Sé vacante

É vacante

Íntegra da ultima audiência de S.S. Bento XVI: “Eu quero que todos sintam a alegria de ser cristão”


Venerados Irmãos no Episcopado e no Sacerdócio!
Autoridades ilustres!
Queridos irmãos e irmãs!

Obrigado por ter vindo em grande número a esta minha última audiência geral.

Obrigado! Eu estou realmente tocado! E eu vejo a Igreja viva! E eu acho que nós também temos que agradecer ao Criador para o clima agradável que nos dá, mesmo agora no inverno.

Como o Apóstolo Paulo no texto bíblico que acabamos de ouvir, eu sinto no meu coração ter de agradecer especialmente a Deus que orienta e edifica a Igreja, que é a semeadora de sua Palavra e, portanto, alimenta a fé em seu povo. Neste momento, meu ânimo se alarga e abraça toda a Igreja em todo o mundo; e eu agradeço a Deus pela “notícia” de que neste ano de ministério petrino eu haver podido receber sobre a fé no Senhor Jesus Cristo, e o amor que circula realmente no corpo da Igreja que a faz viver no amor, e da esperança que se abre e se orienta para a plenitude da vida, em direção à pátria celeste.

Sinto que trago todos em oração, em um presente que é aquele de Deus, onde eu coleciono cada reunião, a cada viagem, a cada visita pastoral. Tudo e todos se reúnem em oração para confiá-los ao Senhor, porque temos pleno conhecimento da sua vontade, em toda a sabedoria e entendimento espiritual, e por que nos comportamos de maneira digna Dele e de Seu amor, frutificando em toda boa obra (cf. Col 1 0,9-10).

Neste momento, há uma grande confiança em mim, porque eu sei, todos nós sabemos, que a palavra da verdade do Evangelho é o poder da Igreja, que é a sua vida. O Evangelho purifica e renova, dá frutos, onde a comunidade de crentes ouve e recebe a graça de Deus na verdade e na caridade. Esta é a minha fé, esta é a minha alegria.

Quando, em 19 de abril de quase oito anos atrás, eu concordei em assumir o ministério petrino, tive a firme convicção de que sempre me acompanhou: esta certeza da vida da Igreja, a Palavra de Deus. Naquele momento, como já havia expresso outras vezes, as palavras que foram ditas em meu coração foram: Senhor, por que me pedes isso e que coisa me pedes? É um grande peso que me põe sobre os ombros, mas se Tu me pedes, a tua palavra lançarei as redes, confiante de que vais me guiar, mesmo com todas as minhas fraquezas. E oito anos depois, posso dizer que o Senhor me guiou, me estava próximo, eu podia sentir a sua presença todos os dias. Ela foi uma parte do caminho da Igreja, que teve momentos de alegria e luz, mas momentos também difíceis, eu me senti como São Pedro e os Apóstolos no barco no Mar da Galiléia, o Senhor nos deu muitos dias de sol e uma brisa leve, os dias em que a pesca é abundante, e havia também momentos em que a água era agitada e o vento contrário, como em toda a história da Igreja, e o Senhor parecia dormir. Mas eu sempre soube que naquela barca está o Senhor e eu sempre soube que a barca da Igreja não é minha, não é nossa, mas dEle. E o Senhor não vai deixá-la afundar, é ele quem a conduz, certamente através dos homens que ele escolheu, porque ele queria. Esta foi e é uma certeza de que nada pode ofuscar. E é por isso que hoje meu coração está cheio de gratidão a Deus porque ele não sente falta de toda a Igreja e para mim o seu consolo, a sua luz, seu amor.

Estamos no Ano da Fé, o que eu queria para fortalecer a nossa própria fé em Deus, em um contexto que parece coloca-la mais e mais em um segundo plano. Eu gostaria de convidar a todos para renovar a firme confiança no Senhor, confiar como crianças nos braços de Deus, a certeza de que seu braço nos apoia e é o que nos permite caminhar todos os dias, mesmo na fadiga. Eu gostaria que todos se sintam amados por Deus, que deu o seu Filho por nós e nos mostrou seu amor sem limites. Eu quero que todos sintam a alegria de ser cristão. Em uma bela oração recitada diariamente no período da manhã se diz: “Eu te adoro, meu Deus, eu te amo com todo o meu coração. Agradeço-lhe por ter me criado, feito cristão”. Sim, estamos felizes pelo dom da fé; é a coisa mais preciosa, que ninguém pode tirar de nós! Agradecemos a Deus por isso todos os dias, com a oração e com uma vida cristã coerente. Deus nos ama, mas espera que nós o amamos!

Mas não é só Deus que eu quero agradecer neste momento. Um Papa não é só na liderança do barco de Pedro, mesmo que seja sua a principal responsabilidade. Não tenho estado nem nunca estive só na alegria e peso do ministério petrino; o Senhor me colocou ao lado de muitas pessoas que, com generosidade e amor a Deus e à Igreja, me ajudaram e estiveram próximas. Primeiro de tudo vocês, queridos Irmãos Cardeais:  vossa sabedoria, vosso conselho, vossa amizade foram preciosos para mim; meus colaboradores, começando com meu Secretário de Estado que me acompanhou fielmente ao longo dos anos, a Secretaria de Estado e toda a Cúria Romana, bem como todos aqueles que, em diversas áreas, deram o seu serviço à Santa Sé: são muitas faces que não aparecem, permanecem na sombra, no silêncio, no seu trabalho diário, em um espírito de fé e humildade foram o meu apoio seguro e confiável. Um sentimento especial para a Igreja de Roma, a minha diocese! Não posso esquecer os Irmãos no Episcopado e no Sacerdócio, pessoas consagradas e todo o Povo de Deus nas visitas pastorais, nas reuniões, nas audiências, viagens, em que sempre recebi grande cuidado e afeto profundo; eu também amei todos e cada um, sem exceção, com a caridade pastoral, que é o coração de todo pastor, especialmente o Bispo de Roma, Sucessor do Apóstolo Pedro. Todos os dias eu trouxe cada um de vocês em oração, com o coração do pai.

Eu queria que meus cumprimentos e os meus agradecimentos chegasse a todos então: o coração de um Papa se estende a todo o mundo. E eu gostaria de expressar minha gratidão ao Corpo Diplomático acreditado junto da Santa Sé, o que torna esta uma grande família de nações. Aqui eu também acho que de todos aqueles que trabalham para uma boa comunicação e agradeço-lhes por seu serviço importante.

Neste ponto, eu gostaria de agradecer de todo o meu coração a muitas pessoas ao redor do mundo, que nas últimas semanas me enviaram comoventes provas de amizade, atenção e oração. Sim, o Papa nunca está sozinho, agora eu pude experimentá-lo novamente de uma forma tão grande que toca o coração. O Papa pertence a todos e a tantas gente me sinto muito próximo a elas. É verdade que eu recebo cartas de grande parte do mundo – por parte dos chefes de Estado, líderes religiosos, representantes do mundo da cultura e assim por diante. Mas eu também recebo muitas cartas de pessoas comuns que escrevem para mim simplesmente a partir de seu coração e me fazem sentir seu afeto que nasce da nossa experiência com Jesus Cristo, na Igreja. Essas pessoas não me escrevem como se escreve a um príncipe ou a um importante que não conhecem. Eu escrevem como irmãos e irmãs, filhos e filhas, com o sentido de laços familiares muito afetuosos. Aqui você pode tocar com a mão o que é a Igreja – não uma organização, uma associação para os religiosos ou humanitários, mas um corpo vivo, uma comunidade de irmãos e irmãs no Corpo de Jesus Cristo, que nos une a todos. Experimente a Igreja dessa forma e você quase pode tocá-la com as suas mãos o poder de sua verdade e seu amor, é uma fonte de alegria, um momento em que muitos falam de seu declínio. Vejamos como a Igreja está viva hoje!

Nos últimos meses, eu senti que a minha força diminuiu, e eu pedi a Deus fervorosamente em oração para que me iluminasse com a sua luz para me fazer tomar a decisão certa não para o meu bem, mas para o bem da Igreja . Tomei este passo com plena consciência de sua gravidade e também inovação, mas com uma profunda paz de espírito. Amar a Igreja também significa ter a coragem de fazer escolhas difíceis, sofridas, tendo sempre diante o bem da Igreja e não a si mesmo.

Aqui permita-me para voltar mais uma vez a 19 de abril de 2005. A gravidade da decisão foi justamente no fato de que a partir daquele momento eu estava ocupado sempre e para sempre do Senhor. Sempre – quem assume o ministério petrino já não tem qualquer privacidade. Sempre e totalmente pertence a todos, a toda a Igreja. Sua vida é, por assim dizer, totalmente privada da esfera privada. Eu pude experimentar, e experimento precisamente agora, que um recebe a vida como Ele dá [tradução incerta]. Eu disse antes que muitas pessoas que amam o Senhor também amam o Sucessor de São Pedro e gostam dele, que o Papa tem verdadeiramente irmãos e irmãs, filhos e filhas de todo o mundo, e que ele se sente seguro no abraço de a comunhão, porque já não pertence a si mesmo, pertence a todos e todos pertencem a ele.

O “sempre” é também um “para sempre” – há um retorno para o privado. Minha decisão de renunciar ao exercício ativo do ministério, não o revoga. Não retorno a vida privada, a uma vida de viagens, reuniões, recepções, conferências, etc. Não abandono a cruz, mas estou em um novo modo  unido ao Senhor crucificado. Eu não uso mais do poder de Oficio para o governo da Igreja, mas no serviço da oração, por assim dizer, no pátio de São Pedro. São Bento, cujo nome porto de Papa, me será um grande exemplo disso. Ele nos mostrou o caminho para uma vida que, ativa ou passiva, pertence inteiramente à obra de Deus

Agradeço a todos e a cada um pelo respeito e compreensão com que têm recebido esta importante decisão. Vou continuar a acompanhar o caminho da Igreja, através da oração e da reflexão, com a dedicação ao Senhor e à sua esposa, que tentei viver até agora todos os dias e que quero viver para sempre. Eu peço que lembrem-se de mim diante de Deus, e acima de tudo rezem para os cardeais, que são chamados para uma tarefa tão importante, e pelo novo Sucessor de Pedro: o Senhor o acompanhe com a luz e a força do seu Espírito.

Invoco a materna intercessão de Maria, Mãe de Deus e da Igreja que acompanhe cada um de nós e toda a comunidade eclesial, para que nós, confiança profunda.

Queridos amigos! Deus guia Sua Igreja sempre, e especialmente em tempos difíceis. Nunca percamos esta visão de fé, que é a única visão verdadeira do caminho da Igreja e do mundo. No nosso coração, no coração de cada um de vocês, há sempre a certeza alegre que o Senhor está próximo, não nos abandona, perto de nós e nos envolve com seu amor. Obrigado!

___________

Logo após estas palavras, o Santo Padre fez sua saudação em diversas línguas.

Traduzido do original em italiano do site da Santa Sé.

Tradução não oficial e não autorizada feita por mim.

RCC: a guardiã dos carismas


“temos que ser os guardiões da chama para que ela permaneça sempre acesa”

RCC: a guardiã do castelo de grayskull

Ela tem o poder!

Não, não é a Santa Igreja Católica que recebeu do próprio Nosso Senhor Jesus Cristo o Espírito Santo Paráclito (Jo14, 26).

Não, não é o Santo Padre, sucessor de São Pedro a quem Nosso Senhor Jesus Cristo confiou as chaves da Igreja (Mt16, 19).

Não, não é nem um cardeal ou bispo, Sucessor dos Apóstolos de Nosso Senhor Jesus Cristo (At1, 24-26).

É a velha pretensão da renovação carismática pseudocatólica de ser a guardiã e depositária dos carismas do Santo Espírito. Dela, da RCC, é que depende a permanência acessa da existência dos carismas. E sabe como eles chegaram a esta conclusão? Ora, através de algumas “moções proféticas reveladas pelo Senhor durante a última reunião do Conselho Nacional”. Isso mesmo senhores. Eles têm lá as “visage” deles, como se diz aqui no nordeste, e atribuem este negócio ao Senhor Jesus! Colocam palavras na boca de Nosso Senhor Jesus Cristo! Já não bastassem os grunhidos que se sabe lá quem põe na boquinha deles, pois o Espírito Santo com certeza não é, agora querem que Nosso Senhor Jesus Cristo reze na cartilhinha deles! “Foi o Senhor que disse”, “foi o Senhor que falou”, “o Senhor mandou fazer assim”, “o Senhor mandou fazer assado”… Essa é de lascar! Eu disse que “agora” querem fazer assim, apenas por força de expressão, mas é evidente que esta é uma prática velha da tal renovadora dos carismas.

Eu não preciso de uma renovadora: Cristo já fez nova todas as coisas (Ap21, 5).

Eu não preciso de uma guardiã dos carismas: Nosso Senhor Jesus Cristo nos deu a Sua Igreja (Mt16, 19).

Eu não preciso de “moções proféticas reveladas pelo Senhor”: Deus se revelou ao homem por completo desde a morte do ultimo Apóstolo (e revelações particulares só com aprovação da Igreja).

De onde estou tirando esta notícia? Pois é, andei dando uma olhada neste negócio aqui: http://www.rccbrasil.org.br/espiritualidade-e-formacao/index.php/artigos/896-palavras-profeticas-para-a-renovacao-carismatica-catolica-do-brasil

Não sei se D. Alberto estava presente no momento destas pseudorevelações, mas é triste que não oriente estes pobres coitados de que esta prática da RCC já há muito foi desencorajada pela, quem diria!, própria CNBB.

Publicado em RCC. Tags: . Leave a Comment »

Acenda uma vela virtual pelo Conclave


2109_topo_teaser2.jpg
2109_esq__teaser2.jpg Cada nova eleição do Sumo Pontífice é um momento de extrema delicadeza para a Santa Igreja.

Você, eu e todos os católicos verdadeiros devemos nos reunir nessa hora para rezar.

Peçamos ao Espírito Santo que assista aos Cardeais eleitores para que seja escolhido o mais apto entre eles para enfrentar os duros embates que a Igreja terá em nossos dias.

Como sabemos:

– Diversos movimentos fazem pressão constante para aprovar barbáries como a eutanásia, o aborto, o “casamento homossexual” entre outros absurdos;

– Em diversos lugares do mundo atacam católicos, impedindo- os de professar sua Fé. Alguns inclusive são condenados a pena de morte!

A situação é grave!

E, como vimos no último dia 11 de fevereiro (dia de Nossa Senhora de Lourdes), o Papa Bento VXI anunciou sua renúncia ao Papado, temendo não ter a saúde e as forças necessárias para levar seu Pontificado adiante.

Mas você e eu podemos rezar juntos a Nossa Senhora de Fátima, pedindo que Ela nos mande um Papa de Fátima. Um Papa que prime pela devoção a Ela e pregue a sua Mensagem.

É por isso que peço que você Acenda Agora uma Vela Virtual pelo novo Papa no Oratório da Medalha Milagrosa.

Ao acender sua vela:

– Você pedirá ao Espírito Santo que ilumine e assista aos Cardeais que elegerão o novo Pontífice nos próximos dias.

– Também fará uma súplica para que o novo Papa seja um bravo combatente contra os inimigos da Igreja Católica – que querem incentivar atrocidades como aborto, eutanásia e o chamado “casamento” entre homossexuais – e um propagador dos apelos feitos por Nossa Senhora de Fátima.

– Além disso, assim que acender sua Vela, seu nome será incluído nas Missas e Orações que a Comunidade do Oratório da Medalha Milagrosa rezará semanalmente, até a eleição do novo Papa.

Não deixe de acender sua Vela agora mesmo.

Basta acessar aqui.

Esse período pelo qual estamos passando nos faz lembrar os anúncios feitos por Nossa Senhora de Fátima, sobre os ataques à Santa Igreja e todo o sofrimento que o Papa deveria enfrentar.

Ela disse:

“Quando virdes uma noite iluminada por uma luz desconhecida, sabei que é o grande sinal que Deus vos dá, de que vai punir o mundo de seus crimes, por meio da guerra, da fome, e de perseguições à Igreja e ao Santo Padre”.

Estaremos entrando nos terríveis dias previstos por Nossa Senhora de Fátima?

Com que forças contará o futuro Papa para combater a decadência moral de nossos dias, defender a Lei de Deus e a doutrina católica?

E a nós católicos? O que nos aguarda?

É por esses motivos que, nessa hora de extrema gravidade, peço a você que reze a Nossa Senhora de Fátima.

Acenda agora sua Vela Virtual pelo Novo Papa

Encaminhe esse email a toda a sua lista de amigos.

Vamos nos unir em oração, pedindo por dias melhores a todos nós católicos e a Santa Igreja.

Certamente, Nossa Senhora de Fátima não deixará de nos ouvir.

Em Jesus e Maria,

Associação Devotos de Fátima
www.adf.org.br

2109_dir_teaser2.jpg
2109_rodape_teaser2.jpg

Monarquia: o melhor governo


«Para S. Tomás, como para Aristóteles, há três formas de sociedade possíveis:
a) Monarquia;
b) Aristocracia;
c) Democracia.
A cada uma destas três formas correspondem três outras formas que são a sua corrupção:
a) Tirania, corrupção da Monarquia;
b) Oligarquia, corrupção da Aristocracia;
c) Demagogia, corrupção da Democracia.
A Monarquia é o governo dum povo por um só, e a Tirania é a opressão de todo o Povo. A Aristocracia é a administração do povo por um grupo de homens virtuosos, e a Oligarquia é a opressão de todo o povo ou de uma parte, por um grupo. A Democracia é o governo do Estado por uma classe numerosa, e a Demagogia é a opressão duma classe social por outra como por exemplo quando a plebe, abusando da sua superioridade numérica, oprime os ricos; é a Tirania da multidão. Qual das três formas de governo é a melhor, isto é, a mais justa?
Há sempre perigo, esclarece o Doutor Angélico, ou em renunciar à melhor forma de governo, que é a Monarquia, pelo receio da Tirania, ou, pelo temor da renúncia, em adotar o governo monárquico, correndo-se o risco de o ver degenerar em tirania. A corrupção do melhor é sempre o pior. Então, que devemos fazer: contentar-se a gente com o não estar muito bem pelo medo de ficar muito mal, ou aspirar ao melhor sem pensar no pior? A resposta só pode ser dada, depois de sabermos as razões por que a Monarquia é o melhor dos governos.
Antes de mais nada, vejamos: qual é mais vantajoso para uma cidade ou para uma província: o governo de um ou o governo de muitos? Para se responder a isto, temos que fixar qual seja o fim que deve propor-se qualquer governo. Ora a intenção de quem exerce a função governativa deve ser garantir a salvação daqueles sobre quem tem domínio. Mas em que consiste o bem e a salvação da sociedade política? Na paz, – sem a qual a vida social perde toda a razão de ser. Logo todo aquele que governa um povo deve, antes de mais nada, garantir-lhe a unidade na paz, isto é, na ordem. Logo, um regime será tanto mais útil, quanto mais eficaz for na sua missão de garantir a unidade do povo na paz. É evidente que o que é um só é mais capaz de realizar a unidade do que muitos, – como as fontes de calor mais poderosas são os objetos quentes por si mesmos. Logo, o governo dum só é mais útil ao povo de que o governo de muitos. Além disso, tudo quanto se passa naturalmente passa-se bem, porque a natureza faz sempre o que é melhor.
Ora o modo comum, na natureza, é o governo dum só. No corpo humano, há um órgão que move todos os outros: o coração. Na alma, há uma parte que preside às outras: a razão. As abelhas têm uma rainha, e no universo inteiro, só há um Deus que criou todas as coisas e as governa. Se uma pluralidade deriva sempre duma unidade, e se os produtos da arte são tanto mais perfeitos quanto mais se parecem com as obras da natureza, – o melhor governo para um povo consiste necessariamente no governo de um só. E a experiência o confirma: as províncias ou as cidades governadas por muitos sofrem dissensões, e são perturbadas pela falta de paz. Foi por isso que o Senhor prometeu, ao seu povo, como dom magnífico, dar-lhe um só chefe, e colocar um só príncipe no seu seio. E o perigo da Tirania? Consideremo-lo.
A Tirania não é o perigo exclusivo da Monarquia: a Oligarquia e a Demagogia são tiranias também, e que por serem as dum grupo ou duma classe, não são sempre menos pesadas. Se dizemos que a tirania dum só, corrupção do melhor, é a pior tirania, é na suposição de que ela fosse absoluta. Mas esta tirania absoluta é rara; a maior parte das vezes, limita-se a exercer-se sobre algumas famílias, ou sobre uma classe mais ou menos numerosa de cidadãos. Pelo contrário, quando se trata da tirania de muitos, o mal reside no próprio governo e atinge o País inteiro. Se acrescentarmos que o governo de muitos gera mais freqüentemente tiranias do que o governo dum só em virtude das rivalidades dos chefes que os atiram uns contra os outros, para se eliminarem em proveito dum, conclui-se que é a Monarquia que apresenta menos perigos.
Dois males, temos que escolher um – o menor. Ora dum lado, vemos o governo melhor, pouco arriscado a cair no pior; doutro lado, vemos governos menos bons, muito arriscados a cair em tiranias, das quais a menor afetaria já a boa ordem de todo o Estado. Se, portanto, a única razão de nos privarmos do melhor regime é o receio da tirania, e se a tirania mais a temer é a dos regimes menos bons, não fica razão alguma para que não escolhamos o melhor governo: o governo dum só. Se apesar de tudo, o Rei se revelar tirano, devemos suportá-lo tanto quanto pudermos, porque muitas vezes, só se muda dum mau tirano para um pior. Mas nunca se deve recorrer à violência e ao assassinato, e deve-se procurar, pelas vias legais, obter do tirano que ele se demita, porque o povo que escolhe os reis tem sempre o poder de destituir os tiranos indignos da sua missão.
Tal a doutrina política de S. Tomás de Aquino que temos muito prazer em oferecer, resumidamente, àqueles que pelo seu conhecimento se interessaram.»
(Alfredo Pimenta, Nas Vésperas do Estado Novo)

O ultimo bonde para a FSSPX


POR ANDREA TORNIELLI – do Vatican Insider | Tradução §|Olhar Católico|§

Uma carta do Arcebispo Müller convida a sociedade a responder positivamente até 22 de fevereiro, a festa da Cátedra de São Pedro
O PREFEITO DA CONGREGAÇÃO PARA A DOUTRINA DA FÉ

O PREFEITO DA CONGREGAÇÃO PARA A DOUTRINA DA FÉ

CIDADE DO VATICANO – Último ato e última tentativa para os seguidores de D. Lefebvre. A Santa Sé pede a FSSPX para aceitar o acordo proposto por Roma [e responder] em 22 de fevereiro, festa da Cátedra de São Pedro, e, portanto, antes da demissão de Bento XVI entrar em vigor.

Depois da carta “pessoal”, e muito espiritual, enviada em dezembro passado para aos lefebvrianos pelo arcebispo americano D. Augustine Di Noia, uma nova carta datada de 08 de janeiro chegou ao superior da Fraternidade, Dom Bernard Fellay. Não se sabe ao certo se foi apresentado como um verdadeiro “ultimato”, mas certamente o documento – assinado por Dom Gerhard Ludwig Müller, Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé e Presidente da Pontifícia Comissão “Ecclesia Dei” – coloca pela primeira vez um prazo aos lefebvrianos. Que sob a luz da clamorosa renúncia de Bento XVI acaba por assumir uma dramaticidade particular.

A existência da carta foi confirmada pelo abade Claude Barthe, intérprete cuidadoso das relações entre Roma e o tradicionalismo, em uma entrevista ao “Présent” no dia 16 de fevereiro: “Todo mundo já sabe que a Comissão Ecclesia Dei enviou uma carta ao bispo Fellay em 08 de janeiro e espera uma resposta dele em 22 de fevereiro, a festa da Cátedra de São Pedro”. Neste dia, 22 de fevereiro, pode ser datado a criação da Prelazia de São Pio X. Isto representaria a verdadeira conclusão do pontificado de Bento XVI: a reabilitação do Arcebispo Lefebvre. Pode-se imaginar o barulho do trovão e também, indiretamente, o peso da influência deste no evento de Março, ou seja, o conclave.

De acordo com o Abbé Barthe, os esquemas não seriam assim tão fechado. Embora pareça objetivamente improvável que os lefebvrianos aceitem assinar o “preâmbulo doutrinal” que a Santa Sé deu a eles em junho passado. De acordo com o jornal católico francês “La Croix”, em caso de silêncio no prazo de 22 de fevereiro, Roma reserva-se o direito de aplicar a cada um dos sacerdotes da Fraternidade São Pio X, com um apelo direto, sem passar pelo seu superior Fellay. Convidando-os a voltar a entrar individualmente em comunhão com Roma. As primeiras reações do clero lefebvriano, no entanto, parecem bastante unidas e alinhadas com a de seu superior.

Como se sabe, em junho passado, o prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, o cardeal William Levada, entregou nas mãos de Fellay a mais recente versão do preâmbulo doutrinal acompanhado pela proposta de um acordo canônico, que pretendia transformar a Sociedade de São Pio X em uma Prelatura pessoal.

Nesse documento se pedia aos lefebvrianos que reconhecessem que o Magistério é o intérprete autêntico da Tradição, que o Concílio Vaticano II está de acordo com a Tradição, e que o desenvolvimento da reforma litúrgica pós-conciliar promulgado pelo Papa Paulo VI não foi apenas válido, mas também lícita. Estas condições foram discutidas pelo Capítulo Geral da Sociedade, em julho de 2012, mas nenhuma resposta veio a Roma. Declarações e entrevistas do líder dos lefebvrianos , no entanto, deu a entender que era difícil de aceitar as condições.

A renúncia do Papa levará a uma aceleração dos tempos? Difícil dizer. Certamente uma situação tão favorável, com um Papa tão bem preparado, vai ser difícil se repetir no futuro. E, em caso de recusa à Santa Sé, neste caso, o novo Papa terá que decidir o que fazer.

Assuntos não resolvidos a espera do conclave


POR ANDREA TORNIELLIdo Vatican Insider | Tradução §|Olhar Católico|§

Reformar a Cúria, o mais pesado legado para o novo Pontífice

TORNIELLI
CIDADE DO VATICANO

Nas conversas entre os cardeais na sombra das paredes do Vaticano, nestes dias, mais do que a sucessão do novo Papa há se perguntado sobre o futuro das obras inacabadas deixadas por Bento XVI. Os problemas não resolvidos do pontificado. A discussão sobre as prioridades para a Igreja Católica no futuro será, de fato, decisiva para a escolha do seu sucessor.

 

O Papa Ratzinger tem se concentrado no anúncio da fé cristã no mundo e criou um "ministério" vaticano para a "Promoção da Nova Evangelização". A renúncia, no entanto, deixa incompleta a resposta papal à crise de fé, sobretudo do ponto de vista positivo e propositivo. Como comunicar o evangelho na sociedade pós-cristã, abandonando uma linguagem auto-referencial que é o a mais comum em tantos documentos da Igreja? O Papa deu um exemplo de uma comunicação eficaz, que nem sempre foi bem recebida.

Outra questão não resolvida diz respeito à liturgia. Como cardeal, Ratzinger havia auspiciado uma “reforma da reforma” da litúrgia conciliar, que recuperasse a sacralidade do rito. Nessa tentativa foi enquadrada também a decisão de liberalizar, em 2007, a missa em latim segundo o rito em vigor antes do Concílio, uma das medidas mais contestadas papais dentro da Igreja. O Pontífice alemão, como mostra o livro […] escrito por Gianni Valente, "Ratzinger no Vaticano II" (San Paolo), não se encaixa em tudo no clichê conservador: ele viveu na primeira pessoa e pediu reformas conciliares, das quais não se arrependeu.

A liberalização da antiga missa deveria servir para, no seu entender, trazer o tradicionalismo para uma correta interpretação das reformas conciliares para mitigar certos abusos e da possível “degeneração da Missa em show”. Mas a "reforma da reforma" não estava lá. O Papa tentou dar o exemplo: nas missas celebradas por ele se fez aparecer vestido de paramentos antigos e barrocos; a comunhão de joelhos; um maior uso do latim e do canto gregoriano; […]. Certa exterioridade acabou passando uma visão distorcida de recordar o essencial da liturgia como um encontro com o mistério.

O processo relativo aos  lefebvrianos, uma iniciativa do Papa, tinha como objetivo chegar a sanar o cisma de 1988, permanece sem solução. Durante anos o Papa estendeu a mão, respondeu positivamente aos pedidos da Sociedade de São Pio X, retirando as excomunhões e abrindo-se ao diálogo doutrinal. Apesar das concessões, a resposta positiva não chegou.

Como teólogo, Ratzinger tem um modo de pensar particular sobre o  que une cristãos ao judaísmo. No entanto, alguns incidentes de percurso, causados ​​pelo mau funcionamento da máquina curial, criaram tensões com o mundo judeu: a excomunhão removida para o bispo Williamson, negador das câmaras de gás e a polêmica em torno [dos textos] da Sexta-feira Santa encontrados na antiga liturgia liberalizada.

E ainda há mal-estar, após a polêmica de Ratisbona, no relacionamento com o mundo islâmico, na espera do novo equilíbrio da Primavera Árabe: as viagens na Turquia, Jordânia, Israel e Líbano foram sucessos; as nomeações de novos líderes da Igreja Católica no Oriente, no Iraque e Egito, era a esperança apesar das dificuldades. Continua em aberto as relações com a China: nos últimos anos seguiu os passos positivos, mas também lágrimas dolorosas.

No início de seu pontificado muitos esperavam que Bento XVI reformaria a Cúria Romana. Que a simplificasse para torná-la mais funcional, redimensionando em parte  o papel central da Secretaria de Estado, para dar mais poder aos discatérios e uma dimensão mais colegial. Os projetos ficaram no papel, depois de algumas tentativas iniciais de fusão. As nomeações episcopais da Cúria se multiplicaram e o vatileaks revelou uma realidade de tensões, confrontos e concordatas. O Papa, que era capaz de lutar como nenhum outro contra o flagelo da pedofilia na Igreja, não foi capaz de completar o trabalho de reforma interna do Vaticano e teve sempre uma equipe em torno dele para filtrar suas instruções e atos de governo.

Há ainda o assunto não resolvido da dissidência, representada por grupos de sacerdotes que abertamente convidam a desobediência, pelo fim do celibato sacerdotal e para pedir o sacerdócio das mulheres. Finalmente, em uma sociedade secularizada, o local permanece aberto sobre as respostas para a crise do casamento e do crescente número de divorciados e recasados. Há apenas três semanas, Bento XVI convidou a investigar a possibilidade de declarar um casamento nulo e sem efeito por falta de fé. Caberá ao seu sucessor também esta questão

Perguntas e respostas sobre a renúncia de S.S. Bento XVI


Interessante FAQ que o Jorge Ferraz, do Deus lo Vult!, elaborou sobre os acontecimentos que envolvem a renúncia de Sua Santidade o Papa Bento XVI, gloriosamente reinante até o dia 28 próximo. Confiram:

 

– É verdade que o Papa Bento XVI renunciou?

Sim, é verdade. No último domingo, 10 de fevereiro, reunido em consistório com os cardeais, Bento XVI anunciou a sua decisão de renunciar ao ministério petrino.

– Mas peraí, e Papa pode renunciar?

Sim, pode. O Papa é perfeitamente soberano na Igreja de Deus, inclusive para abdicar do papado.

– O que diz o Direito Canônico sobre a renúncia do Papa?

Código é lacônico. Falando sobre os privilégios, diz que «[q]ualquer pessoa física pode renunciar ao privilégio concedido exclusivamente em seu favor» (Cân. 80 §2) e, sobre ofícios, que «[q]ualquer pessoa no uso da razão pode, por justa causa, renunciar ao ofício eclesiástico» (Cân. 187). A mim não me parece, s.m.j., que haja alguma razão para que o mesmo não se aplique para o privilégio petrino e para o ofício de Bispo de Roma.

– Isso já aconteceu antes?

Aconteceu umas três ou quatro vezes na história da Igreja, mas nenhum Papa renunciava há uns seiscentos anos. O caso mais famoso é o de São Pedro Celestino, que renunciou em 1294.

– Por que Bento XVI renunciou?

Deixemos que o próprio Papa responda: porque «no mundo de hoje, sujeito a rápidas mudanças e agitado por questões de grande relevância para a vida da fé, para governar a barca de São Pedro e anunciar o Evangelho, é necessário também o vigor quer do corpo quer do espírito; vigor este, que, nos últimos meses, foi diminuindo de tal modo em mim que tenho de reconhecer a minha incapacidade para administrar bem o ministério que me foi confiado».

– Esta é a razão verdadeira? Simples assim? Não há nenhuma causa mais oculta?

Por mais que sejamos instintivamente afeitos a teorias da conspiração, nada nos autoriza a levantarmos especulações infundadas aqui. A Igreja está em guerra terrível e o Papa entendeu que, nestas condições, Ela precisa ser comandada por um general mais vigoroso. Simples assim.

– Como você pode ter tanta certeza?

Bom, se não fosse suficiente o simples fato dessas terem sido as exatas palavras do Papa, há também o dado de que, já há muito tempo, Bento XVI vinha dando indícios de que iria renunciar.

– Que indícios?

Por exemplo, quando ele em 2012 visitou a tumba de São Celestino (o Papa que renunciou em 1294, lembra?), deixou o seu próprio pálio sobre o túmulo do santo. Além disso, no famoso livro-entrevista com o jornalista Peter Seewald (A Luz do Mundo), Bento XVI já dissera que «[q]uando um Papa chega à clara consciência de já não se encontrar em condições físicas, mentais e espirituais de exercer o encargo que lhe foi confiado, então tem o direito – e, em algumas circunstâncias, também o dever – de pedir demissão» (apud Pe. Paulo Ricardo). Mais ainda: o jornalista italiano Antonio Socci garantiu que isto não era uma notícia secreta pelo menos desde meados de 2011 (original aqui). Não há espaço, portanto, para teorias da conspiração.

– Mas não existe nenhuma maneira de uma renúncia ser inválida?

Sim, existe. O Código determina que «[a] renúncia apresentada por medo grave, injustamente incutido, por dolo ou erro substancial ou feita simoniacamente, é inválida pelo próprio direito» (Cân. 188). Como visto, nada disso se aplica ao caso atual.

– E especificamente sobre o Papa, o Código de Direito Canônico não diz nada mais específico?

Sim. No caso específico do Papa, o parágrafo segundo do cânon 332 diz o seguinte: «Se acontecer que o Romano Pontífice renuncie ao cargo, para a validade requer-se que a renúncia seja feita livremente, e devidamente manifestada, mas não que seja aceite por alguém».

– O que isso quer dizer?

Quer dizer que, ao contrário das renúncias (p.ex.) dos bispos, que precisam ser aceitas pelo Papa para surtirem efeito, a renúncia do Papa não necessita ser aceita por ninguém. Ela vale por si só, bastando para isso que “seja feita livremente” e “devidamente manifestada”. Estas duas condições cumpriram-se no consistório do último domingo.

– Então a Igreja já está sem Papa?

Não. O Papa deu data e hora para a sua renúncia: disse expressamente que apenas «a partir de 28 de Fevereiro de 2013, às 20,00 horas, a sede de Roma, a sede de São Pedro, ficará vacante».

– Ou seja, ele anunciou a sua renúncia mas ainda não renunciou de fato, é isso?

É, é mais ou menos isso. É como se fosse uma determinação legal com data futura para entrar em vigor.

– Então Bento XVI permanece integralmente Papa, com a totalidade dos seus poderes, até o dia 28 de fevereiro?

Sim, Bento XVI ainda é o Papa gloriosamente reinante, no pleno exercício dos seus poderes, até o dia 28 de fevereiro.

– Ou seja, se Bento XVI quiser voltar atrás e “des-renunciar”, ele pode né?

Tecnicamente pode, o Direito diz que «[a] renúncia, enquanto não tiver surtido efeito, pode ser revogada pelo renunciante» (Cân. 189, §4). Mas ele não vai fazer isso.

– Por que não?

Porque seria leviano e inconseqüente ao extremo. Ninguém pode tomar uma decisão dessa magnitude, anunciá-la em público para, uma semana depois, dizer que mudou de idéia. E, de leviandade, ninguém pode acusar o ex-prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé e hoje Papa Bento XVI.

– E agora, o que acontece? Quem governa a Igreja?

Até o próximo dia 28 de fevereiro, Bento XVI governa a Igreja. Depois disso, seguem-se os procedimentos normais para o caso de Sé Vacante.

– Que procedimentos são esses?

A cessação da atividade da Cúria, a formação das comissões cardinalícias que irão preparar o conclave, etc. Trata-se, em suma, daquelas disposições que foram dadas por S.S. João Paulo II na Universi Dominici Gregis, com bem poucas mudanças (o pe. Z. fala, p.ex., que como não houve morte do Pontífice anterior então não haverá os Novemdiales, e portanto o conclave pode começar mais cedo).

– Bento XVI vai votar no conclave?

Não, o Papa Bento XVI já tem 85 anos e, portanto, não é mais cardeal-eleitor.

– Mas pode ser votado? Os cardeais-eleitores poderão votar em Bento XVI, elegendo-o novamente Papa após a renúncia?

Creio que em princípio nada obsta, mas seria indelicado para com um senhor octagenário com renúncia recém-apresentada, sem que tenham deixado de existir (obviamente) as razões que motivaram a dita renúncia.

– E o que acontece com o Papa? O Anel do Pescador é quebrado? Ele pode continuar se chamando Bento XVI, ou tem que voltar a assinar Joseph Ratzinger? Quando ele morrer, vai ter funerais pontifícios?

Rapaz, não sei. Penso que o anel é quebrado sim (porque embora o Papa não tenha morrido, o seu reinado terminou e é isso que o anel representa), que ele pode continuar assinando “Bento XVI” (afinal, São Celestino V é chamado de São Celestino, que é o seu nome de Papa, e não de Pietro del Morrone que é o de Batismo) e que terá funerais pontifícios. Mas não tenho certeza.

– O que nos resta fazer agora?

Confiar na Providência Divina e rezar ao Espírito Santo de Deus, redobrando as penitências quaresmais, a fim de que o Deus Altíssimo nos conceda um papa santo para suceder Bento XVI na Sé de Pedro.

Carnaval com Cristo! Carnaval com Cristo?


Por Fábio Botto do portal: http://www.catolicismoromano.com.br

O que podemos dizer sobre o dito “Carnaval com Cristo”, onde muitos protestantes e carismáticos fazem questão de associar o nome Santo de Cristo com a festa pagã e profana que é o carnaval. É uma verdadeira blasfêmia e heresia, muitas paróquias católicas dedicarem seus ditos ministérios para danças e encenações.

O VERDADEIRO CATÓLICO, faz do carnaval, uma preparação para a Quaresma que deve ser realizada com muita oração, penitência e caridade.

O carnaval não é uma festa católica. Era uma festa pagã que os romanos realizavam em fevereiro, as februália.

Como os cristãos iam passar quarenta dias sem comer carne, o nome carnaval se entendeu como “carne vale”, isto é, os últimos dias em que se podia comer carne antes da Quaresma.

O Carnaval é uma festa profana (contrário ao respeito devido às coisas sagradas) mais antiga que se tem registro, provavelmente há mais de três mil anos. As suas raízes mais remotas encontram-se na Grécia Antiga, no culto a Dionísio, o deus da vinha, do êxtase, também conhecido como o deus do Baco, mais tarde celebrado em Roma, espalhando-se para os países de cultura neolatina. Ele (Dionísio), era representado como uma figura humana, só que de chifres, barbas, pés de bode e um olhar meio embriagado. Segundo o que verificamos na história, os primeiros seguidores do deus Dionísio foram as mulheres, isso há mais de três mil anos atrás, que viam nesses dias que lhe eram dedicados um momento para escapar da vigilância dos maridos, irmãos e pais, para poderem cair na folia, nas danças e gritos de júbilos. Os homens não demoraram a aderir as “procissões” das mulheres. A festança que se estendia por

Três dias, encerravam-se com uma bebedeira coletiva.

Nos primórdios do culto a Dionísio, as autoridades (a corte, os sacerdotes e os ricos) não gostavam nada daqueles festejos. Uma de suas razões é porque eram vítimas das sátiras.

Os festejos além de serem uma teatralização coletiva da inversão de tudo, serviam de um acerto de contas do povo com os seus governantes. O povo (pobre) vestia-se de rei, o libertino como guia religiosa, a prostituta local posava como donzela e homens reconhecidos como tal, vestiam-se de mulheres.

No século VI ªC, Pisístrato, o tirano de Atenas, oficializou homenagens a Dionísio. Construiu-lhe um templo (teatro Dionísio) na Acrópole, que está lá até hoje. Aí, começou a ter concursos de peças cômicas ou dramáticas para celebrá-lo no palco, iniciando assim em Atenas a política do amparo as artes cênicas pelo Estado. Nessa época, a subversão dos costumes, fazia com que as pessoas ficassem soltas pelos campos provocando “loucuras”. O povo caía na desordem e no deboche às autoridades, eles usavam essa festa da colheita dedicada ao deus Dionísio, como um subterfúgio para fazerem tudo aquilo que lhes eram prazeroso. Quando o carnaval foi trazido pelos portugueses para o Brasil no século XVII, o povo colonizado rapidamente aderiu como a maior festa popular brasileira, como um imperdível momento de inverter, ainda que simbolicamente, as dificuldades em que viviam pela ganância da Coroa. Todos os festejos giravam em torno do Rei Momo (deus pagão, que presidia os festejos carnavalescos em Roma).

A partir de 1935 começaram a sufocar essa festa popular, submetendo os desfiles populares a regulamentos, horários e trajetos a serem cumpridos a risca. Ë a ordem da desordem! Com isso houve uma troca da contestação divertida para a sensualidade exposta.

Núncio Apostólico dos EUA caminha para a vida


POR JOAN FRAWLEY DESMOND | Tradução §|Olhar Católico|§

Núncio Apostólico nos EUA Carlo Maria Viganò

SÃO FRANCISCO – Pela primeira vez o núncio apostólico para os Estados Unidos se juntou à linha de católicos e líderes pró-vida na Caminhada Anual para a Vida da Costa Oeste, que este ano marcou o 40 º aniversário de Roe versus Wade, em São Francisco.

No comício anterior a caminhada de 26 de janeiro, o arcebispo Carlo Maria Viganò, nomeado representante pessoal do Papa para os EUA em outubro de 2011, leu a bênção do Papa Bento XVI para a multidão de 50 mil pró-vida que se reuniram na cidade Civic Center Plaza.

O arcebispo Viganò foi calorosamente recebido pelo recém-instalado Arcebispo Salvatore Cordileone de São Francisco, que disse que estava agradecido pelo apoio do núncio. Viganò disse ao Register que ele tem procurado oportunidades para familiarizar-se com a Igreja nos Estados Unidos.

“Uma das funções da missão do núncio apostólico e sua equipe é proporcionar e oferecer [informações] para o Papa sobre a situação da Igreja nos Estados Unidos e apresentar a ele os candidatos adequados para ser bispos,” disse Viganò.

“Esta é uma responsabilidade muito importante, e, como o país é tão grande, eu procuro estar presente em qualquer ocasião ou reunião importante.”

Ele lembrou de uma audiência privada com o Papa Bento em 7 de novembro de 2011, pouco antes do núncio vir assumir suas funções em Washington. Durante o encontro, o Papa “me disse: ‘Você vai encontrar alguns problemas nos Estados Unidos’. Ele me dissera aquilo para, de alguma forma, me deixar a par da realidade” disse o núncio ao Register.

Ele chegou nos EUA dias depois, a tempo para a reunião anual de novembro da Conferência dos Bispos dos EUA, onde o então arcebispo Timothy Dolan, de Nova York, o presidente da conferência, lançou planos para combater as ameaças emergentes à liberdade religiosa.

Durante a longa carreira do arcebispo Viganò no Vaticano como um diplomata em regiões delicadas, como o Iraque e Nigéria, o arcebispo italiano tem testemunhado uma série de situações políticas que por vezes desencadeiam conflitos Igreja-Estado.

“Cada um de nós traz para estes encontros a experiência de seus anos de vida e missão. Que foi afetada pelo meu primeiro trabalho diplomático em 1973 no Iraque… antes da primeira Guerra do Golfo… na ditadura de Saddam Hussein”, disse ele durante a entrevista de 26 jan.

Mas as lutas ideológicas que varreram a Europa durante o século 20, também formou a sua visão atual da Igreja-Estado e tensões nas democracias ocidentais.

“Uma democracia não é algo que se ganha para sempre”, disse ele. “Como o Beato João Paulo II e o Papa Bento têm dito, ‘Uma democracia que está privada de valores, muito em breve vai se tornar uma ditadura e uma situação para perseguição’”.

Em Notre Dame

Ele expressou preocupação semelhante em 04 de novembro na Universidade de Notre Dame, onde ele deu o alarme sobre as novas correntes políticas “[n]as grandes democracias do mundo.”

“As evidências que estão surgindo demonstram que a ameaça à liberdade religiosa não é apenas uma preocupação para os regimes não-democráticos e totalitários”, disse ele na Catedral de Notre Dame. “Infelizmente, isso está vindo à tona com maior regularidade no que muitos consideram as grandes democracias do mundo”.

A perseguição religiosa é muitas vezes acompanhada por uma “relutância em aceitar o papel público da religião”, disse ele em seu discurso, especialmente quando as instituições religiosas defendem “crenças que os poderosos da sociedade política não compartilham”.

A Caminhada pela Vida, que atraiu cerca de 100 contraprotestos que atacaram ativistas pró-vida como “fascistas”, insinuou a política polarizada que cada vez mais dominam a vida pública nos EUA e pode resultar, um dia, em medidas que restringem drasticamente a liberdade religiosa.

“Durante o século 20, não havia democracia na Itália – e em um determinado momento, houve um regime fascista”, observou o arcebispo Viganò, de pé perto do palco onde se dirigiu à multidão da Caminhada pela Vida.

Hoje, disse ele, “os valores humanos proclamados na [Declaração Internacional dos Direitos Humanos] após a Segunda Guerra Mundial estão sendo violados, a fim de criar novos valores”.

Joan Frawley Desmond, editor sênior do National Catholic Register,

Elba convence meninas contra o aborto


Diário de São Paulo, 03 de fevereiro – Às vésperas de lançar um novo álbum, “Vambora Lá Dançar”, Elba Ramalho vai continuar dividindo o seu tempo entre a carreira e o trabalho assistencial.  A cantora  virou uma espécie de porta-voz de associações antiaborto, como a Ong Provisa. “Eu não vim nesse mundo só para fazer firula. Eu faço ‘larari e larará’, mas eu também leio o evangelho e busco justiça nas minhas ações”, afirma  ela,  justificando à coluna os motivos pelos quais abraçou o voluntariado.

Junto com a equipe da Provisa, Elba  busca dar assistência social e psicológica a adolescentes que pretendem realizar aborto.  A prática é condenada pela Igreja Católica e Elba é seguidora da doutrina pregada por ela. “Coloco Deus à frente das minhas ações. Eu sei que a vida não acaba no túmulo, que a gente segue adiante. Mas eu defendo a vida. Não estou criticando ninguém. Mas hoje as feministas  aconselham o contrário”,  diz.

No ano passado, a cantora causou polêmica quando declarou na imprensa que era contra o aborto, inclusive os legais, em casos previstos pela lei.  À época, soube de um caso de uma menina e conseguir demovê-la da ideia. “Eu a ajudei, ela teve a criança e dou apoio até hoje. Na maioria das vezes, são pessoas muito pobres”, afirma ela, que  acompanha outras oito garotas.

Os filhos da artista, as três meninas que ela adotou – Maria Esperança, de 8 anos, Maria Paula, de 5, e Maria Clara, de 9 –,  e Luã,  de 25 anos, fruto do relacionamento com  o ator Maurício Mattar, apoiam a cantora. “Quando alguma menina segue em frente com o aborto, eles ficam tristes junto comigo.”

Em tempo, Elba também está sem namorado. “Há dois anos estou solteiríssima. Estou vivendo a castidade, por causa da religião católica. Eu estou em paz.”

Venha participar de Ensino Doméstico – Educação Domiciliar!


Entre em Ensino Doméstico – Educação Domiciliar
Aos pais pertence o direito de escolher a educação dos filhos
Moisés Gomes… Moisés Gomes de Lima Conheçam o homeschooling!
Clique para Entrar

Membros em Ensino Doméstico – Educação Domiciliar:

Julie Salguei… Julie Salgueiro pedro nuno le… pedro nuno leal nabais nunes Rita Nunes Pa… Rita Nunes Pacheco sonia reinste… sonia reinstein Charleston T… Charleston T de Faria

Sobre Ensino Doméstico – Educação Domiciliar
Sabiam que o ensino doméstico existe e é legal? Sabiam que não é a escola que é obrigatória mas a educação?

Ensino Doméstico - Educação Domiciliar 920 membros
155 fotos
242 videos
96 tópicos
20 eventos
234 postagens no blog
PSL Cedro

Deus acima de tudo e Cedro para todos!

FSSPX - Portugal

Tudo por amor a Jesus Cristo, Nosso Senhor.

O Legado d'O Andarilho

opiniões, considerações políticas e religiosas.

Roberta Acopiara's Blog

Just another WordPress.com weblog

Blog do Curso Técnico em Informática do IFCE - Campus Iguatu

Blog do Curso Técnico em Informática do IFCE - Campus Iguatu

pregarevangelho

Só mais um site WordPress.com

:.:Paródias da Professora Décia:.:

Paródias de uma professora cedrense!

Fratres in Unum.com

Ecce quam bonum et quam jucundum habitare fratres in unum.

Compartilhar é preciso.

Sinta-se livre para conhecer, aprender e compartilhar

§|Olhar Católico|§

Um Olhar Católico sobre o mundo!

Pacientes na tribulação

Apologética católica

Grupo S. Domingos de Gusmão

Fiéis Católicos de Maringá

Missa Tridentina em Brasília

Santa Missa no Rito Romano Tradicional

Vida, dom de Deus

Gratiam tuam, quaesumus, Domine, mentibus nostri infunde; ut qui, angelo nuntiante, Christi Filii tui encarnationem cognovimus, per Passionem eius et Crucem, ad Resurrectionis gloriam perducamur. Per eumdem Christum Dominum nostrum. Amen.

%d blogueiros gostam disto: