Núncio Apostólico dos EUA caminha para a vida


POR JOAN FRAWLEY DESMOND | Tradução §|Olhar Católico|§

Núncio Apostólico nos EUA Carlo Maria Viganò

SÃO FRANCISCO – Pela primeira vez o núncio apostólico para os Estados Unidos se juntou à linha de católicos e líderes pró-vida na Caminhada Anual para a Vida da Costa Oeste, que este ano marcou o 40 º aniversário de Roe versus Wade, em São Francisco.

No comício anterior a caminhada de 26 de janeiro, o arcebispo Carlo Maria Viganò, nomeado representante pessoal do Papa para os EUA em outubro de 2011, leu a bênção do Papa Bento XVI para a multidão de 50 mil pró-vida que se reuniram na cidade Civic Center Plaza.

O arcebispo Viganò foi calorosamente recebido pelo recém-instalado Arcebispo Salvatore Cordileone de São Francisco, que disse que estava agradecido pelo apoio do núncio. Viganò disse ao Register que ele tem procurado oportunidades para familiarizar-se com a Igreja nos Estados Unidos.

“Uma das funções da missão do núncio apostólico e sua equipe é proporcionar e oferecer [informações] para o Papa sobre a situação da Igreja nos Estados Unidos e apresentar a ele os candidatos adequados para ser bispos,” disse Viganò.

“Esta é uma responsabilidade muito importante, e, como o país é tão grande, eu procuro estar presente em qualquer ocasião ou reunião importante.”

Ele lembrou de uma audiência privada com o Papa Bento em 7 de novembro de 2011, pouco antes do núncio vir assumir suas funções em Washington. Durante o encontro, o Papa “me disse: ‘Você vai encontrar alguns problemas nos Estados Unidos’. Ele me dissera aquilo para, de alguma forma, me deixar a par da realidade” disse o núncio ao Register.

Ele chegou nos EUA dias depois, a tempo para a reunião anual de novembro da Conferência dos Bispos dos EUA, onde o então arcebispo Timothy Dolan, de Nova York, o presidente da conferência, lançou planos para combater as ameaças emergentes à liberdade religiosa.

Durante a longa carreira do arcebispo Viganò no Vaticano como um diplomata em regiões delicadas, como o Iraque e Nigéria, o arcebispo italiano tem testemunhado uma série de situações políticas que por vezes desencadeiam conflitos Igreja-Estado.

“Cada um de nós traz para estes encontros a experiência de seus anos de vida e missão. Que foi afetada pelo meu primeiro trabalho diplomático em 1973 no Iraque… antes da primeira Guerra do Golfo… na ditadura de Saddam Hussein”, disse ele durante a entrevista de 26 jan.

Mas as lutas ideológicas que varreram a Europa durante o século 20, também formou a sua visão atual da Igreja-Estado e tensões nas democracias ocidentais.

“Uma democracia não é algo que se ganha para sempre”, disse ele. “Como o Beato João Paulo II e o Papa Bento têm dito, ‘Uma democracia que está privada de valores, muito em breve vai se tornar uma ditadura e uma situação para perseguição’”.

Em Notre Dame

Ele expressou preocupação semelhante em 04 de novembro na Universidade de Notre Dame, onde ele deu o alarme sobre as novas correntes políticas “[n]as grandes democracias do mundo.”

“As evidências que estão surgindo demonstram que a ameaça à liberdade religiosa não é apenas uma preocupação para os regimes não-democráticos e totalitários”, disse ele na Catedral de Notre Dame. “Infelizmente, isso está vindo à tona com maior regularidade no que muitos consideram as grandes democracias do mundo”.

A perseguição religiosa é muitas vezes acompanhada por uma “relutância em aceitar o papel público da religião”, disse ele em seu discurso, especialmente quando as instituições religiosas defendem “crenças que os poderosos da sociedade política não compartilham”.

A Caminhada pela Vida, que atraiu cerca de 100 contraprotestos que atacaram ativistas pró-vida como “fascistas”, insinuou a política polarizada que cada vez mais dominam a vida pública nos EUA e pode resultar, um dia, em medidas que restringem drasticamente a liberdade religiosa.

“Durante o século 20, não havia democracia na Itália – e em um determinado momento, houve um regime fascista”, observou o arcebispo Viganò, de pé perto do palco onde se dirigiu à multidão da Caminhada pela Vida.

Hoje, disse ele, “os valores humanos proclamados na [Declaração Internacional dos Direitos Humanos] após a Segunda Guerra Mundial estão sendo violados, a fim de criar novos valores”.

Joan Frawley Desmond, editor sênior do National Catholic Register,

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

FSSPX - Portugal

Tudo por amor a Jesus Cristo, Nosso Senhor.

Movimento Magistrados para a Justiça

"Uma visão conservadora de temas relacionados ao Direito"

O Legado d'O Andarilho

opiniões, considerações políticas e religiosas.

Roberta Acopiara's Blog

Just another WordPress.com weblog

Blog do Curso Técnico em Informática do IFCE - Campus Iguatu

Blog do Curso Técnico em Informática do IFCE - Campus Iguatu

pregarevangelho

Só mais um site WordPress.com

:.:Paródias da Professora Décia:.:

Paródias de uma professora cedrense!

Fratres in Unum.com

Ecce quam bonum et quam jucundum habitare fratres in unum.

Compartilhar é preciso.

Sinta-se livre para conhecer, aprender e compartilhar

§|Olhar Católico|§

Um Olhar Católico sobre o mundo!

Pacientes na tribulação

Apologética católica

Grupo S. Domingos de Gusmão

Fiéis Católicos de Maringá

Missa Tridentina em Brasília

Santa Missa no Rito Romano Tradicional

Vida, dom de Deus

Gratiam tuam, quaesumus, Domine, mentibus nostri infunde; ut qui, angelo nuntiante, Christi Filii tui encarnationem cognovimus, per Passionem eius et Crucem, ad Resurrectionis gloriam perducamur. Per eumdem Christum Dominum nostrum. Amen.

%d blogueiros gostam disto: