE DO VERITATIS


Charge original minha conforme publicada em http://blog.veritatis.com.br/index.php/2008/07/04/qual-banquinho-e-mais-estavel/

Charge descaradamente alterada conforme publicada em http://www.cpr.org.br/banquinho.htm

_______________________________________________

Recentemente, navegando pela Net descobri um site evangélico (http://www.cpr.org.br/banquinho.htm) fiquei estupefato pela forma degradante e desrespeitosa que os evangélicos fizeram com uma charge minha postada no http://blog.veritatis.com.br/. Eles MENTIRAM dizendo que fomos nós que copiamos de uma charge evangélica. Isso é totalmente falso, sendo que fui eu que fiz a charge do Veritatis e os evangélicos só a alteraram e alegaram isto depois.

Abaixo vou refutar as alegações do site Desafio às Seitas e logo após desmascarar a fraude protestante.

O texto do site protestante está em preto e minhas respostas em azul.

—————————————————————————————–

A charge abaixo foi retirada do site Veritatis Splendor, um site de apologia católico, e demonstra exatamente a importância que eles dão à Palavra de Deus.  

Bom, pelo menos aqui foram honestos. Sim, fui eu que inicialmente fiz a charge e a publiquei. Agora vamos ver se eles estão certos no que eles falam sobre como os católicos “dão valor à Bíblia”.

Viram como eles vêem a Bíblia?

Para eles – os católicos – só ela não é suficiente para sustentar, precisando, no caso, de ajuda.

Para eles a Palavra de Deus não completa, não encerra em si toda a verdade, não alimenta por si só.

Como diz o ditado popular: “Uma imagem vale mais do que mil palavras”.

Nada disso. A Igreja católica tem a Bíblia em mais alta estima que o protestantismo. A verdade está muito além da visão nublada que este escritor (pr. Neto Curvina, um batista que já debateu com o pessoal do Veritatis) quer impingir.

A desconchava alegação só parece verdadeira para quem não tem o mínimo de conhecimento da Palavra de Deus e da História cristã, quiçá da Igreja católica, a qual muitos pastores denigrem e fazem uma caricatura dela tal que os membros acham que o que eles falam é verdade dela. Vamos lá.

Para começar, vamos com o Catecismo: Continue lendo »

S. José, padroeiro do meu querido Ceará, rogai por nós!


São José, rogai por nós!

Príncipe da Casa Real de Davi e ao mesmo tempo humilde carpinteiro, é difícil se poder avaliar a grandeza de sua missão. É considerado o Patrono da Boa Morte porque morreu assistido pela Santíssima Virgem, sua Esposa, e pelo próprio Homem-Deus, de quem era pai adotivo. Foi também declarado Patrono da Santa Igreja

Dialogando com um maçon “eclético”


Prezados leitores, a paz de Jesus e o amor de Maria!
A seguir publico uma conversa com um maçom “aberto ao diálogo”.

2010/1/21 Francisco Fernando Filho <fernando>

Prezado Moisés, você me enviou um E-mail denigrindo a instituição maçônica a qual eu faço parte. Você não sabe o que é mçonaria, portanto pare de comentar um assunto que você não conhece. Acho que você é um dos fazem o site (Ollhar Católico). Se você pretende me enviar algo com relação a religião católica, recebo com o maior carinho, caso contr´rio, não me envie mais nenhum E-mail falando mal da maçonaria. O Aurélio define o fanatismo como:
Fanático: Que se considera inspirado por uma divindade, pelo espírito divino; iluminado. Que tem zelo religioso cego, excessivo; intolerante. Que tem zelo religioso cego, excessivo; intolerante. Que adere cegamente a uma doutrina, a um partido; que é partidário exaltado; faccioso. Que tem dedicação, admiração ou amor exaltado a alguém ou algo; entusiasmado, apaixonado.

Onde você está enquadrado de acordo com o Aurélio?
Grato.

Francisco Fernandes Filho

_________________________________________________________________

>>você me enviou um E-mail denigrindo a instituição maçônica a qual eu faço parte
Não Fernando, eu lhe enviei um e-mail com fatos reais sobre a Maçonaria, dos quais você não argumentou.
>>Você não sabe o que é mçonaria, portanto pare de comentar um assunto que você não conhece
Citei caro Fernando apenas documentos da própria Maçonaria. Você não leu?
>>Acho que você é um dos fazem o site (Ollhar Católico)
Eu sou o idealizador do §|Olhar Católico|§ e único proprietário deste blog.
>>Se você pretende me enviar algo com relação a religião católica, recebo com o maior carinho
Qual desses você quer:
1- Humanum Genus, Papa Leão XIII
2- Syllabus, Papa Pio IX
3- Lamentabili Sine Exitu, Papa S. Pio X
4- Declaração sobre a Maçonaria, Cardeal Joseph Ratzinger, atual PAPA BENTO VXI.
Receba estas “com carinho” então. São todos documentos da Igreja Católica.
>>E-mail falando mal da maçonaria
Falando a verdade sobre esta seita. Argumente caro Filho da Viúva. O e-mail que enviei anteriormente expõe claramente algo que a Maçonaria nega ser: SECRETA. Com base em documentos da própria Maçonaria. Você não tem argumentos? Entendo se não tiver, afinal contra fatos não há argumentos.
>>Onde você está enquadrado de acordo com o Aurélio?
E você Filho da Viúva? Onde você se enquadra? Será que você se considera “iluminado”? Eu não, eu sou apenas uma profano envolto em trevas, não é mesmo?
Você Filho da Viúva “adere cegamente a uma doutrina”? Você algum dia prometeu seguir a Maçonaria, mesmo sem saber o “que vem de cima”? Sim, você fez isso no seu juramento de Aprendiz, e depois vem me questionar se eu sou fanático com um “poderoso” e “impetuoso”… dicionário. Convenhamos, vocês maçons não sabem argumentar mesmo.

Passar bem senhor Fernandes.

Atenciosamente,
Moisés Gomes de Lima
“A concórdia não é uniformidade de opiniões, mas concordância de vontades” (S. Tomas de Aquino).

PARA REFRESCAR A MEMÓRIA DA CANDIDATA DILMA ROUSSEFF


Por Reinaldo Azevedo

A candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, já andou se estranhando um tanto com a verdade. Seu currículo posto até outro dia no site da Casa Civil e na Plataforma Lattes não me deixa mentir. Em marco de 2009, por exemplo, Dilma asseverou à Folha: “Nunca fiz nem treinamento no exterior nem ação armada”. Agora, quase um ano depois, ela admite que fez treinamento militar no Uruguai. Confrontada com a mentira, saiu-se com uma resposta esquisita. Informa o jornal:

“[Dilma] alega que, à época, não queria falar sobre atos envolvendo outros países. Resolveu fazer a revelação depois da eleição de José Mujica, ex-guerrilheiro da organização Tupamaros, que lutou contra a ditadura militar uruguaia: ‘O presidente Mujica está ali e sabe como foram os anos 70’, diz Dilma”.

Se você não entendeu nada do que ela falou, a culpa não é sua, leitor. Que mal poderia fazer a Mujica a informação de que Dilma treinou guerrilha no Uruguai? Por acaso os uruguaios não sabiam que estavam elegendo um “ex-guerrilheiro”. A desculpa não faz o menor sentido. Melhor seria dizer que Dilma descobriu que essa mentira tinha pernas curtas.

Na entrevista concedida à revista Época, uma resposta de Dilma me deixou particularmente encantado. Reproduzo:

O ex-ministro José Dirceu, no dia de sua posse na Casa Civil, chamou-a de “camarada de armas”. A senhora gostou?
Ele estava fazendo para mim um cumprimento porque, para ele, era muito importante. Havia várias características nas diferentes organizações de esquerda. A minha fazia certas críticas às ações armadas, principalmente assaltos a banco. Tínhamos uma crítica a isso, e isso está registrado. Não fui condenada por ação armada, porque não a pratiquei.

A disputa eleitoral costuma deixar os políticos com a memória fraca. Mas a gente está aqui, alguns de nós ao menos, para lembrar o que eles esquecem. Dilma, pelo visto, participou de três organizações terroristas —Colina, VAR-Palmares e VPR — para cuidar de assuntos lítero-musicais. Ou para escrever o diário “A Moça e Seus Problemas”. O grupo tinha “críticas” aos assaltos a banco? Os banqueiros até podem achar bacana… Já em matéria de seqüestro, assassinato, execuções sumárias, bem, aí não havia crítica nenhuma. Acho chato ter de lembrar isso, mas lembro. Seguem as pessoas que as organizações a que Dilma pertenceu mataram. A lista completa com todas as pessoas assassinadas pelas esquerdas foi publicada no dia 12 de janeiro.

PESSOAS ASSASSINADAS PELA VPR OU COM SUA PARTICIPAÇÃO

– 26/06/68-  Mário Kozel Filho – Soldado do Exército – SP
– 27/06/68 – Noel de Oliveira Ramos – civil – RJ
– 12/10/68 – Charles Rodney Chandler – Cap. do Exército dos Estados Unidos – SP
– 07/11/68 – Estanislau Ignácio Correia – Civil – SP
– 09/05/69 – Orlando Pinto da Silva – Guarda Civil – SP
– 10/11/70 – Garibaldo de Queiroz – Soldado PM – SP
– 10/12/70 – Hélio de Carvalho Araújo – Agente da Polícia Federal – RJ
– 27/09/72 – Sílvio Nunes Alves – Bancário – RJ

PESSOAS ASSASSINADAS PELA VAR-PALMARES OU COM SUA PARTICIPAÇÃO


– 11/07/69 – Cidelino Palmeiras do Nascimento – Motorista de táxi – RJ
– 24/07/69 – Aparecido dos Santos Oliveira – Soldado PM – SP
– 22/10/71 – José do Amaral – Sub-oficial da reserva da Marinha – RJ
– 05/02/72 – David A. Cuthberg – Marinheiro inglês – Rio de Janeiro
– 27/09/72 – Sílvio Nunes Alves – Bancário – RJ

PESSOAS ASSASSINADAS PELO COLINA OU COM SUA PARTICIPAÇÃO


– 29/01/69 –  José Antunes Ferreira – guarda civil-BH/MG
– 01/07/68 – Edward Ernest Tito Otto Maximilian Von Westernhagen – major do Exército Alemão – RJ
– 25/10/68 – Wenceslau Ramalho Leite – civil – RJ

Dilma talvez fosse aos encontros da Colina, da VPR e da VAR-Palmares para tocar piano. Mas os seus “camaradas”, alguns saudados por ele em seu discurso como candidata, organizavam-se mesmo para assaltar banco, seqüestrar e matar. Eram os meios que julgavam válidos não para resistir à ditadura, mas para fazer a “luta revolucionária” e instaurar a ditadura do proletariado.

Mentir sobre números do PAC, vá lá. Tripudiar sobre a história, aí já é um pouco demais. Daqui a pouco a VAR-Palmares se confunde com a Liga das Senhoras Católicas… Quem quiser que compre a falsificação. Eu rejeito.

 

http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/para-refrescar-a-memoria-da-candidata-dilma-rousseff/

 

Publicado em Política. Tags: , , . Leave a Comment »

Eis o verdadeiro ECUMENISMO

Doutrina Maçônica versus Doutrina Católica – Resumo

Uma sugestão para a CNBB – 2011


CF 2011 – Letra para o hino
Tema: MAIS VERDADE E ORTODOXIA NO PLANETA
Lema: A FÉ CATÓLICA GEME EM DORES DE PARTO (citação minha)

 L.: Emerson de Oliveira

 1.       Olha meu povo, esta bela fé católica:
Esta riqueza de teologia, de ensinamentos milenares!
Ela foi inspirada por Deus,
Para ser uma agência de salvação. (Cf. opus cit)
Nossa fé católica, Senhor,
Geme de dor noite e dia.
Será de parto essa dor?
 Ou simplesmente agonia?!
 Vai depender só de nós!
 Vai depender só de nós!…
 Até quando agüentar,
 Até quando suportar,
 As infâmias e estragos
 Que a TL quer implantar?
 Faz cessar, Senhor.
 Essa mazela impudica
 Que a que tudo indica
 Faz-nos chorar de dó.
 Que haja menos influência
 Dos Boff, dos Bettos e Sem-Terra.
 Que o que tudo impera
 Seja tua vontade, Senhor.
  Continue lendo »

O que é “gênero”?


 

“Hoje em dia, muitas vezes a palavra “gênero” aparece em contextos onde esperávamos encontrar a palavra “sexo”. Em vez de se falar  de diferença entre os sexos, fala-se de diferença entre os gêneros. Em vez de discriminação por causa de sexo, fala-se em discriminação por causa de gênero.

As pessoas desavisadas podem achar que o termo “gênero” inofensivo. Seria apenas um sinônimo de sexo. No entanto tal palavra esconde toda uma ideologia: a “ideologia de gênero”. Sobre este assunto, a Conferência Episcopal Peruana elaborou um documento “La ideología de género: sus peligros y sus alcances”[1], publicado em abril de 1998,cujo conteúdo pretendo resumir aqui.

A chamada “perspectiva de gênero” resume-se nos seguintes princípios:  

1. Não existe um homem natural nem uma mulher natural. O ente humano nasce sexualmente neutro. A sociedade é que constrói os papéis masculinos ou femininos. “Gêneros” são papéis socialmente construídos.  

2. Não é a natureza, mas a sociedade que impõe à mulher e ao homem certos comportamentos e certas normas diferentes. Assim, se desde pequena a mulher brinca de boneca e casinha, isso não se deve a um instinto materno (que para as feministas de gênero não existe), mas simplesmente a uma convenção social. Se as mulheres casam-se com homens, e não com outras mulheres, isso não se deve a uma lei da natureza, mas uma construção da sociedade. Se os homens sentem-se na obrigação de trabalhar fora de casa para sustentar a família, enquanto as mulheres sentem necessidade de ficar junto aos filhos, nada disso é natural. São
meros papéis, desempenhados por tradição, mas que poderiam perfeitamente ser trocados.  

3. Tais idéias, que são meras construções sociais, servem para justificar o domínio da mulher pelo homem. Assim, a mulher, ingenuamente, “acredita” que seu lugar mais importante é o lar, que nasceu para se mãe, que deve sacrificar-se pelos filhos, que deve ser fiel ao marido… Tais “construções sociais” não têm fundamento, dizem as feministas. Assim, é preciso “desconstruir” tais idéias, conscientizando a mulher de que ela está sendo enganada e explorada.

4. Uma vez liberta de tais “construções sociais”, a mulher vê-se livre
para construir a si mesma: pode livremente optar por ser lésbica, por não ser mãe ou por matar o filho concebido (ou, como se diz, “interromper a gravidez”). Tudo passa a ser permitido.  

O marxismo: origem da ideologia de gênero  

A ideologia de gênero, que causou enorme discussão na IV Conferência mundial das Nações Unidas sobre a Mulher (Pequim, 1995), tem sua origem em Frederick Engels, amigo inseparável de Karl Marx. Em seu livro “A origem da família, da propriedade e do Estado” (1884), Engels dizia:

 “O primeiro antagonismo de classes da história coincide com o desenvolvimento do antagonismo entre o homem e a mulher, unidos em matrimônio monógamo, e a primeira opressão de uma classe por outra, com a do sexo feminino pelo masculino”[2].  

Segundo a doutrina marxista, não há conciliação possível entre as classes. Operários e patrões são necessariamente inimigos. Os operários não devem buscar melhorias para sua classe. Devem fazer uma revolução, que terá por fim acabar com as classes. Marx pregava uma tomada do poder pelo proletariado. Depois de algum tempo, o Estado iria  desaparecer, não haveria mais classes sociais e tudo seria comum. Seria instaurado o comunismo.

Seguindo a mesma linha, o feminismo atual, com bases no marxismo, não deseja simplesmente melhorias para as mulheres. Deseja eliminar as “classes sexuais”. Diz a feminista radical Shulamith Firestone, em seu livro “The Dialectic of Sex” (A dialética do sexo):

  ”… assegurar a eliminação das classes sexuais requer que a classe subjugada (as mulheres) faça uma revolução e se apodere do controle da reprodução, que se restaure à mulher a propriedade sobre seus próprios corpos, como também o controle feminino da fertilidade humana, incluindo tanto as novas tecnologias como todas as instituições sociais de nascimento e cuidado de crianças. E assim como a meta final da revolução socialista era não só acabar com o privilégio da classe econômica, mas com a própria distinção entre classes econômicas, a meta definitiva da revolução feminista deve ser igualmente – à diferença do primeiro movimento feminista – não simplesmente acabar com o privilégio masculino, mas com a própria distinção de sexos: as diferenças genitais entre os seres humanos já não importariam culturalmente”.

 As feministas de gênero, fiéis à visão marxista, dizem que toda desigualdade é injusta. Que o trabalho exercido pelo homem seja diferente do exercido pela mulher é simplesmente uma injustiça institucionalizada. É preciso acabar com ela. A respeito da mulher que opta por ficar em seu lar cuidando dos filhos, diz a feminista Christina Hoff Sommers:

“Pensamos que nenhuma mulher deveria ter esta opção. Não se deveria autorizar a nenhuma mulher ficar em casa para cuidar de seus filhos. A sociedade deve ser totalmente diferente. As mulheres não devem ter essa opção, porque se essa opção existe, demasiadas mulheres decidirão por ela”[3].

(Até aqui o resumo do documento da Conferência Episcopal Peruana)

Redefinição de família

O feminismo de gênero é inimigo frontal da família, lugar em que os papéis de cada sexo são “socialmente construídos”. Para abolir a família, é mais eficiente conservar seu nome e mudar o seu sentido. Família poderia significar não apenas a união perpétua entre um homem e uma mulher com seus filhos (como nós a conhecemos), mas também, por exemplo, a união de duas lésbicas e mais uma criança gerada por inseminação artificial; ou então dois homossexuais e um filho “adotivo”.

A recém-aprovada Lei 11.340, de 7 de agosto de 2006, conhecida como “Lei Maria da Penha”, redefine família como “a comunidade formada por indivíduos que são ou se consideram aparentados, unidos por laços naturais, por afinidade ou por vontade expressa” (art. 5*, II). E acrescenta: “As relações pessoais enunciadas neste artigo independem de orientação sexual” (art. 5*, parágrafo único). Essa lei, sancionada como objetivo de coibir a violência contra a mulher, pretende ser o cumprimento da “Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres” (CEDAW), que o Brasil assinou em 1981 e ratificou em 1984. O texto da Convenção nada fala em favor do aborto ou do homossexualismo. Mas o Comitê internacional estabelecido para acompanhar o cumprimento da Convenção tem defendido abertamente tais idéias. Curioso é o texto em que o Comitê critica a Bielo-Rússia (também chamada Belarus) pela reintrodução do “Dia das Mães” e do “Prêmio das Mães”:

“Preocupa o Comitê a contínua prevalência dos estereótipos do papel de cada sexo e a reintrodução de símbolos como o ‘Dia das Mães’ e o ‘Prêmio das Mães’, que é visto como um encorajamento aos papéis tradicionais das mulheres. Preocupa também se a introdução da educação dos direitos humanos e de gênero, em oposição a tal estereotipação, está sendo efetivamente implementada.”[4]

Como se vê, a educação sob perspectiva de gênero é indicada pelo Comitê como remédio para a falta cometida pela Bielo-Rússia, de instituir um dia para valorizar a maternidade da mulher, que é apenas um “papel tradicional” a ser eliminado.  

Homofobia

Se nada há de natural na complementação homem-mulher, os que criticam o homossexualismo devem ser punidos como “homofóbicos”. Pelo Projeto de Lei 5003-B, de 2001, aprovado pela Câmara em 23/11/2006, a prática de atos de homossexualidade deixa de ser vício e passa a ser direito humano. Essa proposição, que vai agora à apreciação pelo Senado, cria várias condutas consideradas crimes de “homofobia”. A punição para o reitor de um seminário que não admitir o ingresso de um aluno homossexual está prevista para 3 a 5 anos de reclusão (art. 5*)[5].
Aquele que ousar proibir ou impedir a prática de um ato obsceno (”manifestação de afetividade”) praticado em público por homossexuais receberá idêntica sanção penal (art. 7*). Interessante é como a palavra “gênero” aparece tantas vezes na proposta legislativa. Já em seu artigo1*, ela diz que pretende definir “os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de gênero, sexo, orientação sexual e identidade de gênero”.

É preocupante que a “perspectiva de gênero” esteja presente entre os propósitos do segundo governo Lula. À promoção do homossexualismo é dedicado um caderno de 14 páginas: “Lula presidente: construindo um Brasil sem homofobia: Programa Setorial Cidadania GLBT 2007 / 2010″ .Sem o menor escrúpulo, o presidente se compromete a aprovar a “união civil entre pessoas do mesmo sexo, estendendo aos casais homossexuais os mesmos direitos que os casais heterossexuais possuem. Inclusive o reconhecimento e proteção de suas famílias, garantindo o direito à adoção” (p. 13).[6]  

A doutrina cristã sobre a sexualidade

Homens e mulheres são diferentes, mas não são inimigos natos. Ao contrário, são mutuamente complementares. Um precisa do outro e completa-se no outro. Porém, pela ideologia de gênero, esta visão cristã que vê em cada sexo uma vocação e missão específica é taxada de visão “sexista”. O “sexismo” e a “homofobia” são dois inimigos a serem combatidos por essa ideologia. Como se percebe, quem tem coragem para defender a doutrina cristã deve estar pronto para ser perseguido.  Anápolis, 6 de janeiro de 2007
Fonte: 
http://www.providaanapolis.org.br/genero.htm

[1] CONFERENCIA EPISCOPAL PERUANA. Comisión Episcopal de Apostolado
Laical. Comisión ad-hoc de la mujer. La ideología de género: sus
peligros y alcances. Lima, abr. 1998. Disponível em

http://www.vidahumana.org/vidafam/iglesia/genero.html.

[2] ENGELS, Frederick , The Origin of the Family, Property and the
State, International Publishers, New York , 1972, pp. 65-66.

PSL Cedro

Deus acima de tudo e Cedro para todos!

FSSPX - Portugal

Tudo por amor a Jesus Cristo, Nosso Senhor.

O Legado d'O Andarilho

opiniões, considerações políticas e religiosas.

Roberta Acopiara's Blog

Just another WordPress.com weblog

Blog do Curso Técnico em Informática do IFCE - Campus Iguatu

Blog do Curso Técnico em Informática do IFCE - Campus Iguatu

pregarevangelho

Só mais um site WordPress.com

:.:Paródias da Professora Décia:.:

Paródias de uma professora cedrense!

Fratres in Unum.com

Ecce quam bonum et quam jucundum habitare fratres in unum.

Compartilhar é preciso.

Sinta-se livre para conhecer, aprender e compartilhar

§|Olhar Católico|§

Um Olhar Católico sobre o mundo!

Pacientes na tribulação

Apologética católica

Grupo S. Domingos de Gusmão

Fiéis Católicos de Maringá

Missa Tridentina em Brasília

Santa Missa no Rito Romano Tradicional

Vida, dom de Deus

Gratiam tuam, quaesumus, Domine, mentibus nostri infunde; ut qui, angelo nuntiante, Christi Filii tui encarnationem cognovimus, per Passionem eius et Crucem, ad Resurrectionis gloriam perducamur. Per eumdem Christum Dominum nostrum. Amen.

%d blogueiros gostam disto: