Hugo Chavez, DilmaLulaDilma, PT e as FARC

Publicado em Política. Tags: , , . Leave a Comment »

Aborto não é questão de religião


Perita no México: Defender a vida contra o aborto não é questão de religião

MEXICO D.F., 26 Jul. 10 (ACI) .- Uma perita em temas de família recordou aos cidadãos do México que a defesa da vida não é uma questão religiosa e indicou que esta se apóia na certeza científica de que um concebido é um novo ser humano.

No artigo “O drama do aborto”, publicado no Jornal de Yucatán, Lourdes Casares de Félix da Associação em Defesa da Família, explicou que o direito à vida não se converteu em um direito religioso. “Acaso defender a vida de um ser humano inocente é questão de religião? Aceitar que o embrião antes das 12 semanas e desde sua concepção é uma pessoa cuja vida deve ser respeitada e afirmar que o aborto é um crime não é questão de religião, é um argumento que se apóia na ciência como poderia demonstrar o doutor em Medicina e Ciências e professor de Genética Fundamental, Jerome Lejeune”, indicou.

“Cientificamente foi provado que há vida (no embrião) e que é humana. Aqui a pergunta moral ou ética seria: devemos permitir dar morte a essa vida? A resposta pode ser dada por qualquer ateu humanista. Ante a falta de argumentação científica para promover o aborto sempre há o recurso de culpar a religião”, acrescentou.

Casares recordou que “o drama do aborto não só radica em despojar o não nascido de direitos, nem em empenhar-se em não reconhecê-lo como a pessoa que é, nem em aceitar ou negar sua capacidade de sentir dor ou prazer, nem em minimizar sua capacidade potencial de raciocinar e decidir, o drama é a triste desumanização do ser humano empenhado em destruir a vida de seres indefesos negando-lhes a oportunidade de viver”.

Publicado em Aborto. Tags: . Leave a Comment »

Votar no PT: uma questão moral!

GOVERNO LULA DESFECHA NOVO GOLPE CONTRA A VIDA

O que significa “Igreja Católica”?


Se alguém lhe interrogar sobre sua religião, creio eu que você será pronto em responder: “-sou católico!”. O triste é que após essa pergunta vem logo outra: “-praticante?”. Mas o que quero analisar nesse breve artigo não é isso (quem sabe em outro), mas sim sobre a palavra católico. Também não é sobre o que é ser católico, mas restritamente, o significado desta palavra, e, para ser fiel ao título deste artigo, o siginificado de “Igreja Católica”.

Na Bíblia encontraremos a palavra “igreja”  85 vezes, e todas elas no Novo Testamento. A primeira vêz que esta palavra é citada na Bíblia é por nada mais, nada menos que Nosso Senhor Jesus Cristo, veja:
E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela.” (Mt. 16, 18)

Recorrendo ao Catecismo da Igreja Católica, e esta sitação você poderá encontrar também lendo o post sobre Ser Igreja, temos que:
A palavra “Igreja” [“ekklésia”, do grego “ekkaléin” – “chamar fora”] significa “convocação”. Designa assembléias do povo, geralmente de caráter religioso. (…) Ao denominar-se “Igreja” a primeira comunidade dos que criam em Cristo se reconhece herdeira dessa assembléia. (CIC 751)

Então fica bem claro, que a palavra Igreja significa chamado, convocação, no nosso caso, convocados/chamados por Jesus Cristo. Aí entramos na segunda palavra: Católica.

Chamados por Jesus para fazer o quê e a quem? Êis a resposta:

Ide, pois, e ensinai a todas as nações; batizai-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.” (Mt. 28, 19)

“(…)e ensinai a todas as nações” ou seja a todo mundo, ao universo. Jesus confia a Sua Igreja sua missão, seu chamado, sua convocação de anunciar o Evangelho, repito, ao universo, e é aí que por este motivo sua Igreja recebe o nome de Igreja Católica. Ainda não ficou claro né. Lendo esta citação do Catecismo da Igreja Católica ficará melhor de entender:

• A palavra “católica” significa “universal” no sentido de “segundo a totalidade” ou “segundo a integralidade”. (…) (Confira CIC 830)” e consequentemente “Por ser “convocação” de todos os homens para a salvação, a Igreja é, por sua própria natureza, missionária enviada por Cristo a todos os povos para fazer deles discípulos. (CIC 767)

Repito mais uma vês: “A palavra “católica” significa “universal” .

 

Unindo então, caros leitores, o significado da palavra Igreja à palavra Católica temos que ela é “convocação” de todos os homens para a salvação“.

E é exatamente por isso que na Bula Unam Sanctam de 1302, o papa Bonifácio VIII diz: “Una, santa, católica e apostólica: esta é a Igreja que devemos crer e professar já que é isso o que a ensina a fé. Nesta Igreja cremos com firmeza e com simplicidade testemunhamos. Fora dela não há salvação, nem remissão dos pecados, como declara o esposo no Cântico: “Uma só é minha pomba sem defeito. Uma só a preferida pela mãe que a gerou” (Ct 6,9). Ela representa o único corpo místico, cuja cabeça é Cristo e Deus é a cabeça de Cristo.

Tendo em vista o expoto, se alguém se deparar com você e lhe interrogar: “-Onde existe a palavra católica na Bíblia?” você estará pronto a responder “-Leia Mt. 28, 19, e lá você verá, não a palavra católica, mas o seu significado:Universal, a todas as nações

Que Maria, Nossa Senhora, Nossa Mãe e Mãe da Igreja de Jesus Cristo, interceda por nós e pela salvação dos homens, Amém!

Qeu Deus nos abençoe e Maria nos guarde!

Moisés Gomes de Lima, catquista da Paróquia de S. João Batista, Cedro-CE.

Graça de Deus


Diocese de Iguatú – Ce
Paróquia de São João Batista, Cedro – Ce.
Pastoral do Batismo
Palestrante: Moisés Gomes de Lima, catequista.

§1996 Nossa justificação vem da graça de Deus. A graça é favor, o socorro gratuito que Deus nos dá para responder a seu convite: tomar-nos filhos de Deus, filhos adotivos participantes da natureza divina, da Vida Eterna.

§1997 A graça é uma participação na vida divina; introduz-nos na intimidade da vida trinitária. Pelo Batismo, o cristão tem parte na graça de Cristo, cabeça da Igreja. Como “filho adotivo”, pode doravante chamar a Deus de “Pai”, em união com o Filho único. Recebe a vida do Espírito, que nele infunde a caridade e forma a Igreja.

§1998 Esta vocação para a vida eterna é sobrenatural. Depende integralmente da iniciativa gratuita de Deus, pois apenas Ele pode se revelar e dar-se a si mesmo. Esta vocação ultrapassa as capacidades da inteligência e as forças da vontade do homem, como também de qualquer criatura.

§1999 A graça de Cristo é o dom gratuito que Deus nos faz de sua vida infundida pelo Espírito Santo em nossa alma, para curá-la do pecado e santificá-la; trata-se da graça santificante (…), recebida no Batismo. Em nós, ela é a fonte da obra santificadora:

“Se alguém está em Cristo, é nova criatura. Passaram-se as coisas antigas; eis que se fez uma realidade nova. Tudo isto vem de Deus, que nos reconciliou consigo por Cristo” (2Cor 5,17-18).

§2000 A graça santificante é um dom habitual, uma disposição estável e sobrenatural para aperfeiçoar a própria alma e torná-la capaz de viver com Deus, agir por seu amor. Deve-se distinguir a graça habitual, disposição permanente para viver e agir conforme o chamado divino, e as graças atuais, que designam as intervenções divinas, quer na origem da conversão, quer no decorrer da obra da santificação.

Graça do Batismo

§1262 Os diferentes efeitos do Batismo são significados pelos elementos sensíveis do rito sacramental. O mergulho na água faz apelo ao simbolismo da morte e da purificação, mas também da regeneração e da renovação. Os dois efeitos principais são, pois, a purificação dos pecados e o novo nascimento no Espírito Santo.

§1263 Pelo batismo, todos os pecados são perdoados: o pecado original e todos os pecados pessoais, bem como todas as penas do pecado. Com efeito, naqueles que foram regenerados não resta nada que os impeça de entrar no Reino de Deus: nem o pecado de Adão, nem o pecado pessoal, nem as seqüelas do pecado, das quais a mais grave é a separação de Deus.

§1264 No batizado, porém, certas conseqüências temporais do pecado permanecem, tais como os sofrimentos, a doença, a morte ou as fragilidades inerentes à vida, como as fraquezas de caráter etc., assim como a propensão ao pecado, que a Tradição chama de concupiscência ou, metaforicamente, o “incentivo do pecado” (fomes peccati”): “Deixada para os nossos combates, a concupiscência não é capaz de prejudicar aqueles que, não consentindo nela, resistem com coragem pela graça de Cristo. Mais ainda: ‘um atleta não recebe a coroa se não lutou segundo as regras’ (2Tm 2,5).

§1265 O batismo não somente purifica de todos os pecados, mas também faz do neófito “uma criatura nova”, um filho adotivo de Deus que se tornou “participante da natureza divina”, membro de Cristo e co-herdeiro com ele, templo do Espírito Santo.

§1266 A Santíssima Trindade dá ao batizado a graça santificante, a graça da justificação, a qual:

* torna-o capaz de crer em Deus, de esperar nele e de amá-lo por meio das virtudes teologais;

* concede-lhe o poder de viver e agir sob a moção do Espírito Santo por seus dons;

* permite-lhe crescer no bem pelas virtudes morais.

Assim, todo o organismo da vida sobrenatural do cristão tem sua raiz no santo Batismo.

Publicado em Estudos. Tags: , , . Leave a Comment »

Nascimento da Igreja


A Igreja Católica, como todos nós católicos sabemos, e o Mundo se nega a reconhecer, é a Esposa de Cristo, da qual Ele mesmo é a Cabeça e Ela seu Corpo Místico. Sabemos também que Ela é o Sacramento de nossa salvação. O que muitos de nós católicos ainda não sabemos é o exato momento em que Ela, a Igreja Católica (diga-se de passagem, Única e Verdadeira Igreja de Jesus Cristo), foi realmente fundada por Nosso Senhor.

•·Seria em Pentecostes?

 Pentecostes

•·Seria na Última Ceia?

 Última Ceia

•·Seria no Sacrifício Redentor da Cruz?

Crucificação

Creio que você deva ter dito “todo mundo sabe que foi em Pentecostes”. Se essa foi sua resposta ela está…

Ê…

Ê…

ÊRRADA.

Isso mesmo, mas não fique triste, pois quem nos esclarece isso é o Catecismo da Igreja Católica.

Na verdade, em Pentecostes a Igreja já havia sido fundada. Isso mesmo, inclusive estava reunida com Maria Santíssima no Cenáculo. O que houve em Pentecostes não foi o nascimento da Igreja, mas sim a sua manifestação ao Mundo. Veja o que diz o Catecismo da Igreja Católica:

Terminada a obra que o Pai havia confiado ao Filho para realizar na terra, foi enviado o Espírito Santo no dia de Pentecostes para santificar a Igreja permanentemente. Foi então que a Igreja se manifestou publicamente diante da multidão e começou a difusão do Evangelho com a pregação. Por ser “convocação” de todos os homens para a salvação, a Igreja é, por sua própria natureza, missionária enviada por Cristo a todos os povos para fazer deles discípulos“. (CIC 767).

Já na Santa Ceia, sabemos que houve a instituição do Sacramento da Eucaristia.

Então só nos resta o Sacrifício do Calvário. E exatamente isto que a Igreja ensina:

(Mas) a Igreja nasceu primeiramente do dom total de Cristo para nossa salvação, antecipado na instituição da Eucaristia e realizado na Cruz. “O começo e o crescimento da Igreja são significados pelo sangue e pela água que saíram do lado aberto de Jesus crucificado”. “Pois do lado de Cristo dormindo na Cruz é que nasceu o admirável sacramento de toda a Igreja. Da mesma forma que Eva foi formada do lado de Adão adormecido, assim a Igreja nasceu do coração traspassado de Cristo morto na Cruz”. (CIC 766)

 

Então, diante do exposto não há mais nada a acrescentar, fica bem claro que a Igreja nasceu do coração de Nosso Senhor Jesus Cristo, fundada não em idéias humanas, mas sim “do lado de Cristo dormindo na Cruz”.

 
Moisés Gomes de Lima
Catequista da Paróquia de S. João Batista, Cedro – Ce.
Que Deus te abençoe e Maria te guarde!

 

 

O “crente” que foi pro céu


O “crente” que foi pro céu (cordel)

 

“Tem um “crente” aqui no céu!!!”
E a confusão se deu,
todos perguntavam: “Onde???”
O alerta se ascendeu,
a milícia foi chamada
pra ver onde se escondeu.

 

Logo o Anjo Gabriel,
deu a ordem de prisão,
e a busca e captura
foi em toda direção,
a primeira testemunha
deu-lhes esta descrição:

 

“Ele era baixo e gordo,
tinha um paletó lascado”.
Logo o anjo desenhista
fez um retrato falado,
e no céu distribuiu
com a cara do safado.

 

E os anjos comentavam,
fazendo especulação:
“será o  Edir Macedo?
Ou a bispa Sônia, então?
Ou R.R. Soares,
com a sua enganação?”
Era grande o comentário
no meio da multidão.

 

Disse o apóstolo Paulo:
“aqui não pode entrar
os que são de divisão,
é bom deles se afastar,
esses não servem a Cristo,
existem pra dispersar”. …………………..(Rm 16,17-18)

 

Pedro disse: ”esses indoutos
de Escrituras na mão
pegam os pontos difíceis
fazem deles confusão
distorcendo as Escrituras
pra a própria perdição.” ———(2 Pd 3,16) Continue lendo »

Destruição da Família Lá e Cá


escrito por Dom Lourenço

Quando o Haiti foi destruído pelo terremoto, o mundo se solidarizou, enviou ajuda, donativos, voluntários (a imprensa noticiou que apenas 2% do que foi doado chegou ao Haiti. Onde está o resto? Sempre a mesma história, e os ingênuos continuam sendo enganados).

Quando o Chile sofreu um dos maiores terremotos da história, o susto aqui no Brasil foi mais importante, sendo o vizinho mais próximo, chegando mesmo a ser sentido em alguns lugares do nosso país.

Mas o que fazer quando uma Pátria vizinha, a Argentina, levanta-se com o deprimente  título de ter sido a primeira nação da América do Sul a permitir a união de homossexuais. Corre um arrepio no sangue brasileiro: quando será a nossa vez? O povo argentino mobilizou-se para impedir que seus políticos votassem de modo tão iníquo e contrário a Deus, à Pátria e à Lei Natural. Mas nada conseguiram! E nós, o que faremos?  Leia mais

Tivemos algumas vitórias recentes e precisamos nos preparar para um combate rude que nos dê o alívio de saber: apesar de ser um povo pacato e simples, o brasileiro, de um modo geral, não gosta de quebrar a Lei Natural. Votou contra o desarmamento e conseguiu; votou contra políticos abortistas e estes foram rechaçados nas urnas!

Mais cedo ou mais tarde teremos de votar para impedir a manobra dessa gente sem Deus e sem alma. Nossos políticos não são melhores do que os políticos argentinos, ao contrário. Logo nossos corruptos e esvaziados políticos vão querer igualar o que eles chamam de “avanço”. Certamente avançam, mas bordejam perigosamente as margens fumegantes do inferno. Estejamos atentos e prontos para o combate, como nossos vizinhos estiveram. Vejam o video das manifestações em Buenos Aires:

http://www.gloria.tv/?media=87868

Todas essas nações católicas foram fundadas sob o manto da Cruz de Nosso Senhor e chegaram a conhecer um final de civilização católica. Hoje, já pluralizadas, pulverizadas e globalizadas, nossas Pátrias seguem a passos largos no caminho da decomposição completa: povo que abandonou suas raizes, já não funda sua força na estabilidade do mastro de sua Bandeira; povo que abandonou sua moral, prefere temer os tribunais dos homens do que o Tribunal de Deus; povo que abandonou sua fé, preferindo um carnaval religioso de todas as confissões antes de dobrar seus joelhos diante da Hóstia Consagrada.

Jesus, Maria, José: salvai nossas famílias!

Fonte: http://permanencia.org.br/drupal/node/1222

Publicado em Pensadores. Tags: . Leave a Comment »

O Batismo é apenas para os crentes? Não pode ser ministrado às crianças?


Eis uma resposta complicada. Primeiramente, as Escrituras não endossam nem condenam explicitamente o Batismo das crianças. A Igreja histórica sempre acreditou no Batismo das crianças. Os Reformadores Lutero e Calvino também acreditaram ser apropriado batizar crianças. Os Anabatistas foram alguns dos primeiros após a Reforma a condenarem o Batismo das crianças (embora existissem algumas poucas seitas antes da Reforma que não o praticavam).

Os argumentos contra o Batismo das crianças são que as pessoas mencionadas como tendo sido batizadas por João Batista eram adultos arrependidos. No seu sermão de Pentecostes Pedro disse: “Arrependei-vos e batizai-vos”. Quem sustenta que o Batismo é apenas para os crentes, diz que não podendo as crianças se arrependerem, não lhes é apropriado o Batismo.

Aqueles que defendem o Batismo das crianças citam passagens dos Atos dos Apóstolos, onde famílias inteiras, como a de Cornélio e a de Lídia, eram batizadas, o que supostamente inclui as crianças. Um outro argumento a favor do batismo das crianças vem da comparação do Batismo com a circuncisão:

“Nele também fostes circuncidados com circuncisão não feita por mão de homem, mas com a circuncisão de Cristo, que consiste no despojamento do vosso ser carnal. Sepultados com ele no Batismo, com ele também ressuscitastes por vossa fé no poder de Deus, que o ressuscitou dos mortos” (Col 2,11-12).

Na Antiga Lei, no oitavo dia as crianças do sexo masculino eram recebidas e lhes era dado o sinal da circuncisão da Antiga Lei. Já que o Novo Testamento é uma Lei mais abrangente do que a Antiga, incluindo homens e mulheres, judeus e gentios, o Batismo das crianças é mais apropriado a dar às crianças o Signo da Nova Lei (o Batismo). Com efeito, Jesus disse:

“Deixai vir a mim as criancinhas e não as impeçais, porque o Reino de Deus é daqueles que se parecem com elas” (Lc 18,16).

O “se parecem com elas” de que Jesus falou eram criancinhas que o povo trazia para ele abençoá-las. Assim, os Pedobatistas vêem nas palavras de Jesus um argumento a seu favor.

Registros históricos confirmam que a prática do Batismo das crianças era geralmente a norma. No segundo século, Irineu escreveu a primeira declaração sobre a prática na Igreja do Batismo das crianças:

“Ele (Jesus) veio para salvar a todos através dele mesmo, isto é, a todos que através dele são renascidos em Deus: bebês, crianças, jovens e adultos. Portanto, ele passa através de toda idade, torna-se um bebê para um bebê, santificando os bebês; uma criança para as crianças, santificando-as nessa idade…(e assim por diante); ele pode ser o mestre perfeito em todas as coisas, perfeito não somente manifestando a verdade, perfeito também com respeito a cada idade” (Contra Heresias II,22,4 (ano 189)).

Irineu declarou que as crianças cristãs renascem. Como podem renascer se não têm a capacidade (pelo que sabemos) para exercer a fé? Previamente já vimos que isso acontecia pelo Batismo. Irineu mesmo nasceu numa família cristã, por volta do ano 140, em Esmirna, uma das Igrejas mencionadas no Apocalipse (Ap 2,8). Os historiadores pensam que Irineu foi provavelmente batizado por Policarpo, que foi o bispo de Esmirna. Policarpo foi mártir e discípulo pessoal de João, o Apóstolo. Parece-nos improvável que ele tivesse batizado crianças se fosse impróprio e se tivesse ouvido de João instrução diferente. No ano 215, Hipólito escreveu:

“Onde não há escassez de água, a água corrente deve passar pela fonte batismal ou ser derramada por cima; mas se a água é escassa, seja em situação constante, seja em determinadas ocasiões, então se use qualquer água disponível. Dispa-se-lhes de suas roupas, batize-se primeiro as crianças, e se elas podem falar, deixe-as falar. Se não, que seus pais ou outros parentes falem por elas” (Tradição Apostólica 21,16).

Diz-se que Hipólito instruiu às crianças que tivessem capacidade falarem por elas mesmas. Isso parece muito com as crianças levadas a Jesus, em Lucas 16,15. Finalmente, Orígenes fez uma firme declaração com respeito a origem apostólica do batismo das crianças:

“A Igreja recebeu dos apóstolos a tradição de dar Batismo mesmo às crianças. Os apóstolos, aos quais foi dado os segredos dos divinos sacramentos sabiam que havia em cada pessoa inclinações inatas do pecado (original), que deviam ser lavadas pela água e pelo Espírito” (Comentários sobre a Epístola aos Romanos 5,9 (ano 248)).

Finalmente, eis uma interessante citação do eminente Teólogo Protestante Dr. R.C. Sproul, em “Verdades Essenciais da Fé Cristã”, com relação ao batismo das crianças:

“A primeira menção direta ao Batismo das crianças se vê por volta do meio do segundo século. O que é digno de nota sobre esta menção é que concorda que o Batismo das crianças era uma prática universal da Igreja. Se o Batismo das crianças não estivesse em prática no primeiro século da Igreja, como e por que começou como doutrina ortodoxa tão cedo e tão generalizadamente? Não somente foi uma rápida e universal disseminação, mas a literatura sobrevivente daquele tempo não demonstra nenhuma controvérsia a respeito desse costume”.

Concordando pelo batismo das crianças, Dr. Sproul usa como argumento final a palavra tradição com “T” maiúsculo. Em seu sumário, nas palavras finais se lê:

“A história da Igreja sustenta o testemunho da prática universal e não controvertida do Batismo das crianças no segundo século”.

Por que você negaria as bênçãos do Batismo para as suas crianças quando a Bíblia não o proíbe, e é prática universalmente aceita pela Igreja histórica e até mesmo pelos Reformadores Lutero e Calvino?

Fonte: Site “Glory to Jesus Christ!”. Tradução: José Fernandes Vidal.

Democracia Liberal: demagogia maquiada


Democracia Liberal: demagogia maquiada
Fábio Vanini
Busquemos o melhor, não o mais comum, aquilo que conceda uma felicidade eterna, não o que aprova o vulgo, péssimo interprete da verdade.”. (Sêneca, Da Felicidade. Cap. I, II)
Aproxima-se mais um sufrágio para a presidência do Brasil. A democracia liberal é o grande dogma da sociedade moderna, laicizada e humanista. Todo indivíduo tem igual capacidade de avaliar o que é melhor para o coletivo dos homens. O patriarca e o caçula têm o mesmo direito de saber o que é o melhor para a família, com igual direito a divergirem. Aliás, divergência é sinal de saúde democrática.
A grande massa já elegeu, aos berros e às lagrimas – e ao som de um samba emocionante – o direito universal às eleições diretas como a última grande revolução libertadora da humanidade. O povo agora pode voar com as asas da democracia.
E com a estultície de uma pomba…
É natural que não se possa esperar boa coisa do mesmo meio com que se escolheu Barrabás. “A voz do povo é a voz de Deus”, imagine…
Barrabás, que não tinha impresso nenhum santinho, foi eleito o santo. Mas se tivesse que produzir santinhos, certamente investiria muitas moedas de ouro – mais de trinta – para uma boa fotografia. Porque a fotografia é a alma do negócio.
Um estudo realizado na Suíça1, publicado na Science, mostrou a importância da imagem na escolha do candidato preferido pelos eleitores. As fotos do primeiro e segundo colocados em eleições ocorridas em 2002, na França, foram disponibilizadas para 2.841 pessoas na Suíça, sendo 681 crianças entre 5 e 13 anos. Uma situação hipotética os obrigou a escolher como líder uma das duas pessoas das fotos.
Os resultados foram surpreendentes? Nada… – predicting elections…1– Os próprios autores do artigo introduzem a pesquisa com o argumento de Platão de que a tripulação não é capaz de eleger um bom capitão para seu navio, pois julga segunda as aparências. Os participantes da pesquisa de 2009 elegeram exatamente o vencedor das eleições francesas de 2002. As crianças também… Sem contar que, na Suíça, a democracia é, historicamente, bem madura.
Disso, depreende-se o óbvio: as escolhas populares dos nossos representantes são feitas considerando-se somente as aparências e valendo-se de critérios infantis.
O estudo não considera, no entanto, que há alguém por trás das opções… Essa, nem os cientistas que publicaram na Science pegaram, ou se furtaram de denunciá-lo: quem escolhe os rostos que serão fotografados nos próximos santinhos eleitorais? No trabalho de pesquisa citado, um critério foi utilizado para eleger o material fotográfico. Não seria natural esperar o mesmo no pleito liberal?
No Brasil, escolheu-se – quem escolheu? – a esquerda mais radical. Em seguida, escolheu-se os candidatos. Tudo bem que estes vão ter que se maquiar muito para se tornarem competitivos, mas, ganhando um ou outro, ganha a esquerda. E o povo sai contente com suas asas de pomba e sua vaidade de pavão.
E assim, Barrabás vai se reelegendo ao longo dos anos, e, com ele, o povo vai sendo conduzido pelos governantes que merece. Curiosamente, Barrabás era um ladrão.
1 Predicting Elections: Child’s Play! Science 27 Fevereiro de 2009: Vol. 323. no. 5918, p. 1183



Para citar este texto:

Fábio VaniniDemocracia Liberal: demagogia maquiada
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/index.php?secao=veritas&subsecao=politica&artigo=democracia-liberal〈=bra
Online, 18/07/2010 às 16:09h

Publicado em Política. Tags: . Leave a Comment »

Homilia longa…

Quando o homem torna-se o centro…


Deus é deixado de lado:

"Encenação" absurda em uma Missa há alguns anos atrás quando eu era membro da RCC de Cedro - CE.

“(..) a decadência [da liturgia] chega quando o culto divino é submetido ao sentimentalismo e ao ativismo pessoais de clérigos e leigos que, penetrando-o, transformam-no em obra humana e entretenimento espetacular: um sintoma hoje é, por exemplo, o aplauso na Igreja, que sublinha indistintamente o batismo de um recém-nascido e a saída de um caixão em um funeral.” (Pe. Nicola Bux, consultor do Ofício de Celebrações Litúrgicas do Sumo Pontífice, em entrevista a Zenit)

Publicado em RCC. Tags: , . Leave a Comment »

Notas da Igreja – Montfort


PERGUNTA 

Nome: César
Enviada em: 03/07/2003
Local: Campinas – SP,
Religião: Protestante
Idade: 28 anos
Escolaridade: Pós-graduação concluída


Caro Sr. Fedeli

Inicialmente gostaria de cumprimentá-lo pelas elucidações da doutrina católica ( um tanto quanto obscuras para mim anteriormente) e que agora se tornam mais compreensíveis ao meu espírito. 

Muito me agrada sua exemplificação da pureza doutrinária da Igreja em confronto à profusão, por vezes contraditárias tanto quanto desconexas, das “teologias” de livre interpretação. 

Quanto à pureza, refiro-me a sua unicidade doutrinal, aperfeiçoada durante dois milênios e tendo como fundamento uma coerência circular, ou seja, a sua própria justificação está no fato de sê-la em si, a Igreja Una, Santa e Católica, numa inévitável auto-referência. Obviamente, toda a idéia de emancipação, discordância e contra-posição são excluídas como heresias pela sua própria doutrina: A Igreja é Santa, porque é a Única e Católica, é Una porque é Santa, consequentemente Católica e assim sucessivamente. 

Há, portanto, um processo de circularidade inercial, ou como andar em uma esteira: há movimento porém nunca se locomove, pois o que foi dito o está, e não sendo possível contradizê-lo em momento algum, nem agora nem no futuro, torna-se inacessível à experiência prática. 

Não havendo, portanto a possibilidade de mudança e consequentemente de arrependimento, um perfeito círculo lógico se instaura: as ações são auto-justificáveis, incabíveis quaisquer julgamentos.Temos que aceitá-La independentemente de seus atos, pois traz uma característica de purificação supra humana. Esta concepção é um tanto quanto conflitante ao crescimento espiritual e intelectual do ser humano (isso se assim o considerá-lo passível de livre-arbítrio, aprendizado, dinamismo social e intelectual) Por favor, se a minha concepção está errada, peço sua atenção, se possível, em me responder. 

Acredito que possa me esclarecer esta dúvida com sua já característica coerência. 

Obrigado, 

Cesar 

RESPOSTA

Muito prezado professor Cesar, salve Maria!

Deu-me alegria receber sua carta reveladora de sua alma leal. Ademais, devo agradecer especialmente sua palavras, provenientes de pessoa que é de origem não católica.

O senhor, Professor, me pede que corrija, se necessário, o que me disse.

Se me permitir, então, gostaria de lhe dizer que a circularidade de raciocínio, que o senhor aponta, pode ser resolvida do seguinte modo:

A Igreja é Una porque tem uma só Fé nas verdades reveladas por Deus Nosso Senhor. Como Deus é imutável, a Fé também jamais muda.
Ela é una, também, porque tem um só Batismo, instituído pelo próprio Cristo. É una também por seu governo, instituído, por Jesus mesmo, sobre Pedro e seus sucessores, os Papas ( Mt, 16-20).
A Igreja é Una sob o único Papa.

A Igreja é Santa, em primeiro lugar, por sua cabeça, que é o próprio Cristo, cuja divindade santifica continuamente a Igreja, apesar dos pecados de seus membros, os homens. Os nossos pecados, dos homens pertencentes à Igreja, não contaminam a Cabeça da Igreja, Cristo Deus. A Igreja é santa também porque o Espírito Santo a assiste continuamente, com suas graças, através dos sacramento O Espírito Santo, enviado por Cristo à Igreja, está sempre santificando as almas. Por isso, em todos os tempos, houve e há santos, na Igreja.

Ela tem que ser Católica — palavra que quer dizer universal — porque Deus Nosso Senhor quer salvar a Todos os homens: judeus e gentios, ricos e pobres, de todas as raças, de todos os países, e de todas as condições. Por aí o senhor vê, caro Professor Cesar, como erram os chamados Teólogos da Libertação, ao afirmar que a Igreja é dos pobres, apenas. Deus não faz opção de pessoas, e mandou que os Apóstolos ensinassem e batizassem a todos. Inclusive os ricos. Daí é que vem o caráter católico da Igreja.

Finalmente, a quarta nota característica da Igreja: ela é Apostólica.
A Igreja é Apostólica, porque vem dos Apóstolos, sem interrupção, na História. Os Apóstolos receberam de Cristo a missão de ensinar e batizar todas as gentes, e essa missão eles foram passando, pela sagração de Bispos até hoje.

Se não lhe ficou clara a exposição, peço-lhe que me escreva novamente.

Nada disto contraria o desenvolvimento espiritual, intelectual e material do ser humano.

Pelo contrário, só podemos crescer realmente nesses sentidos, baseando-nos na Fé, que é uma luz sobrenatural que esclarece o homem, mesmo para compreender o universo, já que um só — Deus — é o revelador das verdades da Fé e quem instituiu os princípios e as leis do Universo.

Muito satisfeito por sua carta, subscrevo-me atenciosamente

 

in Corde Jesu, semper,

Orlando Fedeli.

Céu, pecado, psicopata… Frei Rojão!


 Fonte: http://freirojao.blogspot.com/2010/07/o-reino-dos-ceus-tomado-por-psicopatas.html

Frei, estou lendo umas coisas aqui sobre os psicopatas, serial killers, crimes cometidos por essas pessoas e a psicopatia em geral. Gostaria de saber se essas pessoas que são acometidas dessa ‘doença’ terão seu lugar no céu, já que se tratam de psicopatas. se eu cometo um crime eu logo me arrependerei por motivos morais e cristãos. já os psicopatas não vivem isso pq eles não tem emoções. Como se explica isso na ótica católica.

Frei Rojão responde:

Nunca viu o Auto da Compadecida? O chefe cangaceiro entrou no céu a despeito de matar quase toda a cidade, ele era louco mas só Deus sabia.

Para ser pecado deve haver pleno consentimento. Sendo assim, pessoas que cometem ilícitos por grave compulsão alheia a sua vontade não tem culpa, portanto não tem pecado.

Isso difere da negligência. Pessoas podem cometer ilícitos por negligência, mas a culpa recai na negligência. Alguém que sabe ter um sério distúrbio e que não se trata – podendo o fazer, e tendo consciência de que pode o fazer – torna-se culpada. Da mesma maneira um motorista é culpado por dirigir embriagado. Ninguém em sã consciência deseja causar um acidente embriagado, mas ao dirigir bêbado assume-se este risco, se se conhece o risco. Em hipótese, alguém que assume um risco que não conhece e provoca o mal não peca. Por exemplo, alguém que liga inadvertidamente uma chave elétrica e eletrocuta alguém, mas sem a menor noção que era um contato elétrico. Cabe perguntar: “Estava conhecedor dos efeitos?”. Se não, não é pecado.

Eis a diferença teológica entre o doloso e culposo. Todo pecado é doloso por definição.

Assim se aplica aos pecados contra a castidade feito por efeito de álcool – também matéria grave. Ainda que o álcool reduza a capacidade de julgamento, embriagar-se em situação perigosa para a virtude é praticamente permitir o pecado. Antes do primeiro gole havia pleno consentimento na possibilidade que isto ocorresse. E convenhamos: nem álcool, nem nenhuma droga tira totalmente o livre-arbítrio. Exceção feita se você ganha um boa-noite cinderela e é violentada dormindo ou narcotizada. Neste caso, não havia vontade de nada ilícito, nem vontade de ter um facilitador comportamental de ilícitos.

A regra é: “Acordado em sã consciência, você faria?”. Se sim é pecado. Se não, não. Exemplo: Anestesias. As vezes voltamos muito esquisitos da anestesia. Imagine alguém vontando da sala cirúrgica e não dizendo ainda coisa com coisa começa a balançar o dito para as enfermeiras de sua maca. Risível em alguém semi-anestesiado, depravado em uma pessoa em sã consciência. A regra da ausência de consciência plena mitiga e até anula arroubos noturnos causados por sonhos mais picantes – que acontecem naturalmente sem culpa própria (supondo uma pessoa que não os alimentou com pornografia ou pensamentos sujos). Mas isto é controverso. Já me jogaram a pecha de laxista na cara, a despeito do catecismo comentar a mesma coisa em linguagem desidratada.

A indução ao pecado recai na mesma regra. Alguém plenamente desconhecedor dos códigos morais não peca por induzir alguém ao pecado. Por analogia, excusa-se aqueles que não são católicos mas nunca tiveram o mínimo contato para conhecer a fé. Este tema é extenso demais.

Ao contrário, pode-se argumentar na “Lei Natural”, todos conhecem códigos mínimos da Lei Natural, e extrair a culpa pela violação delal. Exemplo básico de Lei Natural? Homem com mulher, masculino se une ao feminino. Que não me venham dizendo que isso não está impresso no mais básico do ser humano, ou dos animais, ou mesmo dos vegetais? Há uma resistência da Lei Natural ao comportamente homossexual.

Observe que as hipóteses “puras” de não-pecado e pecado não existem na vida real. Sempre estamos em condições cinzas, entre a falta de culpa e a culpa total. Como pecado sempre é intenção e consciência, apenas Deus tem autoridade para julgar os pecados, porque vê plenamente os efeitos que culminaram na falta. Os homens podem – com sua justiça humana – apenas buscar uma reparação provisória. A nós cabe um santo “egoísmo” de só cuidarmos de nossas intenções e nossos pecados. E os pecados dos outros? Quem não tiver pecados, que atire a primeira pedra!.

Ao final, respondi e não respondi sua pergunta. Um psicopata “puro”, totalmente descontrolado, não peca. Mas quem pode entrar em sua mente para julgar que em momento algum ele não se deu conta de sau doença ou não pôde resistir à compulsão? E não nos deixeis cair em tentação… Santa Maria, mãe de Deus, rogai por nós, os pecadores!

Publicado em Curiosidades. Tags: , , . 2 Comments »

Protestante reconhece a grandeza de Nossa Senhora – MONTFORT


Nome: Simone
Enviada em: 07/11/2003
Local: Recife – PE,
Religião: Protestante
Idade: 22 anos
Escolaridade: 2.o grau concluído

Olá Orlando a paz.

Estive conversando com um amigo meu que é católico, e ele disse algo interessante. Veja: a bíblia fala de muitas pessoas que cometeram erros. Até mesmo de Pedro, quando ele foi repreendido por Paulo por temer os da circuncisão.

Mas, a bíblia não fala sobre erros que maria possa ter vindo a cometer. Fala de muitos, mas com relação a Maria não vemos um registro sequer. Nas igrejas evangélicas fala-se muito nos apóstolos e coisas e tal, mas de maria fala-se pouco. Ela que foi uma mulher maravilhosa, exemplo de serva do Senhor. Um exemplo a ser seguido por todo cristão. Já vi muitas pessoas falarem mas não muuuuito. Ela sempre é lembrada, mas não tanto como outros. Sabe, aborreço-me quando falam que ela foi uma pessoa como outra qualquer. Ela foi especial!

Queria só deixar registrado aqui meu comentário, pois acho que os protestantes deveriam dar mais atenção a uma pessoa tão importante assim.

Fique na santa paz do Senhor.

Simone

RESPOSTA
Muito prezada Simone, salve Maria!Só posso louvá-la por sua carta que revela sua admiração por Nossa Senhora, a Mãe de Deus, e sempre Virgem Maria.

Você veja como o Evangelho conta que o anjo a saudou “Ave cheia de graça, o Senhor é contigo” (Luc., I,28). e note, prezada Simone, que essa e a única vez que um anjo saúda um ser humano. Normalmente, é claro, são os homens que saúdam os anjos, como você sabe que fez Abraão (Gen. XVIII).

E quando Maria foi visitar Isabel, esta a saudou dizendo-lhe:

“Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto. Donde me vem esta dita que a Mãe de meu Senhor venha ter comigo” (Luc. I,43).

Por isso lhe digo, cara Simone, que a Mãe do Senhor, um dia, vá também até você.

In Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli

Os papas e a Inquisição – MONTFORT


Nome: Antonio
Enviada em: 17/07/2004
Local: Canoas – RS,
Idade: 42 anos
Escolaridade: Superior concluído
Profissão: Func. Público

Gostaria de saber se os Papas sabiam dos crimes cometidos pelos inquisidores em nome da Igreja Católica Romana?

RESPOSTA
Prezado Sr. Antonio, salve Maria,
 
Não entendi a que “crimes da Inquisição” o sr. faz referência, poderia ser mais específico?
 
Os papas não só apoiavam o procedimento da Inquisição como foram seus fundadores.
 
A origem da Inquisição está diretamente ligada com o progresso da heresia cátara. Dominando extensas regiões do sul da França, sendo favoráveis ao suicídio, contrários ao casamento e ao juramento – o que dissolvia respectivamente: o indivíduo, a família e a sociedade –  saqueando as fazendas e Igrejas, os cátaros, além de um atentado à doutrina católica, representavam uma ameaça social. Por isso, os hereges passaram a ser, não só uma preocupação do clero, mas do Estado, incorrendo em penas civis.
 
Ocorre que algumas vezes os governantes entregavam os suspeitos de heresia à justiça comum sem averiguar direito sua culpabilidade. Ou ainda, taxavam inimigos injustamente de hereges para tirar vantagens. Foi este o caso de Frederico II, que desejando conquistar a Lombardia, condenou à morte, desterrou e confiscou os bens de vários habitantes da região, acusando-os de hereges (ironicamente, fez sua cruzada contra a heresia com um exército de árabes, o que mostra bem o seu zelo pela fé).
 
Para impedir esses abusos, o papa Gregório XI resolveu fundar o Tribunal da Inquisição, reivindicando o direito exclusivo de julgar heresias. Só esse Tribunal poderia declarar alguém como herege.
 
O Papa visava também impedir que a população fizesse justiça com as próprias mãos. Muitas vezes os suspeitos de heresia eram atacados sem esperar a atuação das autoridades.  Em Soissons, em 1120, por exemplo, demorando o bispo para punir alguns hereges, o povo os arrancou de sua guarda para queimá-los na fogueira. Em Colônia, o próprio povo arrombou a prisão e massacrou hereges que aguardavam julgamento. Pedro Bruys foi assado na Sexta-feira Santa, quando assava carne para insultar os cristãos.  Há uma infinidade de outros casos.
 
Assim, o Tribunal criado pelo Papa visava proteger o réu, ou seja o acusado de heresia, dentro de normas jurídicas e eclesiásticas. Era uma oportunidade para que ele se defendesse antes que fosse entregue às penas aplicadas pelo Estado.
Depois de fundado por Gregório XI, o Tribunal da Santa Inquisição foi aprimorado e acrescido de poderes pelos Papas seguintes, recebendo sempre apoio da Igreja.
 
Espero ter respondido sua questão.
 
Salve Maria,
 
Laura Palma.

Espiritismo e os seus erros


A Sagrada Escritura condena a reencarnação e qualquer forma de espiritismo.


 

Fonte: http://www.lepanto.com.br/dados/ApEspiritas.html  

A Sagrada Escritura nega a Reencarnação  

A morte é uma conseqüência do Pecado Original. Quem nos traz a vida, novamente, é Nosso Senhor Jesus Cristo, através da Redenção. 

Não há segunda chance, como está em S. Paulo: “Está decretado que o homem morra uma só vez, e depois disto é o julgamento” (Hb 9, 27). “Assim o homem, quando dormir, não ressuscitará, até que o céu seja consumido, não despertará, nem se levantará de seu sono” ( Jó, XIV,12). 

A doutrina espírita, com o seu reencarnacionismo, defende que o homem é o seu próprio salvador. Cada um se “auto-salva” através da iluminação progressiva. Portanto, há uma negação da Redenção de Nosso Senhor Jesus Cristo. 

A tese de que S. João Batista é Elias reencarnado, como eles defendem, não procede, visto que S. João respondeu peremptoriamente a uma comissão de judeus que o interrogavam a respeito: “Não sou Elias” (Jo.1 , 21)  

Depois, na própria Transfiguração do Tabor, apareceram Elias e Moisés. Ora, pela tese espírita, o espírito toma a forma do último corpo que habitou. Como S. João já havia morrido, não seria possível ele aparecer como Elias… 

As palavras de Nosso Senhor só podem ser entendidas no sentido que a Igreja ensina, ou seja, que S. João Batista era como um outro Elias. Se assim não for, a Bíblia estaria em contradição e a própria tese espírita-cristã ficaria sem fundamento. 

A morte é, pois, uma conseqüência do pecado e um castigo sobre os homens, que precisam da graça que nos vem através da Redenção. 

Onde está escrito que a Ressurreição será em nosso mesmo corpo?  

A Ressurreição da carne é um dogma católico constante no Credo. Base da Fé católica. 

Na Sagrada Escritura, são inúmeros os trechos que afirmam, explicitamente, a ressurreição de nossa mesma carne. 

Jó, no meio de seus sofrimentos (com sua carne já corrompida pela lepra), consolava-se com a lembrança da sua futura ressurreição (Jó, 19, 35), os irmãos Macabeus também (II Mac. VII, 2). Marta também disse a Nosso Senhor: “Sei que meu irmão há de ressurgir na ressurreição que haverá no último dia” (S. Jo. 11, 24). 

Não apenas os santos ressuscitarão, mas também os réprobos, como se lê em S. João (5, 28), S. Mateus (25, 31). 

Além disso, a ressurreição de todos os homens será instantânea e universal (1 Cor. 15, 62). 

Nosso Senhor Jesus Cristo declarou muitas vezes que ressuscitaria os mortos: “Virá uma hora em que todos os que se acham nos sepulcros ouvirão a voz do Filho de Deus; e os que obraram bem, sairão para a ressurreição da vida; mas os que obraram mal, sairão para a ressuscitados para a condenação” (S. Jo. 5, 28). E: “O que come a minha carne e bebe o meu sangue, tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia” (S. Jo. 6, 55). 

Cristo provou, diversas vezes, que tem o poder de ressuscitar os mortos e nos disse: “Eu sou a ressurreição e a vida” (Jo. 11, 25).  Ao mesmo tempo, se só a alma fosse punida ou recompensada, a retribuição aos méritos dos homens não seria perfeita. Diz Tertuliano: “porque muito boas obras, como o jejum, a castidade, o martírio, não podem ser realizadas senão por meio do corpo, é pois justo que ele participe da felicidade da alma“. 

Quando, diz Teodoreto, se levanta uma estátua a um general vitorioso, gosta-se de o representar com a armadura que usava no combate; e a alma não deveria ser glorificada no corpo em que venceu o seu inimigo?” “A retribuição é, pois, a razão última da ressurreição” (Tert).  Depois, Cristo quis salvar o homem todo, em corpo e alma; se, portanto, pelo seu sacrifício só tivesse salvado a alma, sem o corpo, a redenção seria incompleta (Tert.); o demônio, na sua obra de destruição, teria sido mais poderoso que Cristo na sua obra de restauração; isto é impossível: o triunfo de Cristo foi completo. “Por um só homem entrou a morte no mundo, e por um só homem a ressurreição” (1 Cor. 15, 2). (apud. Francisco Spirago “Catecismo Popular”) 

Podemos transcrever citações múltiplas na mesma linha, o que não deixa margem à dúvidas em relação à ressurreição da carne: “Este [corpo] corruptível revestirá a incorruptibilidade e este [corpo] mortal, a imortalidade” (1 Cor. 15, 52). 

Nós teremos, portanto, os mesmos corpos e não outros novos, a fim de que um receba o que é devido às boas ou más ações que houver praticado enquanto andava revestido do seu corpo” (2 Cor. 5, 10). 

Filosoficamente, explica Santo Tomás de Aquino: “Ainda que dentro de 10 ou 12 anos todas as moléculas materiais do nosso corpo hão de estar mudadas, o nosso corpo conserva-se idêntico a si próprio, porque o princípio, a substância são os mesmos; assim os corpos ressuscitados conservarão a sua identidade, ainda quando todas as moléculas materiais lhes não fossem restituídas” (Santo Tomás de Aquino). 

A comunicação com os mortos é real ou ilusória  

Existe a possibilidade de almas que estão no purgatório pedirem orações pelos vivos. 

Todavia, a comunicação com os mortos nunca pode ser provocada: “Não se ache no meio de ti quem pratique a adivinhação, o sortilégio, a magia, o espiritismo, a evocação dos mortos: porque todo homem que fizer tais coisas constitui uma abominação para o Senhor” (Dt 18, 9-14) 

As diversas condenações ao espiritismo na Sagrada Escritura  

Se uma pessoa recorrer aos espíritos, adivinhos, para andar atrás deles, voltarei minha face contra essa pessoa e a exterminarei do meio do meu povo“. “Qualquer mulher ou homem que evocar espíritos, será punido de morte” (Lev 20, 6 – 27). 

Em Isaias, vemos que é do espiritismo que se trata, quando Deus fala de feitiçaria, adivinho, etc… pois no cap. 8, 19, se lê a queixa de Deus “Acaso não consultará o povo o seu Deus? Há de ir falar com os mortos acerca dos vivos”? Em Jeremias lemos: “Não vos seduzam os vossos profetas, nem os vossos adivinhos… eu não os enviei” (19, 8,9). No Levítico (20, 27), Deus ordena a pena de morte de apedrejamento contra os pitões e adivinhos, que seriam – e eram de verdade – como os médiuns e esoteristas de hoje (vê-se isso especialmente em Isaías 47, 13). 

No Deuteronômio (13, 1 a 5) se encontram passagens bem sugestivas de como Deus se ira contra os que forjam religiões falsas: “Quando profeta ou sonhador de sonhos se levantar no meio de ti e te der um sinal ou prodígio e suceder tal sinal ou prodígio… não ouvirás as palavras de tal profeta e sonhador, porquanto o Sr. vosso Deus vos prova se amais o Senhor vosso Deus… E aquele profeta sonhador de sonhos morrerá, pois falou rebeldia contra o Senhor vosso Deus.” 

A quem consultar? À Deus ou aos espíritos?  

Além disso, temos o fato de que esses espíritos entram em contradição entre si (Ver “O Livro dos Espíritos” cap. V, no. 222, p. 139, do próprio Alan Kardec). Mesmo em relação à reencarnação, os espíritos divergem em seus pronunciamentos (“Livro dos Médiuns” C. 27, No. 8, p. 338). 

A Igreja católica considera que esses espíritos podem ser demônios (como descreve a Sagrada Escritura) ou simples manifestações subjetivas dos envolvidos (como descreve a psicologia). 

Como explicar o sofrimento na visão católica  

Sobre o sofrimento, o que ocorre é que a mentalidade do século XX é muito influenciada por uma visão de “gozo da vida”. Nosso Senhor, que não tinha nenhum pecado, sofreu por todos nós. Santa Terezinha do Menino Jesus, quando descobriu sua doença (tuberculose), ficou muito feliz por poder sofrer em união à Cristo. 

Ensina S. Paulo: “Agora eu me regozijo nos meus sofrimentos por vós, e completo, na minha carne, o que falta das tribulações de Cristo” (Colossenses 1, 24). 

Nosso Senhor também disse: “quem quiser vir após mim, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me“. 

Ora, a vida do católico (e de toda a criatura), neste terra, é um “vale de lágrimas”. 

O sofrimento é um sinal de benção de Deus, que ama seus filhos e os ajuda e chegarem até Ele. Quando você conhecer alguém que não tenha sofrimento, desconfie. Ele pode estar recebendo nessa terra o pagamento pelo que já fez de bom, pois não receberá na eternidade… O homem justo expia os seus pecados e os dos outros, como Cristo expiou por nós na Redenção. 

Existe um livro muito interessante, chamado “carta do Além”, que não tem nada de espírita. Trata-se de um sonho de uma freira. Nesse sonho, essa freira recebe uma carta de uma antiga amiga, que havia sido condenada ao inferno. Depois de ler a carta, ela transcreve em um papel. Nesse documento, a amiga diz, claramente, que Deus já tinha dado à ela, durante a sua vida, tudo o que lhe era de “direito”, por cada ato bom que, em algum momento de sua vida, ela havia feito. 

Voltando ao sofrimento, hoje é pouco conhecido o motivo que leva o Padre, durante o ofertório, a acrescentar uma gota de água ao vinho que será transformado no Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo. Essa gota de água é o nosso sofrimento, de cada homem, que é unido ao sofrimento de Cristo, segundo nos ensina S. Paulo, como já visto:”Agora eu me regozijo nos meus sofrimentos por vós, e completo, na minha carne, o que falta das tribulações de Cristo” (Colossenses 1, 24). 

Quanto mais uma pessoa pode sofrer pelos outros (e por si), tanto mais ela se aproxima de Deus por seus méritos e pela assistência de que necessita. 

Pode-se observar que, normalmente, quanto mais sofrida é a pessoa, tanto mais ela tem Fé em Deus. O sofrimento aproxima o homem de seu criador, assim como uma criança procura seu pai quando não consegue resolver por si mesma algum problema. 

Portanto, não devemos nos assustar com pessoas que sofrem mais do que outras. Elas foram chamadas a uma vocação específica e muito grande. Elas compram graças para os outros e intercedem, com seus sofrimentos, junto ao trono de Deus. 

Temos o caso de Jó, na Sagrada Escritura. 

Como Jó era fiel, o demônio dizia que a fidelidade dele advinha do fato de que ele tinha riquezas. Deus, então, permitiu que o demônio retirasse a riqueza de seu servo Jó. E assim foi. Jó ficou pobre e, na sua pobreza, bendizia ao Senhor seu Deus: “Deus me deu, Deus me tirou, louvado seja o santo nome de Deus”. O demônio, ainda não satisfeito, afirmou que ele era fiel apenas por que tinha uma família muito boa e com muitos filhos. Novamente, Deus permitiu que o demônio atentasse contra a família de Jó. Morreram os seus filhos, ficou apenas a sua mulher. Esta, para provocar a Jó, dizia que ele deveria maldizer a Deus. Jó, porém, repetia: “Deus me deu, Deus me tirou, louvado seja o santo nome de Deus!”. O demônio continuava insatisfeito e lançou sua última carta: retirou a saúde do grande homem que os séculos cantam e glorificam em sua paciência. Jó, conta a Sagrada Escritura, ficou com a pior doença da época: a lepra. No monte de sua desgraça, Jó repetia: “Deus me deu, Deus me tirou, louvado seja o santo nome de Deus!”. Depois de tantas provas de fidelidade, Deus restituiu a saúde, a família e o dinheiro a Jó. 

Esse é o amor filial, o amor de reverência, o amor de adoração que se deve à Deus. Jó é um dos maiores homens do Antigo Testamento! Ele foi grande por quê? Porque soube amar a Deus no seu sofrimento. Soube se entregar por inteiro ao seu criador, de quem recebeu tudo sem nenhum mérito. Agora, ele retribuía com um pouco o muito que recebera: a sua existência. 

Deus nos convida à tomarmos a nossa “Cruz” e a “seguí-lo”. 

O Demônio é o pai da gnose, fundamento do Espiritismo.  

O demônio é o pai do espiritismo. Ele não é um “estado de espírito”, mas o autor da religião gnóstica (fundamento do espiritismo). Foi dele o primeiro brado igualitário do mundo: “Não servirei!“. Foi com a mesma falácia que ele tentou Eva: “Se comeres desse fruto, sereis iguais a deus“. A gnose preceitua exatamente a igualdade dos homens com Deus, tanto em seu fundamente filosófico, como em sua doutrina da reencarnação e da iluminação evolucionista. 

Na Sagrada Escritura fica claro que o demônio é um ser criado, que se revoltou (através do seu livre-arbítrio) contra o seu criador. 

Tanto anjos como demônios podem interferir na vida dos homens, assim como podem se manifestar com vozes e se materializar em corpos (ou possuí-los). 

Para maiores detalhes, ver o fundamento da Nova Era no seguinte endereço: http://www.angelfire.com/id/Viotti

Ao PT o que é do PT…


Dai a Cesar o que é de Cesar…

D. Luiz Gonzaga Bergonzini

Bispo de Guarulhos

Com esta frase Jesus definiu bem a autonomia e o respeito, que deve haver entre a política (César) e a religião (Deus). Por isto a Igreja não se posiciona nem faz campanha a favor de nenhum partido ou candidato, mas faz parte da sua missão zelar para que o que é de “Deus” não seja manipulado ou usurpado por “César” e vice-versa.

Quando acontece essa usurpação ou manipulação é dever da Igreja intervir convidando a não votar em partido ou candidato que torne perigosa a liberdade religiosa e de consciência ou desrespeito à vida humana e aos valores da família, pois tudo isso é de Deus e não de César. Vice-versa extrapola da missão da Igreja querer dominar ou substituir- se ao estado, pois neste caso ela estaria usurpando o que é de César e não de Deus.

Já na campanha eleitoral de 1996, denunciei um candidato que ofendeu pública e comprovadamente a Igreja, pois esta atitude foi uma usurpação por parte de César daquilo que é de Deus, ou seja o respeito à liberdade religiosa.

Na atual conjuntura política o Partido dos Trabalhadores (PT) através de seu IIIº e IVº Congressos Nacionais (2007 e 2010 respectivamente), ratificando o 3º Plano Nacional de Direitos Humanos (PNDH3) através da punição dos deputados Luiz Bassuma e Henrique Afonso, por serem defensores da vida, se posicionou pública e abertamente a favor da legalização do aborto, contra os valores da família e contra a liberdade de consciência.

Na condição de Bispo Diocesano, como r e s p o n s á v e l pela defesa da fé, da moral e dos princípios fundamentais da lei natural que – por serem naturais procedem do próprio Deus e por isso atingem a todos os homens -, denunciamos e condenamos como contrárias às leis de Deus todas as formas de atentado contra a vida, dom de Deus,como o suicídio, o homicídio assim como o aborto pelo qual, criminosa e covardemente, tira-se a vida de um ser humano, completamente incapaz de se defender. A liberação do aborto que vem sendo discutida e aprovada por alguns políticos não pode ser aceita por quem se diz cristão ou católico. Já afirmamos muitas vezes e agora repetimos:

“não temos partido político, mas não podemos deixar de condenar a legalização do aborto.” (confira-se Ex. 20,13; MT 5,21).

Isto posto, recomendamos a todos verdadeiros cristãos e verdadeiros católicos a que não dêem seu voto à Senhora Dilma Rousseff e demais candidatos que aprovam tais “liberações”, independentemente do partido a que pertençam.

Evangelizar é nossa responsabilidade, o que implica anunciar a verdade e denunciar o erro, procurando, dentro desses princípios, o melhor para o Brasil e nossos irmãos brasileiros e não é contrariando o Evangelho que podemos contar com as bênçãos de Deus e proteção de nossa Mãe e Padroeira, a Imaculada Conceição.

FONTE: Arquidiocese de Guarulhos/SP

A Voz do Pastor

Reencarnação – Argumentos católicos contra os fundamentos do espiritismo


Reencarnação – Argumentos católicos contra os fundamentos do espiritismo
Orlando Fedeli
A doutrina da reencarnação é comum a vários sistemas religiosos, todos de fundo gnóstico. Ela provém de um erro a respeito do problema do mal e da justiça divina. Modernamente, a doutrina da reencarnação se tornou muito difundida pelo espiritismo.

Os reencarnacionistas defendem a tese de que cada pessoa teria várias vidas, e se reencarnaria para pagar os pecados de uma vida anterior. Desse modo, cada vida nos seria concedida para expiar erros, que não conhecemos, de uma vida que teríamos tido. Cada reencarnação seria um castigo pelos males que praticamos em vidas anteriores. Não haveria inferno. O castigo do homem seria viver neste mundo material, e não tornar-se puro espírito. Para os reencarnacionistas, “o inferno é aqui”.

Eles recusam admitir que esta vida é única, e que, após a morte, somos julgados por Deus e premiados com o céu, ou punidos temporariamente no purgatório, ou condenados eternamente ao inferno. Exigem uma “nova oportunidade”, enquanto recusam mudar de vida agora. A eles poderia ser aplicado o que diz um autor a respeito do tempo e do adiamento dos deveres: “Por que prometes fazer, num futuro que não tens, aquilo que recusas fazer no tempo que tens?”. Assim também o que defende a teoria da reencarnação pretende melhorar nas futuras vidas – que imagina terá – o que se recusa a melhorar já, na vida que tem.

Para os hinduístas, a reencarnação poderia se dar pela transmigração do espírito até no corpo de um animal ou planta. Para os espíritas, a reencarnação se daria apenas em corpos humanos.

REFUTAÇÃO

Se a alma humana se reencarna para pagar os pecados cometidos numa vida anterior, deve-se considerar a vida como uma punição, e não um bem em si. Ora, se a vida fosse um castigo, ansiaríamos por deixá-la, visto que todo homem quer que seu castigo acabe logo. Ninguém quer ficar em castigo longamente. Entretanto, ninguém deseja, em sã consciência, deixar de viver. Logo, a vida não é um castigo. Pelo contrário, a vida humana é o maior bem natural que possuímos.
Se a alma se reencarna para pagar os pecados de uma vida anterior, dever-se-ia perguntar quando se iniciou esta série de reencarnações. Onde estava o homem quando pecou pela primeira vez? Tinha ele então corpo? Ou era puro espírito? Se tinha corpo, então já estava sendo castigado. Onde pecara antes? Só poderia ter pecado quando ainda era puro espírito. Como foi esse pecado? Era então o homem parte da divindade? Como poderia ter havido pecado em Deus? Se não era parte da divindade, o que era então o homem antes de ter corpo? Era anjo? Mas o anjo não é uma alma humana sem corpo. O anjo é um ser de natureza diversa da humana. Que era o espírito humano quando teria pecado essa primeira vez?
Se a reencarnação fosse verdadeira, com o passar dos séculos haveria necessariamente uma diminuição dos seres humanos, pois que, à medida que se aperfeiçoassem, deixariam de se reencarnar. No limite, a humanidade estaria caminhando para a extinção. Ora, tal não acontece. Pelo contrário, a humanidade está crescendo em número. Logo, não existe a reencarnação.
Respondem os espíritas que Deus estaria criando continuamente novos espíritos. Mas então, esse Deus criaria sempre novos espíritos em pecado, que precisariam sempre se reencarnar. Jamais cria ele espíritos perfeitos?
Se a reencarnação dos espíritos é um castigo para eles, o ter corpo seria um mal para o espírito humano. Ora, ter corpo é necessário para o homem, cuja alma só pode conhecer através do uso dos sentidos. Haveria então uma contradição na natureza humana, o que é um absurdo, porque Deus tudo fez com bondade e ordem.
Se a reencarnação fosse verdadeira, o nascer seria um mal, pois significaria cair num estado de punição, e todo nascimento deveria causar-nos tristeza Morrer, pelo contrário, significaria uma libertação, e deveria causar-nos alegria. Ora, todo nascimento de uma criança é causa de alegria, enquanto a morte causa-nos tristeza. Logo, a reencarnação não é verdadeira.
Vimos que se a reencarnação fosse verdadeira, todo nascimento seria causa de tristeza. Mas, se tal fosse certo, o casamento – causador de novos nascimentos e reencarnações – seria mau. Ora, isto é um absurdo. Logo, a reencarnação é falsa.
Caso a reencarnação fosse uma realidade, as pessoas nasceriam de determinado casal somente em função de seus pecados em vida anterior. Tivessem sido outros os seus pecados, outros teriam sido seus pais. Portanto, a relação de um filho com seus pais seria apenas uma casualidade, e não teria importância maior. No fundo, os filhos nada teria a ver com seus pais, o que é um absurdo.
A reencarnação causa uma destruição da caridade. Se uma pessoa nasce em certa situação de necessidade, doente, ou em situação social inferior ou nociva — como escrava, por exemplo, ou pária – nada se deveria fazer para ajudá-la, porque propiciar-lhe qualquer auxílio seria, de fato, burlar a justiça divina que determinou que ela nascesse em tal situação como justo castigo de seus pecados numa vida anterior. É por isso que na Índia, país em que se crê normalmente na reencarnação, praticamente ninguém se preocupa em auxiliar os infelizes párias. A reencarnação destrói a caridade. Portanto, é falsa.
A reencarnação causaria uma tendência à imoralidade e não um incentivo à virtude. Com efeito, se sabemos que temos só uma vida e que, ao fim dela, seremos julgados por Deus, procuramos converter-nos antes da morte. Pelo contrário, se imaginamos que teremos milhares de vidas e reencarnações, então não nos veríamos impelidos à conversão imediata. Como um aluno que tivesse a possibilidade de fazer milhares de provas de recuperação, para ser promovido, pouco se importaria em perder uma prova – pois poderia facilmente recuperar essa perda em provas futuras – assim também, havendo milhares de reencarnações, o homem seria levado a desleixar seu aprimoramento moral, porque confiaria em recuperar-se no futuro. Diria alguém: “Esta vida atual, desta vez, quero aproveitá-la gozando à vontade. Em outra encarnação, recuperar-me-ei” . Portanto, a reencarnação impele mais à imoralidade do que à virtude.
Ademais, por que esforçar-se, combatendo vícios e defeitos, se a recuperação é praticamente fatal, ao final de um processo de reencarnações infindas?
Se assim fosse, então ninguém seria condenado a um inferno eterno, porque todos se salvariam ao cabo de um número infindável de reencarnações. Não haveria inferno. Se isso fosse assim, como se explicaria que Cristo Nosso Senhor afirmou que, no juízo final, Ele dirá aos maus: “Ide malditos para o fogo eterno”? (Mt. XXV, 41)
Se a reencarnação fosse verdadeira, o homem seria salvador de si mesmo, porque ele mesmo pagaria suficientemente suas faltas por meio de reencarnações sucessivas. Se fosse assim, Cristo não seria o Redentor do homem. O sacrifício do Calvário seria nulo e sem sentido. Cada um salvar-se-ia por si mesmo. O homem seria o redentor de si mesmo. Essa é uma tese fundamental da Gnose.
Em conseqüência, a Missa e todos os Sacramentos não teriam valor nenhum e seriam inúteis ou dispensáveis. O que é outro absurdo herético.
A doutrina da reencarnação conduz necessariamente à idéia gnóstica de que o homem é o redentor de si mesmo. Mas, se assim fosse, cairíamos num dilema:
Ou as ofensas feitas a Deus pelo homem não teriam gravidade infinita;
Ou o mérito do homem seria de si, infinito.
Que a ofensa do homem a Deus tenha gravidade infinita decorre da própria infinitude de Deus. Logo, dever-se-ia concluir que, se homem é redentor de si mesmo, pagando com seus próprios méritos as ofensas feitas por ele a Deus infinito, é porque seus méritos pessoais são infinitos. Ora, só Deus pode ter méritos infinitos. Logo, o homem seria divino. O que é uma conclusão gnóstica ou panteísta. De qualquer modo, absurda. Logo, a reencarnação é uma falsidade.

Se o homem fosse divino por sua natureza, como se explicaria ser ele capaz de pecado? A doutrina da reencarnação leva, então, à conclusão de que o mal moral provém da própria natureza divina. O que significa a aceitação do dualismo maniqueu e gnóstico. A reencarnação leva necessariamente à aceitação do dualismo metafísico, que é tese gnóstica que repugna à razão e é contra a Fé.
É essa tendência dualista e gnóstica que leva os espíritas, defensores da reencarnação, a considerarem que o mal é algo substancial e metafísico, e não apenas moral. O que, de novo, é tese da Gnose.
Se, reencarnando-se infinitamente, o homem tende à perfeição, não se compreende como, ao final desse processo, ele não se torne perfeito de modo absoluto, isto é, ele se torne Deus, já que ele tem em sua própria natureza essa capacidade de aperfeiçoamento infindo.
A doutrina da reencarnação, admitindo várias mortes sucessivas para o homem, contraria diretamente o que Deus ensinou na Sagrada Escritura.
Por exemplo, São Paulo escreveu:

“O homem só morre uma vez” (Heb. IX, 27).

Também no Livro de Jó está escrito:

“Assim o homem, quando dormir, não ressuscitará, até que o céu seja consumido, não despertará, nem se levantará de seu sono” (Jó, XIV,12).

Finalmente, a doutrina da reencarnação vai frontalmente contra o ensinamento de Cristo no Evangelho. Com efeito, ao ensinar a parábola do rico e do pobre Lázaro, Cristo Nosso Senhor disse que, quando ambos morreram, foram imediatamente julgados por Deus, sendo o mau rico mandado para o castigo eterno, e Lázaro mandado para o seio de Abraão, isto é, para o céu. (Cfr. Lucas XVI, 19-31)
E, nessa mesma parábola Cristo nega que possa alguma alma voltar para ensinar algo aos vivos.

Em adendo a tudo isto, embora sem que seja argumento contrário à reencarnação, convém recordar que na, Sagrada Escritura, Deus proíbe que se invoquem as almas dos mortos.

No Deuteronômio se lê: “Não se ache entre vós quem purifique seu filho ou sua filha, fazendo-os passar pelo fogo, nem quem consulte os advinhos ou observe sonhos ou agouros, nem quem use malefícios, nem quem seja encantador, nem quem consulte os pitões [os médiuns] ou advinhos, ou indague dos mortos a verdade. Porque o Senhor abomina todas estas coisas e por tais maldades exterminará estes povos à tua entrada” (Deut. XVIII-10-12).

——————————————————————————–
Para citar este texto:
Fedeli, Orlando – “Reencarnação – Argumentos católicos contra os fundamentos do espiritismo”
MONTFORT Associação Cultural
http://www.montfort.org.br/index.php?secao=cadernos&subsecao=apologetica&artigo=reencarnacao&lang=bra
Online, 06/07/2010 às 15:56h

PSL Cedro

Deus acima de tudo e Cedro para todos!

FSSPX - Portugal

Tudo por amor a Jesus Cristo, Nosso Senhor.

O Legado d'O Andarilho

opiniões, considerações políticas e religiosas.

Roberta Acopiara's Blog

Just another WordPress.com weblog

Blog do Curso Técnico em Informática do IFCE - Campus Iguatu

Blog do Curso Técnico em Informática do IFCE - Campus Iguatu

pregarevangelho

Só mais um site WordPress.com

:.:Paródias da Professora Décia:.:

Paródias de uma professora cedrense!

Fratres in Unum.com

Ecce quam bonum et quam jucundum habitare fratres in unum.

Compartilhar é preciso.

Sinta-se livre para conhecer, aprender e compartilhar

§|Olhar Católico|§

Um Olhar Católico sobre o mundo!

Pacientes na tribulação

Apologética católica

Grupo S. Domingos de Gusmão

Fiéis Católicos de Maringá

Missa Tridentina em Brasília

Santa Missa no Rito Romano Tradicional

Vida, dom de Deus

Gratiam tuam, quaesumus, Domine, mentibus nostri infunde; ut qui, angelo nuntiante, Christi Filii tui encarnationem cognovimus, per Passionem eius et Crucem, ad Resurrectionis gloriam perducamur. Per eumdem Christum Dominum nostrum. Amen.

%d blogueiros gostam disto: