Campanhas Abortistas Mundiais Exploram Trágica Morte na Irlanda


Fonte:  C-FAM

Stefano Gennarini, J.D.
NOVA IORQUE, 23 de novembro (C-FAM) Grupos pró-vida irlandeses estão assombrados com o dilúvio de pressões que está jorrando sobre a Irlanda para mudar suas leis de aborto depois da morte trágica de Savita Halappanavar de uma complicação de aborto espontâneo em 28 de outubro no Hospital Universitário Galway.

Apesar da escassez de informações em torno da morte de Savita, os meios de comunicação e os ativistas de aborto estão culpando as leis que proíbem o aborto e até a Igreja Católica pela morte dela, apoiando-se em relatos emocionais de Praveen, o marido de Savita. A tribulação do casal indiano teve publicidade no jornal Irish Times de 14 de novembro depois que Kitty Holland do Irish Times fez contato com Praveen em 8 de novembro.

Praveen disse para o Irish Times que sua esposa solicitou e foi-lhe negado um aborto provocado durante o aborto espontâneo que levou à morte dela depois que ela contraiu septicemia e a bactéria E. Coli. O aborto espontâneo durou quatro dias. O casal foi, ao que se alega, orientado pelos médicos que não poderia haver indução ao aborto enquanto o bebê em gestação tivesse batida de coração.

Grupos pró-vida irlandeses estão assombrados com o modo como a morte de Savita foi explorada por defensores do aborto e meios de comunicação. Patrick Carr, consultor bioético na organização Vida e Família, disse ao Friday Fax que se os fatos ocorreram conforme foram noticiados no Irish Times, a solicitação de Savita de ter uma indução prematura logo que o aborto espontâneo havia começado não devia ter sido negada. As normas do Conselho Médico da Irlanda não excluem uma terminação da gravidez nessas circunstâncias.

Duas investigações sobre a tragédia estão ainda em andamento, e nenhum resultado foi publicado. Holland, um renomado defensor do aborto na Irlanda, admite que a morte de Savita pode não ter sido causada pelas leis de aborto irlandesas. Sir Sabaratnam Arulkumaran é o principal investigador do governo. Ele é conhecido por exortar países a considerar legalizar o aborto em vista dos riscos que os abortos legais representam para as mulheres.

O jornal Irish Independent descobriu uma trama de defensores do aborto para explorar a morte de Savita. Os defensores do aborto estavam cientes do caso de Savita três dias antes que saiu no Irish Times, e consequentemente eles se organizaram, fazendo comícios que foram noticiados nos meios de comunicação como “espontâneos”, e divulgando declarações condenando as leis de aborto da Irlanda.

O Observatório de Direitos Humanos, o Centro de Direitos Reprodutivos e outros grupos internacionais aproveitaram a ocasião para apresentar o aborto como um direito humano, apesar do fato de que não existe nenhum consenso sobre tal direito nas leis internacionais.

Na esfera política, a Índia mobilizou seu aparato diplomático e transmitiu mensagens a Irlanda indicando que esperava que isso jamais ocorreria de novo. Salman Khurshid, primeiro-ministro da Índia, menosprezou as leis da Irlanda como “enraizadas na religião” numa entrevista de televisão.

Aqueles que levantam questionamentos sobre as práticas médicas irlandesas em relação à saúde materna enfrentam uma batalha difícil. A Irlanda tem sistematicamente sido classificada como um dos melhores países do mundo no fornecimento de assistência de saúde materna por mais de trinta anos.

As chances de Savita eram melhores na Irlanda do que em outros países. Os dados mais recentes da OMS (2010) indicam que de cada 100.000 mulheres, apenas 6 morrem na Irlanda como consequência de complicações relativas à gravidez. Isso representa metade das mulheres que morrem na Inglaterra (12), um terço a menos do que nos EUA (21), e trinta e três vezes menos do que na Índia (200), todos os países em que o aborto é legal.

Tradução: Julio Severo

Anúncios
Publicado em Aborto. Tags: . Leave a Comment »

Mentira estampada da propaganda maçônica


[A propaganda maçônica sempre fêz questão de estampar “que ela proíbe expressamente discutir sobre política e religião”, no entanto como é típico desta Ordem, a mentira e enganação, principalmente direcionada aos neófitos, é a regra que a conduz. A notícia abaixo exprime muito bem que a Maçonaria discute sim política e é óbvio que ela influencia de maneira poderosa a sociedade levando-a cada vez mais para o caos. Ora, se política ela discute, é lógico crer que também religão é discutida nos ambientes maçônicos. E como! Bastam ver as ultimas declarações do GOF. Não são poucas as especulaçãoes da infiltração da Maçonaria no Concílio Vaticano II que explodiu a bomba que hoje é a crise da Igreja]

 

Maçonaria quer influir na política do País

Ricardo Santana

Os maçons da Grande Oriente do Brasil (GOB) estão em processo de campanha para a eleição de um novo Grão-mestre geral. O senador Francisco Mozarildo de Melo Cavalcanti concorre ao posto e fez campanha na última segunda-feira com os maçons da Loja Maçônica Arquitetos de Ormuzd, de Bauru.

A GOB é um ramo da maçonaria brasileira mais tradicional. Cavalcanti é senador da República pelo Estado de Roraima. O senador do PTB comenta que a maçonaria tem como objetivo retomar sua atuação política decisiva nos rumos da política do Brasil sem partidarização. Cavalcanti contextualiza que a maçonaria contribuiu nos principais eventos históricos do Brasil. O senador cita a influência de membros da maçonaria na Proclamação da Independência, Abolição da Escravatura e Proclamação da República. Ele detalha que os três movimentos foram planejados e executados por membros da maçonaria. Atualmente, os maçons têm atuado fortemente contra a corrupção. Cavalcanti cita que, pela inserção social dos membros maçons, a instituição tem muito a contribuir com o processo político brasileiro. “É um século para batalhar pela educação, contra a corrupção, a liberdade, igualdade e fraternidade”, cita o senador.

Formalmente, a maçonaria existe no Brasil desde 1822 e no mundo é uma instituição milenar. A atuação da maçonaria também se destaca no campo assistencial com manutenção de creches e escolas.

Cavalcanti está visitando as lojas do Estado de São Paulo em que a GOSP está muito presente, em todas as regiões. Conforme informação do site da GOSP, são mais de 746 Lojas, com mais de 21 mil obreiros e presente em cerca de 230 municípios (36% das 645 cidades paulistas).  A renovação de Grão-mestre geral é realizada a cada cinco anos e a próxima eleição está agendada para o dia 9 de março de 2013.

Fonte: JCNET

Júri popular condena mulher por aborto de feto com cinco meses


Do R7 | 20/11/2012 às 19h52

O Tribunal do Júri de Taguatinga, região administrativa do Distrito Federal, condenou nesta terça-feira (20) uma mulher acusada de cometer aborto em 2004. Ela abortou, com o uso de medicamentos, um feto de cinco meses, que chegou a sobreviver por três dias.
A mulher recebeu pena de um ano de detenção, a ser cumprido em regime inicial aberto. Ela respondia ao processo em liberdade, e chegou a ter homologada a suspensão o processo mediante o cumprimento de algumas regras.
A acusada não poderia “frequentar boates, inferninhos e congêneres e de ausentar-se do DF sem autorização do Juízo”. Ela também deveria prestar serviços comunitários no Hospital Regional de Taguatinga por dois anos, oito horas por semana. Como as exigências não foram cumpridas, o processo foi mantido.
De acordo com a denúncia, o crime foi cometido em setembro de 2004. A mulher teria utilizado um medicamento abortivo. O pai da criança, que era casado, insistiu que ela provocasse o aborto. O homem teve o processo suspenso mediante o cumprimento de exigências.

Publicado em Aborto. Tags: . Leave a Comment »

Tirinha: intercessão dos santos

De novo o Grande Oriente da França


Retirei de: http://freirojao.blogspot.com.br/2012/11/a-maconaria-mostra-sua-cara.html
“A definição dos direitos humanos depende só da vontade coletiva dos homens.”
 
“O Grande Oriente da França condena energicamente as declarações da Igreja Católica acerca do projeto de lei sobre a abertura do matrimônio civil a todos os parceiros, que será apresentado na quarta ao Conselho de Ministros.”
(…)
“A referência feita pelo cardeal André Vingt-Trois de que ‘as profundas mudanças legislativas poderiam transformar radicalmente as relações que sustentam nossa sociedade’ refletem posturas obscurantistas completamente descompassadas das necessárias evoluções sociais e políticas de nosso tempo.”
(…)
“Em nome da laicidade, o Grande Oriente da França recorda que as igrejas devem estar restritas unicamente à esfera espiritual [grifos meus], e não devem interferir, com imprecações e declarações violentas e detestáveis, no legítimo debate público e democrático (…).”
(Projet de loi sur le mariage pour tous,
disponível em francês no site do Grande Oriente da França)
Pois é, mon chers, eu não vou relembrar as sucessivas declarações da Igreja de incompatibilidade da fé católica com a maçonaria. Eis ai suas cores sendo demonstradas. Se vocês não acreditam na Igreja, acreditem na maçonaria contra a Igreja em suas próprias palavras.
Repito aqui as palavras indignadas e corretas do blog Ecclesia Una:
“A nota segue. As declarações do cardeal de Paris, Vingt-Trois, condenando o casamento gay, são, no linguajar maçônico, “posturas obscurantistas”, “declarações violentas e detestáveis”. Ah, o velho anticlericalismo maçônico… O mesmo que tentou destruir a Igreja Católica no século XVIII; o mesmo que tirou a educação religiosa de nossas escolas; o mesmo que atacou a família, militando por todas as vias possíveis a favor do divórcio… o mesmo que, agora, quer restringir as igrejas “unicamente à esfera espiritual”! E depois vêm alguns – bispos, até! – dizer que, ah!, deve havercomunhão fraterna entre os católicos e os maçons… Que comunhão fraterna, cara-pálida? Estão querendo tirar nossa liberdade de entrar na esfera política, de participar do debate público! Estão querendo calar a nossa boca! E, no fim, ainda falam de “democracia”… Só se for a democracia do demônio: todo mundo pode “dar pitaco”, menos os bispos, padres e leigos católicos.”

Dia 11/11 Fortaleza terá marcha em favor da vida


Pesquisa revela que 82% da população do País é contra a prática do aborto realizado por livre escolha

A Capital cearense terá, no próximo domingo, 11, um movimento em prol da vida. Será realizado, na Avenida Beira-Mar, um dos maiores cartões postais da cidade, a primeira Marcha pela Vida Contra o Aborto. O objetivo do evento é chamar a atenção da sociedade para a proposta de legalização da prática do aborto que encontra-se em discussão no Congresso Nacional.


A ideia é chamar a atenção da sociedade para a proposta de legalização da prática do aborto que encontra-se em discussão no Congresso Nacional

A iniciativa é do Movimento em Favor da Vida (Movida) e do Brasil sem Aborto e conta com apoio de nomes significativos no País, como a cantora Elba Ramalho e a ex-senadora Heloísa Helena. A concentração começa às 16 h, no Aterro da Praia de Iracema, e a caminhada seguirá até a Praça dos Estressados. Espera-se, com a ação, de acordo com os organizadores, conseguir apoio da população contra mudanças na legislação do aborto, que está sendo debatida dentro da reforma do Código Penal Brasileiro, em tramitação no Senado.

Segundo Karla Montenegro, integrante do Movida, são duas grandes modificações em discussão no Senado Federal: A primeira, se aprovada, permitirá a prática do aborto até a 12ª semana de gestação, nos casos em que a mulher não tiver condições psicológicas de arcar com a gravidez, bastando, para isso, um laudo médico ou de um psicólogo.

A segunda, acrescenta ela, dá direito ao aborto em casos de anomalias graves e incuráveis que se verifiquem incompatíveis com a vida extrauterina, precisando do laudo de dois médicos. Para ela, a grande problemática acerca dessas liberações está na facilidade com que esses laudos possam ser produzidos.

“Isso deixa muitas brechas, já que fica ao arbítrio apenas do avaliador médico ou do psicólogo de saúde. E se uma mulher tiver uma gravidez indesejada e quiser abortar? Por isso, estamos nos movimentando contra essa discussão”, afirma.

Karla Nascimento chama atenção, ainda, para pesquisa realizada pelo DataSenado e divulgada em setembro, que aponta rejeição de 82% da população do País em relação à descriminalização do aborto quando realizado por livre escolha, sem que a gestação seja fruto de estupro ou implique em risco de vida para a mãe.

“Não é um dado fácil de se ignorar. É interesse de todos os cidadãos que a vida seja protegida e esperamos que as leis de nosso País reflitam os nossos valores, porque não está refletindo com os anseios da população.

Movimento

O Movida é um movimento suprapartidário e suprarreligioso que conta com o apoio de instituições e entidades católicas, espíritas, evangélicas, entre outras. Durante a Marcha pela Vida Contra o Aborto, ocorrerá o colhimento de assinaturas para o Estatuto da Criança por Nascer, Projeto de Lei brasileiro de 2005, que garante a proteção ao feto.

RENATO BEZERRA

Publicado em Aborto. Tags: , . Leave a Comment »

O Deus sem Religião


Examinando a “Sola Scriptura”

Alessandro Lima

 Hoje em dia ainda é muito comum vermos protestantes acusando católicos de idólatras, adoradores de imagens e acusando a Igreja Católica a ensinar tais práticas. Quem conhece o Catolicismo sabe quão absurdas são estas acusações. É bem verdade que a religiosidade popular comete muitos abusos que infelizmente contam com o apoio de seus padres e bispos. É certo acusar uma mãe de ladra, aliciadora de crianças se por acaso seu filho pequeno for pego com um brinquedo de seu amiguinho? Neste caso, pensaríamos que é a Mãe uma ladra e aliciadora de crianças ou pensaríamos que foi a criança que não correspondeu à educação dada pela mãe? O mesmo caso aplica-se à Igreja Católica. Da mesma forma que nem sempre vemos pessoas que se dizem cristãs possuindo atitudes cristãs, isso leva a crer que é o Cristianismo o incentivador dos erros de seus filhos?

O mesmo engano cometeu o monge agostiniano Martinho Lutero. Em seu tempo alguns bispos distorceram a disciplina das Indulgências. Isto levou Lutero a crer que era a doutrina da Igreja que estava errada. Para ele, era a tradição que havia errado, por isso ele supôs que se a Igreja utilizasse somente a Bíblia (“Sola Scriptura”) como norma de fé e prática, Ela jamais cairia no erro.

Uma suposição é algo que concebemos no início, normalmente sem consciência. Quando a suposição é válida, tudo acaba bem, mas uma suposição errada conduz inevitavelmente às falsas conclusões. A pessoa que tem esperança de chegar a uma conclusão utilizando uma suposição falsa, deve perguntar a si mesmo onde está o erro. Os protestantes que estão dispostos a avaliar o estado do atual mundo protestante de maneira honesta, devem perguntar se a Sola Scriptura, ensinamento fundamental do Protestantismo vem de Deus, pois esta suposição resultou em mais de vinte mil grupos discrepantes que não concordam em assuntos básicos da Bíblia, ou o que significa ser um Cristão? Por que (se somente a Bíblia é suficiente, sem a Santa Tradição) batistas, testemunhas de Jeová e metodistas reivindicam que acreditam no que a Bíblia diz, mas nenhum deles concorda em o que a Bíblia diz? Obviamente, aqui está uma situação na qual os protestantes devem achar que estão errados. Infelizmente, a maioria dos protestantes estão dispostos a colocar a culpa deste problema em qualquer coisa— qualquer coisa menos no problema que é a raiz. A ideia da Sola Scriptura é fundamental para o Protestantismo tanto que para eles nega-la é questionar Deus. Como disse Nosso Senhor: “Toda árvore boa dá bons frutos; toda árvore má dá maus frutos” (Mateus 7:17). Se julgarmos a Sola Scriptura pelos seus frutos, chegaremos a conclusão de que esta árvore deve ser cortada, e lançada ao fogo (Mateus 7:19).

Vejamos agora as falsas suposições sobre as quais está fundamentada a Sola Scriptura:

1º Falsa Suposição: A Bíblia deve ser entendida como última palavra sobre a fé, piedade e louvação.

a) É o ensinamento da Escritura “totalmente suficiente”?

A suposição mais óbvia pôr de trás da doutrina da Sola Scriptura é a de que a bíblia possui tudo o que é preciso para a vida do Cristão — tudo o que é necessário para a verdadeira fé, prática, devoção e louvação. O trecho mais citado para apoiar esta suposição é:

… e desde a infância conheces as Sagradas Escrituras e sabes que elas têm o condão de te proporcionar a sabedoria que conduz à salvação, pela fé em Jesus Cristo. Toda a Escritura é inspirada por Deus, e útil para ensinar, para repreender, para corrigir e para formar na justiça. Por ela, o homem de Deus se torna perfeito, capacitado para toda boa obra” (II Timóteo 3:15-17).

Os que usam esta passagem para defender a Sola Scriptura, afirmam toda a “autossuficiência” da Bíblia, porque “Somente a Bíblia Sagrada pode fazer o homem piedoso e perfeito… a perfeição pode ser atingida sem a necessidade da tradição.”

Mas o que pode ser realmente dito baseando-se nesta passagem? Para os iniciantes, devemos perguntar sobre o que o apóstolo Paulo está falando quando ele fala a Timóteo sobre ele conhecer a Bíblia desde criança. Devemos estar seguros de que Paulo não está falando sobre o Novo Testamento, pois o Novo Testamento ainda não havia sido escrito quando Timóteo ainda era uma criança —na realidade, ele ainda não estava pronto quando Paulo escreveu esta Epístola a Timóteo, e muitos menos o Cânon do Novo Testamento como o que conhecemos hoje. Obviamente, na maioria das referências da Bíblia encontrada no Novo Testamento, vemos que Paulo está falando do Velho Testamento e assim, se esta passagem for usada para fixar os limites da autoridade inspirada, não só a Tradição fica excluída, mas também todo o Novo Testamento.

Em segundo lugar, se Paulo pretendesse excluir a tradição por ser algo não benéfico, deveríamos saber por qual motivo Paulo utilizou no mesmo capítulo tradições orais que não estavam na Bíblia. Os nomes de Janes e Jambres não aparecem no Velho Testamento, contudo, em II Timóteo 3:8 Paulo os chama de adversários de Moisés. Paulo utiliza a tradição oral para falar o nome dos dois mágicos mais proeminentes do Egito, que aparecem durante o Êxodo (7:8). [2] E este não é a única fonte não-bíblica utilizada no Novo Testamento — outro exemplo mais conhecido aparece na Epístola de São Judas que cita o Livro de Enoque (Judas 14:15 c.f. Enoque 1:9).

Quando a Igreja canonizou os livros da Bíblia oficialmente, o principal propósito era estabelecer uma lista de livros autorizados, para proteger a Igreja dos livros espúrios que reivindicavam autoria apostólica, mas que eram na verdade, trabalhos de hereges (v.g. o Evangelho de Tomé). Os grupos heréticos não conseguiam basear seus ensinamentos na Santa Tradição, pois seus ensinamentos eram criados fora da Igreja, então a única maneira que possuíam para autorizar suas heresias era distorcendo o significado da Bíblia, além de forjar novos livros, apóstolos, ou santos do Velho Testamento. A Igreja sempre se defendeu contra os ensinamentos heréticos reivindicando as origens apostólicas da Santa Tradição (provando-as pela Sucessão Apostólica, c.f. o fato de que seus bispos e professores possuem uma descendência histórica e direta dos Apóstolos), e também reivindicando a universalidade da Fé Católica (c.f. o fato de que a Fé Católica é a mesma fé que os Cristãos católicos sempre aceitaram ao longo da história e do mundo). A Igreja se defendeu contra os livros espúrios e heréticos estabelecendo uma lista autorizada de Livros Sagrados, que foram recebidos pela Igreja como Divinamente inspirados, tanto os do Velho Testamento como os de origem apostólica.

Estabelecendo a lista canônica da Bíblia Sagrada, a Igreja não pretende insinuar que toda a Fé Cristã e toda a informação necessária para a louvação e regra da Igreja está contida apenas na Bíblia. [3] Uma coisa que está além dos debates sérios é sobre a questão de quando a Igreja concluiu os Cânones dos Livros Sagrados em fé e louvação, assim como a discussão se a fé e a louvação atuais são as mesmas das do período primitivo — isto é uma verdade histórica. Como na estrutura da autoridade da Igreja, os bispos católicos em vários Concílios resolveram a questão do Cânon — e na Igreja Católica é assim até hoje quando qualquer pergunta sobre a doutrina ou a disciplina deve ser resolvida.

b) Qual o propósito dos escritos do Novo Testamento?

É ensinado nos estudos bíblicos protestantes (e penso que neste caso eles ensinam corretamente) que quando você estuda a Bíblia, entre muitas outras considerações, você deve primeiro considerar o gênero (ou tipo literário) de literatura que você está lendo em uma passagem particular, pois livros diferentes possuem gêneros diferentes. Outra consideração a ser tomada é sobre qual o assunto ou o propósito do livro que está sendo estudado. No Novo Testamento temos quatro tipos de gêneros literários: evangelho, narração histórica (Atos), epístola e apocalíptica ou profética (Revelação). Os Evangelhos foram escritos para testemunhar a vida de Cristo, sua morte e ressurreição. As narrativas contam a história de pessoas e figuras significativas e mostra a magnífica providência Divina agindo em tudo. Diversas epístolas foram escritas para responder perguntas específicas que surgiram em várias Igrejas, assim, muitos problemas não foram relatados com detalhes. Assuntos doutrinais eram discutidos para resolver problemas doutrinais e assuntos sobre louvação só eram discutidos quando aparecia algum problema relacionado (c.f. Coríntios 11:14). Os escritos apocalípticos (Revelação) foram escritos para mostrar o triunfo de Deus na história.

Notamos que não há referências literárias à louvação no Novo Testamento, e nem detalhes de como era a louvação na Igreja. No Velho Testamento há detalhes (e até exaustivos) sobre a louvação do povo de Israel (v.g. Levítico e Salmos) — no Novo Testamento há apenas sugestões escassas sobre a louvação dos cristãos primitivos. Mas qual o motivo? Certamente que não foi por não existir ordem em seus serviços religiosos — os historiadores litúrgicos afirmam que os cristãos primitivos continuavam firmemente na mesma louvação judaica herdada dos Apóstolos. Porém, até mesmo as parcas referências do Novo Testamento em relação à louvação da Igreja primitiva, nos mostra que eles estavam bem longe dos selvagens grupos “Carismáticos,” os cristãos do Novo Testamento possuíam as mesmas louvações litúrgicas de seus pais: observavam as horas de oração (Atos 3:1), louvavam no Templo (Atos 2:46; 3:1; 21:26), além da louvação nas Sinagogas (Atos 18:4).

Nós também precisamos notar que nenhum dos tipos presentes da literatura do Novo Testamento tem o propósito de dar uma instrução doutrinal inclusiva — não há um catecismo ou uma teologia sistemática. Se a Bíblia é tudo que precisamos como cristãos, por que não há nenhuma declaração doutrinária inclusiva nela? Imagine como todas as controvérsias pudessem ter sido resolvidas se a Bíblia respondesse a todas as perguntas doutrinais claramente. Isso seria muito conveniente, mas tais coisas não são encontradas nos livros da Bíblia.

Que ninguém entenda mal a observação feita aqui. Nada disso deprecia a importância da Bíblia Sagrada — Deus proíbe tal coisa! Na Igreja Católica, a Bíblia é tida como totalmente inspirada por Deus, inerrante e autoritária, mas o fato é que a Bíblia não contém o ensinamento para todo assunto importante da Igreja. Como já declaramos, o Novo Testamento dá apenas um breve detalhe sobre como louvar — e isto não é de pequena importância. Além de que, a mesma Igreja que nos passou a Bíblia Sagrada, é a mesma que preservou os padrões de louvação que recebemos. Se nós desconfiamos da fidelidade desta Igreja em preservar a adoração Apostólica, também temos que desconfiar de sua fidelidade em preservar a Bíblia.

c) É a Bíblia, na prática, “totalmente suficiente” para os protestantes?

Os protestantes frequentemente reivindicam que “acreditam apenas na Bíblia,” mas várias perguntas aparecem quando a pessoa tenta examinar o atual uso que eles fazem da Bíblia. Por exemplo, por que os protestantes escrevem tantos livros sobre doutrina e a vida Cristã, se eles necessitam apenas da Bíblia? Se a Bíblia fosse o suficiente para entendê-la, por que eles simplesmente não utilizam apenas a Bíblia? E se ela é “totalmente suficiente,” por que isto não produz resultados suficientes, por exemplo: por que os protestantes não acreditam na mesma coisa? Por que há tantos estudos bíblicos protestantes, se eles precisam apenas da Bíblia? Por que eles buscam outras áreas e materiais? Por que eles ensinam a bíblia ao povo — ao invés de apenas ler as Escrituras para as pessoas? A resposta eles nunca admitirão, mas os protestantes sabem que a Bíblia não pode ser entendida por si só. E na verdade, toda seita protestante possui seu corpo de tradições, mas nunca admitem ou a chamam disso. Não é por acaso que as Testemunhas de Jeová acreditam nas mesmas coisas que os Batistas do Sul, mas não é por acaso que eles não acreditam nas mesmas coisas enfaticamente. Os Testemunhas de Jeová e os Batistas do Sul não propõem individualmente cada uma de suas idéias sobre a Bíblia, mas ensinam a crença de um certo modo — com uma tradição. Então a questão não é em acreditar ou não na tradição — a pergunta correta é qual a tradição que devermos usar para interpretar a Bíblia? Em qual tradição podemos confiar, na Tradição Apostólica da Igreja, ou na confusa e moderna tradição do Protestantismo, que não possui nenhuma raiz além do advento da Reforma Protestante?

2º Falsa Suposição: A Bíblia era a base da Igreja primitiva, e que a Tradição é apenas uma “corrupção” humana muito posterior.

É especialmente entre Evangélicos e Carismáticos que a palavra “tradição” é considerada um termo depreciativo, a tradição é rotulada como algo “carnal,” “espiritualmente morta,” “destrutiva,” “legalista.” Para o protestante que lê o Novo Testamento, a Bíblia condena a tradição como algo oposto à Bíblia. A imagem que eles têm dos cristãos primitivos é de que eles eram como os Evangélicos ou Carismáticos do século XX! Para eles é inconcebível que os cristãos primitivos possuíssem uma louvação litúrgica, ou que eles tinham adquirido qualquer tradição — acreditam que isso ocorreu somente após a Igreja ter sido “corrompida,” é assim que imaginam que tais coisas entraram na Igreja. É um sopro de vida para estes protestantes (assim como para mim) quando eles estudam a Igreja primitiva e os escritos dos primeiros Padres, e começam a sentir algo diferente do que sempre imaginaram ou foram conduzidos a pensar. Por exemplo, os cristãos primitivos não levavam suas Bíblias para a Igreja em cada domingo de estudo da Bíblia, devido ao longo tempo para se fazer uma cópia, e poucos possuíam suas próprias cópias da Bíblia. Ao invés disso, as cópias da Bíblia eram mantidas por pessoas designadas pela Igreja, que ficavam num local da Igreja destinado à louvação. Além de que, os cristãos não possuíam cópias do Velho Testamento, e muito menos do Novo Testamento (que não foi terminado antes do final do Primeiro Século, e não em sua forma canônica até o Quarto Século). Isto não é o mesmo que dizer que os cristãos primitivos não estudavam a Bíblia — eles estudavam, mas como um grupo, e não individualmente. E em grande parte do Primeiro Século, os cristãos estavam limitados em estudar apenas o Velho Testamento. Assim, como eles sabiam dos Evangelhos, dos ensinamentos de Cristo, de como louvar, em que acreditar sobre a natureza de Cristo, etc.? Eles possuíam apenas a Tradição Oral dos Apóstolos, os ensinamentos dos Apóstolos, especialmente durante a virada do primeiro século. Depois as gerações futuras tiveram acesso às Escrituras dos Apóstolos pelo Novo Testamento, mas a Igreja primitiva foi totalmente dependente da Tradição Oral para ter conhecimento da Fé Cristã.

Esta dependência da Tradição é descrita em vários lugares do Novo Testamento. Por exemplo, quando São Paulo exorta os Tessalonicenses: “Assim, pois, irmãos, ficai firmes e conservai as tradições que de nós aprendestes, seja por palavras, seja por carta nossa” (II Tessalonicenses 2:15).

A palavra traduzida como “tradição” é a palavra grega “paradosis” — que é traduzida de maneira diferente em algumas Bíblias protestantes, mas é a mesma palavra que os Ortodoxos Gregos usam para falar da Tradição, e poucos estudantes competentes da Bíblia discutiram seu significado. A própria palavra significa literalmente “meio por qual algo é transmitido,” sendo a mesma palavra utilizada negativamente para os falsos ensinamentos dos Fariseus (Marcos 7:3-8) e referida também para a autoridade de um Cristão para ensinar (I Coríntios 11:2. II Tessalonicenses 2:15). Qual a diferença entre a tradição dos Fariseus e a Tradição aprovada pela Igreja? A Fonte! Cristo deixou bem claro qual era a fonte das tradições dos Fariseus, quando a chamou de “tradição dos homens” (Marcos 7:8). São Paulo faz outras referências às tradições: “Eu vos felicito, porque em tudo vos lembrais de mim, e guardais as minhas tradições (paradoseis), tais como eu vo-las transmiti” (I Coríntios 11:2), mas onde ele adquiriu estas tradições anteriores? “Eu recebi do Senhor o que vos transmiti (paredoka): que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão” (I Coríntios 11:23). Assim a Igreja Católica recorre ao falar da Tradição Apostólica: “entregue (paradotheise) de uma vez para sempre aos santos” (Judas 3). Sua fonte é o Cristo, que a entregou diretamente aos Apóstolos, com tudo aquilo que Ele disse e fez, como o que está escrito: “nem o mundo inteiro poderia conter os livros que se deveriam escrever” (João 21:25). Os Apóstolos entregaram este conhecimento para toda a Igreja, e a Igreja, tornou-se a “coluna e sustentáculo da verdade” (I Timóteo 3:15).

O testemunho do Novo Testamento é claro neste ponto: os cristãos primitivos receberam as Tradições escritas e orais pelos Apóstolos de Cristo. Da Tradição escrita eles possuíam apenas fragmentos — uma igreja local possuía uma Epístola, outra um Evangelho. Os escritos foram reunidos gradualmente, e colocados no livro que se tornou o Novo Testamento. E como os cristãos primitivos sabiam quais eram os livros autênticos e quais não eram — já que havia numerosas epístolas e evangelhos espúrios reivindicados por hereges como escritos dos Apóstolos? Foi a Tradição Apostólica oral que ajudou a Igreja nesta tarefa.

Se a Igreja perder a pura Tradição Apostólica, a Verdade deixa de ser a Verdade — pois a Igreja é a coluna e o sustentáculo da Verdade (I Timóteo 3:15). A crença protestante sobre a história da Igreja, de que a Igreja caiu em apostasia durante o período de Constantino até a Reforma, deixou estes e muitos outros trechos da Bíblia sem sentido. Se a Igreja deixa de existir, mesmo que por um dia, os portões do inferno a venceram naquele dia. Se o caso fosse este, Cristo teria descrito de maneira diferente a Igreja na parábola da semente de mostarda (Mateus 13:31-32), Ele deveria ter falado que no lugar da semente uma nova semente teria brotado mais tarde — mas ao invés disso, Ele usou a figura de uma semente de mostarda que começa pequena, mas cresce continuamente e se torna a maior planta do jardim.

Sobre esta posição, deveria ter existido algum grupo verdadeiro de fiéis protestantes, que sobreviveram durante mil anos nas cavernas, mas onde está a evidência deles? Os Waldensianos, que são apontados como seus precursores por todas as seitas, dos Pentecostais às Testemunhas de Jeová, não existiam antes do século XII. Eles dizem que estes verdadeiros fiéis sofreram valentemente as ferozes perseguições dos romanos e que se esconderam nas colinas até quando o Cristianismo tornou-se uma religião legal. E isso pode até parecer possível, se comparado com a noção de que um grupo tenha sobrevivido por mil anos sem deixar nenhum rastro de evidência histórica sobre sua existência!

A Sola Scriptura é uma grande avalanche iniciada pela Reforma Protestante e que ao longo do tempo por onde passa (onde é aceita) vai destruindo os principais fundamentos do Cristianismo Apostólico. Ela caminha para a destruição total da Fé. Para atestar isso basta compararmos a grande diferença entre a fé Reformada e a fé Pentecostal, por exemplo. Os Reformadores tinham catecismos, criam na necessidade dos sacramentos, batizavam as crianças, reconheciam Santa Maria como Mãe de Deus. E hoje será que é possível encontrar tal credo entre os Pentecostais? O protestantismo ao abandonar a Eclesiologia Apostólica (conceito que crê que a Igreja de Cristo é Visível, possui Governo, que é Mãe e Mestra dos Cristãos, que surge de Deus e vem até os fiéis, etc.) colocou em seu lugar o relativismo. Não é sem motivo que muitos protestantes estão a caminho do fenômeno então chamado “A Fé sem Religião” ou “Deus sem Religião”.

Você pode imaginar que o sistema de crenças Protestante tem como sua principal doutrina a teoria de que somente a Bíblia possui autoridade em assuntos de Fé, buscando provar que esta doutrina tem seus próprios critérios. A pessoa provavelmente espera que os protestantes mostrem diversos textos da Bíblia que prove esta doutrina — que é a base de toda a doutrina protestante. A pessoa espera dois ou três textos sólidos, que apresentam claramente esta doutrina — dizem eles da Bíblia: “Pelo depoimento de duas ou três testemunhas se resolve toda a questão” (II Coríntios 13:1). Contudo, como o menino da fábula que teve que mostrar que o Imperador estava nu, tenho que mostrar que não há um único verso na Bíblia em sua totalidade que comprove a doutrina da Sola Scriptura. Não há nada que comprove isso. Ah sim, há inúmeros lugares da Bíblia que falam de sua inspiração, autoridade e utilidade — mas não há um lugar da Bíblia que ensine que somente a Bíblia é autorizada a seus fiéis. Se tal ensinamento estivesse pelo menos implícito, os Pais da Igreja teriam seguramente ensinado esta doutrina, mas qual Santo Padre ensinou tal coisa? Por isso que o ensinamento fundamental do Protestantismo é autodestrutivo, contradiz a si mesmo.

A doutrina da Sola Scriptura não é apenas não ensinada pela Bíblia —ela contradiz a Bíblia especificamente (já discutimos isso), que ensina que a Santa Tradição também está ligada ao Cristianismo (II Tessalonicenses 2:15; I Coríntios 11:2).

Talvez a Bíblia Sagrada seja o ápice da Santa Tradição da Igreja, mas a grandiosidade da elevada altura em que a Bíblia subiu depende da grande montanha em que ela está firmada. Retirada de seu contexto, da Santa Tradição, a pedra sólida da Bíblia torna-se uma mera bola de barro, que pode ser moldada facilmente por qualquer modelador que assim desejar. Não é nada honroso distorcer e abusar da Bíblia, mesmo que isso seja feito em nome de sua autoridade.

Alessandro Lima
Fonte: Veritatis Splendor

FSSPX - Portugal

Tudo por amor a Jesus Cristo, Nosso Senhor.

Movimento Magistrados para a Justiça

"Uma visão conservadora de temas relacionados ao Direito"

O Legado d'O Andarilho

opiniões, considerações políticas e religiosas.

Roberta Acopiara's Blog

Just another WordPress.com weblog

Blog do Curso Técnico em Informática do IFCE - Campus Iguatu

Blog do Curso Técnico em Informática do IFCE - Campus Iguatu

pregarevangelho

Só mais um site WordPress.com

:.:Paródias da Professora Décia:.:

Paródias de uma professora cedrense!

Fratres in Unum.com

Ecce quam bonum et quam jucundum habitare fratres in unum.

Compartilhar é preciso.

Sinta-se livre para conhecer, aprender e compartilhar

§|Olhar Católico|§

Um Olhar Católico sobre o mundo!

Pacientes na tribulação

Apologética católica

Grupo S. Domingos de Gusmão

Fiéis Católicos de Maringá

Missa Tridentina em Brasília

Santa Missa no Rito Romano Tradicional

Vida, dom de Deus

Gratiam tuam, quaesumus, Domine, mentibus nostri infunde; ut qui, angelo nuntiante, Christi Filii tui encarnationem cognovimus, per Passionem eius et Crucem, ad Resurrectionis gloriam perducamur. Per eumdem Christum Dominum nostrum. Amen.

%d blogueiros gostam disto: