“O que aconteceu com o sacerdote, aquele majestoso e misterioso representante de Deus?”


Por Peter Kwasniewski, LifeSiteNews.com | Tradução: João Pedro de Oliveira, FratresInUnum.com – No meio do que parece ser uma interminável e inextirpável crise de abusos sexuais, alguns católicos se sentirão tentados a jogar a culpa de tudo isso na concepção tradicional de sacerdócio, que eles mal entendem.

Na minha opinião, o problema não é que tenhamos o clero em alta conta, mas sim que rebaixamos o ofício sacerdotal a um trabalho meramente humano, ao invés de enxergá-lo como uma missão sagrada paraa qualalguns homens são chamados e consagrados por Deus.

A solução para os abusos não é descartar o ideal, mas enfatizá-lo uma vez mais, purificando-o de quaisquer vícios que ele possa ter adquirido em um certo período da história. Nosso período atual é manchado pela Revolução Sexual de 1968, como observou recentemente o Papa Bento XVI em sua carta sobre a crise dos abusos. Poder-se-ia acrescentar que nosso período também é manchado pelo igualitarismo, pelo horizontalismo e pelo secularismo — uma mistura diabólica que, bebida pelos sacerdotes, impede-os de sonharem e se alegrarem com a plenitude da nobreza espiritual e do autossacrifício exigidos por sua vocação.

A figura do padre, tal como se conhece no Ocidente há quase dois mil anos, tem sido gradativamente reduzida nas últimas décadas a algo que dificilmente se pode reconhecer como “oficial”, quanto mais como algo sagrado ou sacerdotal. A maioria dos sacerdotes que conheci na minha juventude passava a imagem de administradores cuidando de relações públicas, almoços, arrecadação de fundos e coisas semelhantes, entregando aos leigos as responsabilidades pelo “planejamento litúrgico” e até mesmo a distribuição da Sagrada Comunhão, para a qual as mãos do padre foram ungidas. O que aconteceu com o sacerdote, aquele majestoso e misterioso representante de Deus?

Considere por um momento como as tendências antitradicionais, cujos frutos amargos ainda estamos colhendo, afetam o papel do sacerdote na paróquia e a própria percepção que ele tem dos deveres de seu ofício. Não pode haver dúvida de que os padres devem ser pastores, mestres e líderes, à imitação de seu modelo divino, assim como não há dúvida de que pessoas em todas as épocas precisam ser pastoreadas, ensinadas e guiadas. Os meios mais importantes para o exercício desse tríplice ofício são o confessionário, onde o sacerdote pode perdoar aos pecadores e levá-los à santidade, e a sagrada liturgia, através da qual ele pode unir os fiéis aos maravilhosos e vivificantes mistérios de Cristo.

Contudo, a falsa concepção da liturgia como um encontro de canto e socialização desvaloriza tudo o que o sacerdote é chamado a ser, transformando-o em um mero “facilitador” das atividades paroquiais programadas para um domingo de manhã. Não há razão para que qualquer outra pessoa não possa “facilitar” essas mesmas tarefas simples: basta ler o que está impresso em uma página presa a um fichário. Esse reducionismo utilitarista é parte da razão pela qual alguns católicos falam tanto de “diaconisas”. Eu aposto que se as tais diaconisas tivessem de se envolver em liturgias latinas solenes com várias horas de duração, elas não ficariam clamando por esse trabalho.

Quando os mistérios da fé e a adoração de Deus recuam para o segundo plano, quando a doutrina de Cristo e de sua Igreja mal recebe um momento de atenção, quando o confessionário está vazio, o sacerdote perde a sua razão de ser. Se os homens não são de fato pecadores, por que eles precisariam mesmo da absolvição sacramental? Se os homens não são realmente chamados a trabalhar em sua salvação com temor e tremor, por que precisariam receber o Pão da Vida — ou mesmo sentir fome desse pão? Não é de se admirar que os padres achem os seus dias monótonos. Afinal, eles deixaram de reger, curar e nutrir as almas com o Deus Encarnado.

Foi depois de assistir, certa manhã, a uma rápida e insípida Missa paroquial, que eu fui me dar conta da razão pela qual, em algumas partes do mundo, o sacerdócio está beirando a irrelevância: o padre não é mais uma autoridade, um mestre, um homem que santifica as outras pessoas. Sua principal razão de existir — oferecer o sacrifício a Deus em favor do povo — está se esvaindo. À medida que os católicos adotam uma visão protestante de “ministério” (n.d.t.: como se os padres fossem equivalentesaos pastores evangélicos), a única base para uma hierarquia sacerdotal e um sacerdócio ordenado é solapada. Se, como dizem os liturgistas progressistas, é a congregação o verdadeiro celebrante e o sacerdote não passa de um representante que trabalha em seu nome, o que se torna o padre, senão um leigo agraciado com a oportunidade invejável de se sentar em um trono de madeira e usar um casaco “dos sonhos”, cheio de efeitos e cores? É óbvio, também, que ninguém se sente atraído por ser um celibatário no centro dos holofotes em uma época na qual as coisas boas são medidas pelo conforto carnal que oferecem. Na ausência de aspirações espirituais genuínas, então, os apetites sensoriais impõem-se a si mesmos — e não surpreende que ouçamos o clamor incessante por um clero casado.

Não nos enganemos sobre a razão mais profunda por que os protestantes rejeitaram tão  prontamente o celibato no século XVI. Se o sacerdócio não foi instituído por Cristo a fim de que o mundo seja preenchido com “outros Cristos”, homens separados para levar adiante o ofício sagrado do Sumo e Eterno Sacerdote, então não há absolutamente base alguma, nem para qualquer distinção entre os leigos e o padre, nem para que o sacerdote leve um modo de vida diferente. Os protestantes sabiam desde o início que uma compreensão “congregacionalista” da Igreja anulava tanto a hierarquia quanto o sacrifício; em uma sociedade igualitária de crentes, cada membro se governa e se santifica por uma comunicação pessoal com o Espírito Santo.

A crise dos abusos e a campanha contra o celibato, apesar de sua oposição superficial, são, na verdade, duas faces da mesma moeda: ambas resultam do abandono da identificação mística do sacerdote com Cristo, e da marginalização do heroísmo e do gênio desse modo de vida, favorecido de modo especial para ser uma bênção para toda a Igreja. Se queremos bons e santos sacerdotes, e muitos deles, a única coisa que devemos fazer é recuperar um catolicismo que, em fidelidade à Tradição, compreenda a dignidade e as exigências do sacerdócio. Qualquer solução que pretenda menos do que isso só o que irá produzir são mais abusos, sejam eles criminosos ou subliminares.

“A Virgem participou do mistério pascal, no sofrimento, estando de pé junto à cruz”


Palavras do Bispo Diocesano de Iguatu, D. Edson de Castro sobre o mês de maio.

Nossa_Senhora

Diocese de Iguatu |O mês de maio é dedicado a Maria pela devoção popular por gestos de piedade filial como a recitação do rosário, a ladainha e a coroação de sua imagem. Convém inserir tais atos no tempo pascal como faz a saudação mariana, recitada no lugar do Angelus: “Rainha dos céus, alegrai-vos, aleluia! Pois o Senhor que merecestes trazer em vosso seio, aleluia, ressuscitou como disse, aleluia. Rogai a Deus por nós, aleluia”.

A Virgem participou do mistério pascal, no sofrimento, estando de pé junto à cruz, e na alegria das aparições, acolhendo o testemunho dos discípulos, dos apóstolos e especialmente das discípulas, que “voltaram do túmulo, anunciaram tudo isso aos Onze, bem como a todos os outros” (Lc 24,9). Ela vivenciou esse clima das aparições, inserida na Igreja nascente.

As Escrituras não dizem que Jesus Ressuscitado apareceu a sua Mãe. É possível supor, pois, que apareceu a vários não nomeados (1Cor 15, 5-8). No entanto, Santo Inácio de Loyola pôs na quarta semana dos seus Exercícios Espirituais como primeira contemplação: como Cristo nosso Senhor apareceu a Nossa Senhora em primeiro lugar. A imaginação criativa iluminada pela fé extasia-se no encontro da Mãe com o Filho. Excelente e proveitosa meditação!

Envolvida pelas alegrias pascais, a Virgem permaneceu junto aos apóstolos e discípulas, reunidos em oração no domingo de Pentecostes (At 1, 13-14). Aguardavam a promessa do Pai, o batismo com o Espírito Santo (At 1, 4-5). Com uma graça especial de intimidade com o Ressuscitado e com a nova recepção do Espírito Santo, ela conheceu de modo pleno o significado de tudo o que aconteceu em sua vida (cf. Jo 14, 26). Pode, agora, realizar sua solicitude materna em relação aos membros da Igreja recebidos como filhos e filhas.

Além de tudo, a verdade da Assunção afirma a glorificação de Maria em Cristo. Pio XII declarou que ”a Imaculada Mãe de Deus e sempre Virgem Maria, depois de terminar o curso de sua vida terrena, foi elevada em corpo e alma à glória do céu”. Participa, portanto, da plenitude da Páscoa da ressurreição e reina com Cristo na glória.

O corpo de Maria é glorificado à semelhança do corpo de Jesus Ressuscitado. Para seu corpo feminino, vale o emprego das imagens, utilizadas por Paulo, para exprimir a novidade e a peculiaridade de todo corpo, transformado ou transfigurado: incorruptível, reluzente de glória, cheio de força, espiritual (1Cor 15, 42-44).

Celebrar a Páscoa de Cristo com a Páscoa de Maria é louvar a ambos e expressar o desejo da nossa “esperança da glória de Deus” (Rm 5, 2), sobre a qual Santo Irineu se referia nos seguintes termos: “a glória de Deus é que o homem viva, e a vida do homem é a visão de Deus”. Segue-se que tudo que fazemos e sofremos em Cristo contribuirá para nossa glorificação quando estivermos face a face ao Mistério.

Neste tempo pascal, pedimos ao Deus que alegrou o mundo com a ressurreição de seu Filho: “concedei-nos, por sua mãe, a Virgem Maria, o júbilo da vida eterna”. Com efeito, nossa esperança não é só para este mundo –que tenhamos dias melhores-  pois, o horizonte se alarga à perspectiva celeste, prêmio e dom, da visão beatífica de Deus.

“Não há melhor qualificação para esta semana: ela é santa”


Palavras do Bispo Diocesano de Iguatu, D. Edson de Castro sobre o evangelho deste domingo de 14 de abril.

Diocese de Iguatu | Não há melhor qualificação para esta semana: ela é santa. Trata-se do tempo litúrgico no qual a Igreja acompanha os passos do nosso Redentor do sofrimento à glória. A Liturgia é rica e bela e as expressões devocionais são comoventes. Porém, uma coisa é assistir à encenação teatral da Paixão e morte do Senhor; outra, é de verdade acompanhar, na Liturgia e nas devoções, o itinerário de Jesus Cristo Salvador com fé e amor.

A primeira é recordação, não implica comprometimento vital e pode até ser um simples passatempo. A segunda é a celebração da fé pessoal e eclesial do acontecimento da redenção universal e a atualização dos seus frutos na nossa existência. De fato, a Liturgia atualiza, na memória viva dos crentes, os efeitos salutares da Páscoa do Senhor.

Em relação ao Cristo, Paulo nos estimula pelo seu testemunho em primeira pessoa de: “ficar em comunhão com os seus sofrimentos, tornando semelhante a ele na sua morte, para ver se alcanço a ressurreição dentre os mortos “ (Fil 3,10-11). Trata-se da conformidade mística e ética com Jesus desde os momentos conclusivos de sua existência terrena. Associamo-nos à sua cruz para participarmos de sua ressurreição e sua vida, já desde este mundo.

A proclamação do Evangelho de São Lucas, na celebração de Ramos e da Paixão, iluminará o início da semana. A multidão grita e louva com palmas na mão. Porém, para Jesus, Jerusalém será lugar do silêncio da morte e até do silêncio de Deus que não o livra (Lc 23, 35). Jesus rompe o próprio silêncio, antes de morrer, e conversa com o ladrão: “ainda hoje estarás comigo no paraíso” (v. 43). Grita um forte grito ao Pai, em oração de confiança: “Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito” (v. 46) e expira.

Vale para a morte na cruz o que valeria na entrada de Jerusalém a declaração do Mestre: “Se eles se calarem, as pedras gritarão” (Lc 19,40). Coube ao oficial do exército romano, dizer em primeiro lugar: “De fato! Este homem era justo! ” (Lc 23, 47).  Caberá a nós, seguidores e imitadores do Mestre, dizer ao mundo e à história tais acontecimentos pelos quais Jesus garante nossa salvação.  A cruz de Cristo evangeliza quando anunciamos sua morte e ressurreição.

Cabe-nos igualmente testemunhá-lo como Justo Sofredor cujo sacrifício nos resgata do pecado e da morte e do qual Deus dissera pelo profeta: “ Ele oferece sua vida como sacrifício do pecado… Meu servo, o justo, fará justos inúmeros homens, carregando sobre si suas culpas” (Is 53,10-11). O próprio Jesus, na quinta-feira santa, deu o sentido sacrifical de sua morte e institui-lhe a memória eucarística: “Este é o meu sangue, o sangue da Aliança, que é derramado em favor de muitos para remissão dos pecados ” (Mt 26,28).

Quanto à Vigília Pascal já é a festa celebrada em vários tons e sons. Coroa a Semana Santa. Após a Liturgia da Luz, a Igreja celebra a Liturgia da Palavra, recordando as maravilhas da criação, a libertação do êxodo e a promessa messiânica. Segue-se a Liturgia Batismal com a bênção da água e a renovação das promessas batismais. Enfim, tudo culmina na Liturgia Eucarística, encontro com o Vivente no mistério da sua presença. Ele, causa de nossa alegria.

Na Santa Vigília, faremos o itinerário das mulheres, Maria Madalena, Joana e Maria, mãe de Tiago, entre outras que estavam com elas. Ir ao túmulo, levando perfumes, prova de amor. Voltar para anunciar a notícia aos apóstolos a respeito do túmulo vazio com o anúncio do anjo: “Ele não está aqui”. Ressuscitou! ” (Lc 24,6), dois momentos de um trajeto espiritual.

COM AMOR, PARTICIPEMOS DO TRÍDUO PASCAL DA PAIXÃO E RESSURREIÇÃO DO SENHOR!

“Não mereciam ser ouvidos, pois não procuravam a verdade e a justiça”


Palavras do Bispo Diocesano de Iguatu, D. Edson de Castro sobre o evangelho deste domingo de 07 de abril.

 

Diocese de Iguatu |Alimentar o sonho e o desejo de libertação no exílio da Babilônia significava dar ânimo à esperança de reconstruir o povo e a nação e o culto. Por isso, o profeta, de modo poético, afirma da parte de Deus: “Eis que vou fazer coisas novas e que já estão surgindo: acaso não as reconheceis? Pois abrirei uma estrada no deserto…” (Is 43, 19).

Abrir estrada significa alimentar a profecia em ato, a esperança da libertação possível e o futuro próximo. Por isso, é necessária a advertência: “Não relembreis coisas passadas, não olheis para fatos antigos” (v. 18), ainda que fossem a abertura do mar e a passagem dos hebreus a pé enxuto. O povo se ergueria, agora, olhando para frente, mesmo diante das dificuldades, pois Deus já faz uma realidade nova, no deserto: “correr rios na terra seca” (v. 20). O Deus da vida recria. O Deus da Aliança dá de beber ao seu povo sedento (v. 20).

Jesus também abriu um novo caminho para a mulher surpreendida em adultério (Jo 8,1-11). Colocando-nos na cena como observadores, unimo-nos às pessoas reunidas em torno de Jesus. Para seus ouvintes, Ele abre um novo caminho de compreensão. Sentado e ensinando, Jesus comporta-se como mestre (v. 2). Se entrarmos na cena, acolheremos seu ensinamento que abre para nós um caminho novo de aceitação da lei nova: “amai-vos uns aos outros como Eu vos amei” (Jo 15, 12).

Os mestres da lei e os fariseus trouxeram a mulher adúltera. Colocam-na no meio deles. A cena constrange a mulher posta no centro dos olhares. Será julgada ou melhor já está condenada à morte pelo apedrejamento, segundo a aplicação da lei antiga que os presentes conheciam bem e os acusadores defendem.

Na verdade, quem está em uma espécie de tribunal é Jesus e seu ensinamento e atitudes para com os pecadores. O evangelista desmascara a perfídia dos mestres da lei e dos fariseus na pergunta: “Que dizes tu? Perguntavam apenas para experimentar Jesus e terem motivo de o acusar” (v. 5-6).

Tratava-se de uma farsa, de um pretexto legal. Talvez por isso, Jesus inclinou-se e começou a escrever com o dedo no chão. Parecia ignorá-los. Não mereciam ser ouvidos, pois não procuravam a verdade e a justiça. Eram apenas acusadores com outras intenções. Enfim, Jesus se ergue, pois persistiam em interroga-lo. Responde envolvendo os próprios acusadores: “Quem não tiver pecado seja o primeiro a atirar-lhe a pedra” (v. 7). Subitamente, passam a ser juízes de si mesmos, da própria consciência. Por isso, todos se retiram a começar dos mais velhos.

O final da cena é igualmente surpreendente. O mestre dialoga e não julga. Diz: “Mulher, onde estão eles? Ninguém te condenou? … Eu também não te condeno” (v. 10-11). Não compactua com o pecado, mas dá uma nova oportunidade para a adúltera. Abre-lhe um caminho novo: “podes ir e, de agora em diante, não peques mais” (v. 11).

Abrir caminhos é a meta do discípulo libertado do farisaísmo hipócrita e do legalismo acusador. Abrir caminhos é possibilitar mudanças na vida das pessoas que erram, sem acusa-las, julgá-las  ou humilhá-las. Abrir caminhos é a arte de facilitar a recuperação de quem precisa ou pede ajuda. Abrir caminhos é oferecer oportunidades de vida nova a quem peca.

Motivos de Festa


Palavras do Bispo Diocesano de Iguatu, D. Edson de Castro sobre o evangelho deste domingo de 31 de março.

Diocese de Iguatu | Deus falara pela boca de Joel: “voltai para mim com todo o vosso coração…rasgai o coração…voltai para o Senhor, vosso Deus…inclinado a perdoar” (Jl 2, 12-13). Trata-se de comovente apelo à conversão. O motivo de confiança é o fato de Deus ser inclinado a perdoar.

A parábola do filho pródigo ou do pai misericordioso, a mais bela de todas, acentua tanto a bondade de Deus, capaz de perdoar, quanto a atitude do filho, impelido a retornar à casa paterna ao se encontrar na precariedade. Precisaria rasgar o próprio coração, o amor próprio e a vergonha, reconhecendo seu estado miserável e aceitar o perdão. Precisava confiar e retornar.

A parábola diz tudo por si mesma. Não precisa de explicação. No entanto, é possível acentuar alguns elementos até de ordem psicológica, mediante alguma descrição dos três personagens:  o filho mais novo, o filho mais velho e o pai. É útil ilustrá-los pela meditação criativa. Possibilita entrarmos na cena com proveito.

Podemos considerar a situação do mais novo e (ou) do mais velho, ambos afastados do pai. Um se afastou para longe para esbanjar a própria vida no simbolismo dos bens.  Outro, embora residindo com o pai, afastou-se do irmão que voltou e do pai que o aceitou. A misericórdia o escandalizara. Feriu sua compreensão de justiça: “tu nunca me deste um cabrito para eu festejar com os meus amigos” (Lc 15, 29). O texto diz “ficou com raiva”, não com inveja.  Raiva do pai pela injustiça sofrida. Porém, é aparente a injustiça, pois, o pai explica seu amor partilhado: “tu estás sempre comigo, tudo que é meu é teu” (v. 31)

Quanto ao filho mais novo, não foi fácil voltar. Foi muito incômodo. Foi bastante custoso. A parábola demostra o aspecto oneroso da conversão. Daí a figura do itinerário de volta à semelhança de um caminho a ser percorrido até a hora da decisão. Começa no íntimo do coração. “Caiu em si e disse: Quantos, empregados na casa de meu pai têm pão com fartura, e eu aqui, morrendo de fome. Vou-me embora, vou voltar para meu pai” (v. 17-18). A certeza em ter um pai e de poder retornar é, então, fundamental para que se encorajasse a voltar.

No seu íntimo, planejava dizer: “Pai, pequei contra Deus e contra ti; já não mereço ser chamado teu filho. Trata-me como a um dos teus empregados”. Dificílimo conviver com o relacionamento ferido, a aliança quebrada, a ausência de merecimento. Só podia pedir ser aceito como empregado e ser bem tratado como tal. Um simples pedinte. Mendigo.

Quanto ao pai, ama gratuitamente, incondicionalmente. Avistou-o de longe e quando estava chegando, sentiu compaixão do filho. O pai também se volta para o filho, em certo sentido. A parábola acentua: “Correu-lhe ao encontro, abraçou-o e cobriu-o de beijos” (v. 20).

Deveríamos parar para experimentar a ternura de Deus, entrando na cena. Não bastava um beijo. O transbordamento da graça -do amor gratuito- que é a própria ternura divina explica o abraço na soma de beijos. O restante é complemento necessário: a entrega da veste, do anel, das sandálias, a preparação do banquete, o relacionamento reatado. O pai festeja mais do que todos: “este meu filho estava morto e tornou a viver; estava perdido e foi encontrado” (v. 24).

 Com esta parábola, o quarto domingo da quaresma festeja o fruto alegre da Páscoa. Aliás, desde a antífona de entrada: “Alegra-te, Jerusalém! ” (Is 66, 10). Também a oração do dia pede a Deus que o povo cristão corra ao encontro das festas que se aproximam…exultando de fé. O salmo de resposta é um canto de exultação: “bendirei o Senhor em todo tempo, seu louvor estará sempre em minha boca. Minha alma se gloria no Senhor” (Sal 53). São motivos de festa.

Ir à Missa é “remédio para melhorar a saúde física e mental”, assegura cientista de Harvard


(ACI).- Em uma coluna publicada no jornal americano ‘USA Today’, Tyler J. VanderWeele, professor de epidemiologia na Universidade de Harvard, e John Siniff, especialista em comunicações, qualificaram a participação regular na Missa como um “remédio para melhorar a saúde física e mental”.

O artigo do ‘USA Today’, intitulado “A religião poderia ser um medicamento milagroso”, aponta os resultados de um estudo liderado por VanderWeele e publicado em maio de 2016 na prestigiosa revista de psiquiatria JAMA Psychiatry, da Associação Americana de Medicina.

O estudo, intitulado “Associação entre assistência a serviços religiosos e menores taxas de suicídio entre mulheres norte-americanas”, concluiu que “a participação frequente nos serviços religiosos estava associada com uma taxa significativamente mais baixa de suicídio”.

VanderWeele e Siniff assinalaram que “a saúde e a religião estão muito ligadas” e, de acordo com o estudo publicado em meados deste ano, os adultos que vão à Missa pelo menos uma vez por semana, em comparação com aqueles que nunca vão, “apresentam um menor risco de morte na próxima década e meia”.

“Os resultados foram replicados em suficientes estudos e populações para ser considerados bastante confiáveis”, asseguraram.

Embora garantiram que “a ciência não se adere a uma fé ou outra, nem sugere o que a sociedade deve fazer com essa informação”, destacaram que tanto a sociedade como cada pessoa poderiam aproveitar estes resultados.

“Os meios informativos, a academia e o público em geral poderiam usar esta nova compreensão do grande valor social da religião”, indicaram. Já para cada pessoa, “esta investigação convida não tão sutilmente a reconsiderar o que a religião pode fazer por eles”.

As pessoas que participam da Missa, assinalaram, “estão menos propensas a fumar, ou mais propensos a parar de fumar, causando benefícios significativos para a saúde”.

Além disso, destacaram, “a investigação de Harvard e outras indicam que, possivelmente devido a uma mensagem de fé ou esperança, pessoas que participam da Missa são mais otimistas e têm menores taxas de depressão. A investigação de Harvard também mostrou que esta participação protege contra o suicídio”.

“Outros descobriram que as pessoas que vão à igreja asseguram ter um propósito maior na vida e desenvolvem mais autocontrole”.

Enquanto alguns norte-americanos substituíram a participação da Missa, que “é vista como ‘pitoresca e antiquada’, pela “espiritualidade”, VanderWeele e Siniff reforçaram que ir à igreja, e não a uma “espiritualidade privada ou prática solitária”, geram benefícios para a saúde.

“Algo na participação religiosa comunitária parece ser essencial”, assinalaram.

Participar da Missa, disseram, “demostrou que aumenta a probabilidade de um matrimônio estável, aumenta o sentido próprio de significado e se estende à própria rede social”, assim como “leva a maiores doações caritativas e um maior voluntariado e compromisso cívico”.

VanderWeele e Siniff destacaram que “algo na experiência e participação religiosa comunitária é importante. Algo poderoso parece suceder aí e melhora a saúde”.

“Isto tem importantes implicações para o grau em que a sociedade promove e protege as instituições religiosas”, entre outros, assinalaram.

Crisma seguida de Missa Pontifical é realizada em Brasília na Festa da Santíssima Trindade


Teve lugar ontem, em Brasília, celebração do sacramento do Santo Crisma em concordância com os livros litúrgicos reformados por S. João XXIII seguida por Missa Pontifical também pelo Missal de S. João XXIII, dito mais propriamente de São Pio V – ou, para ser mais preciso, na forma extraordinária do Rito Romano.

A frente da festiva celebração esteve o Bispo Auxiliar de Brasília S. Exa. D. José Aparecido Gonçalves que a realizou na Capela Nossa Senhora das Dores administrada pelo zeloso padre do Instituto do Bom Pastor (IBP) o reverendo padre Daniel Pinheiro. É o que informa o site Missa Tridentina em Brasília.

No site afirma-se que “Após a curta, mas profunda e frutuosa cerimônia de Crisma, tivemos a graça excelsa de mais uma Missa Pontifical Solene no Faldistório. Que coisa tremenda ver o céu se abrir diante dos nossos olhos, como se já estivéssemos na liturgia que os anjos e santos tributam a Deus na vida eterna.

Em tom de agradecimento a publicação do ocorrido encerra-se da seguinte maneira:

Agradecemos a Dom José Aparecido, bispo auxiliar de Brasília, e a Dom Sérgio, nosso Arcebispo. Por obra da providência, é hoje também o dia Dedicação da Catedral de Brasília, o que nos obriga a cumprir com mais afinco o dever de rezar pela Arquidiocese e pelos seus pastores.

Fotos publicadas retiradas do site Missa Tridentina em Brasília.

PSL Cedro

Deus acima de tudo e Cedro para todos!

FSSPX - Portugal

Tudo por amor a Jesus Cristo, Nosso Senhor.

O Legado d'O Andarilho

opiniões, considerações políticas e religiosas.

Roberta Acopiara's Blog

Just another WordPress.com weblog

Blog do Curso Técnico em Informática do IFCE - Campus Iguatu

Blog do Curso Técnico em Informática do IFCE - Campus Iguatu

pregarevangelho

Só mais um site WordPress.com

:.:Paródias da Professora Décia:.:

Paródias de uma professora cedrense!

Fratres in Unum.com

Ecce quam bonum et quam jucundum habitare fratres in unum.

Compartilhar é preciso.

Sinta-se livre para conhecer, aprender e compartilhar

§|Olhar Católico|§

Um Olhar Católico sobre o mundo!

Pacientes na tribulação

Apologética católica

Grupo S. Domingos de Gusmão

Fiéis Católicos de Maringá

Missa Tridentina em Brasília

Santa Missa no Rito Romano Tradicional

Vida, dom de Deus

Gratiam tuam, quaesumus, Domine, mentibus nostri infunde; ut qui, angelo nuntiante, Christi Filii tui encarnationem cognovimus, per Passionem eius et Crucem, ad Resurrectionis gloriam perducamur. Per eumdem Christum Dominum nostrum. Amen.

%d blogueiros gostam disto: