Será possível que perdure uma sociedade que não tolera o que a formou?


Pronto, aconteceu. O confronto aberto entre o neofascismo que procura modificar toda a cultura ocidental, forçando a população a aceitar, ou melhor, celebrar a homossexualidade, e um dos textos básicos da nossa civilização finalmente teve o seu primeiro round.

Uma congregação protestante paulista publicou um outdoor com as palavras “assim diz Deus”, seguidas de duas condenações bíblicas à atividade homossexual e um chamado à conversão. Um juiz mandou retirá-lo. Uma opinião minoritária surgida ainda dentro do tempo de vida da maior parte dos leitores deste jornal ganhou na Justiça o direito de calar o texto que, independentemente da crença de cada um, é inegavelmente parte fundamental e inspiradora de no mínimo os últimos 2 mil anos da civilização a que pertencemos.

É um conflito ainda mais básico, é um choque ainda mais radical que o que se poderia dar em relação a outra expressão desta mesma crença. A Igreja Católica, por exemplo, ensina que a atividade homossexual (não a tendência nem o desejo: a atividade) é um dos quatro crimes que bradam aos céus por vingança, juntamente com o assassinato de um inocente, negar a um trabalhador sua justa paga e oprimir o pobre.

Condenações semelhantes são feitas pelo budismo, pelo judaísmo ortodoxo (que reconhece um dos trechos presentes no outdoor como escritura sagrada), pelo Islã, pelo confucianismo, e por praticamente qualquer cultura que jamais tenha sobrevivido a mais de um milênio.

O texto bíblico, contudo, é ainda mais essencial em nossa civilização, mais básico em sua aceitação como palavra divina incontestavelmente certa ao longo de 2 mil anos. É uma pedra fundamental da sociedade ocidental que se vê negada, retirada à força, preterida em favor de uma novidade, de uma opinião única recém-chegada e não aceita nem pela tradição cultural da nossa e de outras civilizações nem pela imensa maioria da população, mas que pelo jeito realmente se tornou obrigatória.

É Beethoven destronado por Lady Gaga, Michelangelo destronado por Andy Warhol, a civilização destronada pela desconstrução de tudo e pelo endeusamento do prazer sensível como fonte de identidade. É um Judiciário que, ao invés de preservar a ordem, tenta construir algo que não se sabe o que virá a ser; será possível que perdure uma sociedade que não tolera o que a formou, uma sociedade intolerante da mesma “intolerância” que a erigiu e que é opinião majoritária nela mesma?! Creio que não

Que Deus nos abençoe e Maria nos guarde!
Professor Carlos Ramalhete
Em sua coluna semanal no jornal Gazeta do Povo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

FSSPX - Portugal

Tudo por amor a Jesus Cristo, Nosso Senhor.

Movimento Magistrados para a Justiça

"Uma visão conservadora de temas relacionados ao Direito"

O Legado d'O Andarilho

opiniões, considerações políticas e religiosas.

Roberta Acopiara's Blog

Just another WordPress.com weblog

Blog do Curso Técnico em Informática do IFCE - Campus Iguatu

Blog do Curso Técnico em Informática do IFCE - Campus Iguatu

pregarevangelho

Só mais um site WordPress.com

:.:Paródias da Professora Décia:.:

Paródias de uma professora cedrense!

Fratres in Unum.com

Ecce quam bonum et quam jucundum habitare fratres in unum.

Compartilhar é preciso.

Sinta-se livre para conhecer, aprender e compartilhar

§|Olhar Católico|§

Um Olhar Católico sobre o mundo!

Pacientes na tribulação

Apologética católica

Grupo S. Domingos de Gusmão

Fiéis Católicos de Maringá

Missa Tridentina em Brasília

Santa Missa no Rito Romano Tradicional

Vida, dom de Deus

Gratiam tuam, quaesumus, Domine, mentibus nostri infunde; ut qui, angelo nuntiante, Christi Filii tui encarnationem cognovimus, per Passionem eius et Crucem, ad Resurrectionis gloriam perducamur. Per eumdem Christum Dominum nostrum. Amen.

%d blogueiros gostam disto: