Interessante análise sobre a visão ateísta da ciência


National Catholic Register | Tradução: §|Olhar Católico|§

O que não aceito na visão ateísta da ciência

Por JENNIFER FULWILER, em 17 de outubro de 2012.

Este fim de semana me deparei com minha velha cópia de Brian Greene, O Universo Elegante. Eu amo o jeito que ele pode fazer um tema como a teoria das cordas e sua relevância para tudo, desde quarks até supernovas, acessíveis para qualquer pessoa.

Uma coisa que eu não entendo, porém, é por que ele pensa que a teoria das cordas nos diz algo de definitivo sobre a existência ou não existência do sobrenatural. Ele escreve:

Muitos acham pretencioso e totalmente repugnante a alegação de que as maravilhas da vida e do universo são meros reflexos de partículas microscópicas envolvidas em uma dança sem sentido totalmente coreografada pelas leis da física. Será real que o caso dos sentimentos de alegria, tristeza ou tédio não são nada além de reações químicas no cérebro – reações entre moléculas e átomos que, ainda mais microscópica, são reações entre algumas das partículas fundamentais, que são realmente apenas cordas vibrando?

Ele chega a citar o Prêmio Nobel Steven Weinberg, que escreve sobre pessoas que estão "horrorizadas com o que sentem ser a frieza da ciência moderna":

Eu não iria tentar responder a estas críticas com um sermão sobre as belezas da ciência moderna. A visão de mundo reducionista é fria e impessoal. Ela tem que ser aceita como é, não porque gostamos, mas porque essa é a maneira como o mundo funciona.

Eu lhes dou pontos para admitir que sua visão de mundo é deprimente, mas eu não tenho certeza de como estamos indo de A para B neste momento. Por que a teoria das cordas pode fazer tudo tão sombrio de repente? Antes que tenha surgido as cordas sabíamos que todas as maravilhas do universo e da experiência humana acontecera por meio das interações de elétrons, prótons e nêutrons. Por que as cordas são mais repugnante que os átomos? Não há como negar que minúsculas partículas físicas estão envolvidos em tudo, desde as sensações de felicidade até as supernovas. Parece-me que, se a ciência revela os blocos fundamentais de construção da natureza, sejam eles átomos, quarks, cordas ou minúsculos elfos dançantes, é irrelevante para a questão de saber se há ou não são realidades que transcendem o mundo material.

Greene escreve que "um reducionista ferrenho afirmaria que … em princípio, absolutamente tudo, desde o Big Bang até sonhos, pode ser descrito em termos de processos físicos microscópicos subjacentes envolvendo os componentes fundamentais da matéria". Que bom. Eu estou com ele até aqui. Mas aqui é onde ele me perde: "Se você entender tudo sobre os ingredientes, argumenta o reducionista, você entende tudo."

Se você entender os ingredientes, você entende tudo. Eu acho que este é um resumo perfeito do que o ateísmo moderno sai dos trilhos. Um programa de computador pode ler e analisar as palavras de Soneto 18 de Shakespeare, e até mesmo responder a perguntas sobre o seu conteúdo. Ele poderá "entender" todos os ingredientes perfeitamente. Mas será que isso significa que ele compreendeu a essência do Soneto 18? Os cientistas poderiam anexar um dispositivo de neuroimagem para a cabeça de um homem que se reencontra com a mulher que ele ama após uma longa ausência. Os cientistas puderam descrever em detalhes cada parte do seu cérebro que estava em uso quando ela entrou na sala, e explicar precisamente como todos os neurônios disparavam quando ele olhou para ela. Será que somente estes dados captaram plenamente o momento?

Ateus, especialmente aqueles do "novo ateísmo", hesitam em colocar muito suas fichas em todos os dados experimentais e, assim, eles evitam qualquer sentimento que indica que há algo de sobrenatural por trás do universo, contando apenas com o que podemos observar e provar através da ciência em seu lugar. Este ponto de vista é útil até certo ponto: Quando as pessoas decidem o que é verdadeiro e o que é falso com base exclusivamente em sentimentos e experiências emocionais, podem acabar em todo os tipo de crença maluca. Certamente é bom tomar o subjetivo, os aspectos não-comprovados da experiência humana e equilibrá-los com dados objetivos, verificáveis. Mas esse ponto de vista, também, pode ser levado muito longe. O universo, como um soneto de Shakespeare, não é feito para ser visto através de uma análise de seus componentes por si só, e fazer isso seria perder toda a sua beleza poética

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

FSSPX - Portugal

Tudo por amor a Jesus Cristo, Nosso Senhor.

Movimento Magistrados para a Justiça

"Uma visão conservadora de temas relacionados ao Direito"

O Legado d'O Andarilho

opiniões, considerações políticas e religiosas.

Roberta Acopiara's Blog

Just another WordPress.com weblog

Blog do Curso Técnico em Informática do IFCE - Campus Iguatu

Blog do Curso Técnico em Informática do IFCE - Campus Iguatu

pregarevangelho

Só mais um site WordPress.com

:.:Paródias da Professora Décia:.:

Paródias de uma professora cedrense!

Fratres in Unum.com

Ecce quam bonum et quam jucundum habitare fratres in unum.

Compartilhar é preciso.

Sinta-se livre para conhecer, aprender e compartilhar

§|Olhar Católico|§

Um Olhar Católico sobre o mundo!

Pacientes na tribulação

Apologética católica

Grupo S. Domingos de Gusmão

Fiéis Católicos de Maringá

Missa Tridentina em Brasília

Santa Missa no Rito Romano Tradicional

Vida, dom de Deus

Gratiam tuam, quaesumus, Domine, mentibus nostri infunde; ut qui, angelo nuntiante, Christi Filii tui encarnationem cognovimus, per Passionem eius et Crucem, ad Resurrectionis gloriam perducamur. Per eumdem Christum Dominum nostrum. Amen.

%d blogueiros gostam disto: