O “crente” que foi pro céu


O “crente” que foi pro céu (cordel)

 

“Tem um “crente” aqui no céu!!!”
E a confusão se deu,
todos perguntavam: “Onde???”
O alerta se ascendeu,
a milícia foi chamada
pra ver onde se escondeu.

 

Logo o Anjo Gabriel,
deu a ordem de prisão,
e a busca e captura
foi em toda direção,
a primeira testemunha
deu-lhes esta descrição:

 

“Ele era baixo e gordo,
tinha um paletó lascado”.
Logo o anjo desenhista
fez um retrato falado,
e no céu distribuiu
com a cara do safado.

 

E os anjos comentavam,
fazendo especulação:
“será o  Edir Macedo?
Ou a bispa Sônia, então?
Ou R.R. Soares,
com a sua enganação?”
Era grande o comentário
no meio da multidão.

 

Disse o apóstolo Paulo:
“aqui não pode entrar
os que são de divisão,
é bom deles se afastar,
esses não servem a Cristo,
existem pra dispersar”. …………………..(Rm 16,17-18)

 

Pedro disse: ”esses indoutos
de Escrituras na mão
pegam os pontos difíceis
fazem deles confusão
distorcendo as Escrituras
pra a própria perdição.” ———(2 Pd 3,16) Continue lendo »

Belo artigo do prof. Orlando – Montfort


Do gol de bicicleta à onipotência suplicante

Orlando Fedeli
 
“La gloria di Colui Che tutto move,
Per l ‘universo penetra e risplende
in una parte più e meno altrove”
 
(Dante, Divina Commedia, Paradiso I, 1-3).
              
“A glória dAquele que tudo move,
pelo universo penetra e resplandece,
numa parte mais e menos noutra”.
 
Esse magnífico terceto com que Dante inicia o primeiro canto de seu Paradiso é um dos mais belos da Divina Comédia e é prenhe de sabedoria. Com efeito, Deus, ato puro, move todas as coisas criadas, concedendo-lhes participação em graus e formas diversas em suas qualidades, fazendo-as passar de potência a ato.
 
Tudo o que se move, isto é, todas as criaturas compostas de ato e potência só podem se mover por uma ação de Deus, ato puro e, por isso mesmo, onipotente, que lhes permite passar de potência de uma qualidade para a posse daquela mesma qualidade em ato, normalmente por meio de uma causa eficiente segunda ou, por vezes, pela ação direta de Deus, causa eficiente primeira.
 
Parece haver uma contradição ao dizer que Deus, ato puro sem potência alguma, é também onipotente. Isto, porém, é correto porque, em Deus, não há potência passiva. Deus não pode receber qualidade alguma, porque possui todas as qualidades em ato e, portanto, tem todas as qualidades em grau máximo, não podendo perdê-las, nem aumentá-las e nem tê-las diminuídas.
 
E como Ele tem todas as qualidades em ato, Ele é capaz de transmitir essas qualidades a outros seres, que tenham potência para recebê-las, em forma e medida variada. Todo ser que tem uma qualidade em ato é capaz de atuar, passando a qualidade que possui em ato a outro ser que tenha potência de recebê-la. Assim, o fogo é quente em ato, e a panela tem potência de ser aquecida. Desse modo, o fogo aquece a panela passando-lhe calor, na medida e na forma em que a panela é capaz de receber essa qualidade.
 
Deus, tendo todas as qualidades em ato em grau absoluto, tem toda potência ativa de transmitir essas qualidades. Por isso Ele é onipotente ativo.
 
Portanto, temos que distinguir potência passiva de potência ativa.
 
Deus não tem nenhuma potência passiva. Deus tem toda potência ativa. Por isso, o Ato puro é Onipotente.
 
Toda potência, por assim dizer, deseja ser atualizada. E o ato, por assim dizer, deseja transmitir sua qualidade ao que está em potência para ela.
 
Ato e potência desejam-se mutuamente. Pode-se dizer, analogicamente, é claro, que o ato ama a potência, querendo passar-lhe um bem, e a potência deseja ser atualizada pelo ato.
 
Assim, é o amor que tudo move.
 
Por isso, o mesmo Dante finaliza a Divina Comédia, dizendo em seu último verso: “Amor che move Il Sol e le altre stelle”.
 
”Amor que move o Sol e as outras estrelas” (Dante, Divina Commedia, Paradiso, XXXIII, 143).
 
É o amor de Deus que tudo move.
 

São João da Cruz e Santa Tereza de Jesus nos ensinam


SÃO JOÃO DA CRUZ

Ora, importa saber que, não obstante poderem ser obras de Deus os efeitos extraordinários que se produzem nos sentidos corporais, é necessário que as almas não queiram admitir nem ter segurança neles; antes é preciso fugir inteiramente de tais coisas, sem querer examinar se são boas ou más. Porque quanto mais exteriores e corporais, menos certo é que são de Deus. Com efeito, é mais próprio de Deus comunicar-se ao espírito, e nisto há para a alma mais segurança e lucro, do que ao sentido, fonte de freqüentes erros e numerosos perigos. O sentido corporal, nessas circunstâncias, faz-se juiz e apreciador das graças espirituais julgando-as tais como sente. No entanto, há tanta diferença entre a sensibilidade e a razão como entre o corpo e a alma, e na realidade, o sentido corporal é tão ignorante das coisas espirituais como um jumento o é das coisas racionais, e mais ainda.” (JOÃO DA CRUZ. Subida ao Monte Carmelo. Livro II, capítulo XI, 2. Rio de Janeiro: Vozes, 1998, p. 217) Continue lendo »

Publicado em RCC. Tags: , , , , , . 1 Comment »

Sobre a falsa acusação de idolatria


Gostaria de pedir licença para escrever o seguinte para os caríssimos irmãos separados que aqui chegam:

Sobre a falsa acusação de idolatria:

1º erro dos protestantes: não sabem fazer a distinção entre veneração e idolatria.

Venero MARIA, a Quem amo muitíssimo, muito mais que a mim mesmo! VENERO, porque do meu coração par MARIA, vem a maior forma de respeito e amor que e posso ceder a um ser humano, que é criatura, portanto. Ajoelhar-se diante de Sua imagem é igualemnte venerá-la, pois eu o faço por respeito e amor que lhe são corretamente tributados, uma vez que Aquela Criatura é a própria MÃE de DEUS! Sua imagem a representa, e DEUS mesmo se alegra e muito com toda a homenagem feita à Ela, mesmo que seja ajoelhar-se diante de Sua imagem.

Se vocês procurarem na história de José vendido pelos irmãos aos egípcios, verão que seus irmãos se prostraram diante dele quando ainda não sabiam quem ele era. Eles se prostraram como a um ídolo? Certamente que não. Se prostraram por respeito e não por adoração. Continue lendo »

Para a RCC: Falar em línguas hoje – é de Deus?


Autor: Emerson de Oliveira
Fonte: http://www.veritatis.com.br/article/5517/falar-em-linguas-hoje-e-de-deus

“AS ESCRITURAS ensinam que o batismo do espírito, evidenciado pelo falar em línguas, é para a verdadeira igreja hoje”, afirma o ministro pentecostal Marvin A. Hicks.

“A doutrina básica do falar em línguas é antibíblica e errada”, contende o Dr. W. A. Criswell, da Primeira Igreja Batista de Dallas, EUA. Ele acrescenta: “Se essa for a fé cristã, então eu não sou cristão.”

Diante de tal controvérsia sobre a prática do falar em línguas, você talvez se pergunte: ‘O que dizem as Escrituras sobre o dom de línguas? Faz isto parte do cristianismo hoje?’ Para obtermos as respostas, será de proveito entender por que foi concedido o dom de línguas aos primitivos cristãos.

POR QUE FOI CONCEDIDO O DOM

Em primeiro lugar, o apóstolo Paulo explica em Hebreus 2.2-4 que os dons milagrosos, que incluiriam o dom de línguas, foram concedidos aos cristãos do primeiro século para confirmar que o favor de Deus havia-se transferido do antigo arranjo judaico de adoração para a recém-estabelecida Igreja cristã. A transferência do favor divino ficou bem firmada por volta da última parte do primeiro século, enquanto alguns dos apóstolos de Jesus Cristo ainda viviam.

Que o dom de línguas também serviu para outro propósito, pode-se ver nas palavras de Jesus aos seus discípulos, pouco antes de sua ascensão ao céu em 33. Ele disse: “mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra.” (Atos 1:8) O pequeno grupo de discípulos não incluía pessoas que falavam as línguas de toda a parte da terra. Mas, em harmonia com a promessa de Jesus, cerca de 10 dias depois, no dia festivo de Pentecostes, o Espírito Santo foi derramado sobre cerca de 120 de seus discípulos reunidos num quarto de andar superior, em Jerusalém. Qual foi o resultado? “Principiaram a falar em línguas diferentes”, e assim puderam começar a executar imediatamente a obra designada de dar testemunho. — Atos 2.1-4. Continue lendo »

Por acaso o Papa diz:"Repousem e orem em línguas que ninguém entente!"? Acho que não! Nunca disse e nem dirá! Nem Bento XVI e nem um outro Papa!


O ESPÍRITO SANTO JAMAIS PROVOCA A PERDA DA CONSCIÊNCIA

por Daniel André

 

   Espírito Santo

Caro católico, muito provavelmente você ouviu falar num tal de ‘repouso no espírito’, prática muito comum entre os pentecostais, e agora difundida em meios católicos por muitos adeptos da RCC. Sim, é aquela loucura em que a pessoa perde a consciência e cai no chão. Os adeptos dessa prática, contra toda tradição bíblica e apostólica, defendem com unhas e dentes sua legitimidade. Mas pode ser a perda da consciência sinal de ação do Espírito Santo? A tradição da Igreja diz que não. A perda da consciência jamais é provocada pelo Espírito Santo. Recorrendo aos padres gregos, ficaremos com o testemundo do mestre alexandrino, Orígenes. Mestre dos Padres gregos, Orígenes, ensinava que a inspiração divina jamais provoca a perda da consciência.  

“O Espírito dita às conciencias, mas Deus respeita o livre-arbítrio”. Orígenes combatia sempre a idéia de que sobreviesse ao extasiado uma perda da consciência, como acontecia comumente nos centros pagãos de consulta aos oráculos de sua época. A ‘divindade’ apoderava-se da Pitonisa pensavam os gregos.

Mas Orígenes, assim como os demais Padres da Igreja, viam na perda da conciencia uma prova da presença dos demônios, que se apossavam da alma para escravizá-la, pois, a presença do Espírito agudiza a consciência.

Orígenes expôe sua objeção aos oráculos gregos quando refere, a respeito da pitonisa, que ” profetizar até entrar em êxtase, numa atitude louca, sem que ela tenha de nenhuma maneira consciência dela mesma, não é obra do Espírito divino.” (Orígenes, Contra Celso, VII,3).

O demônio podia disfarçar-se em anjo de luz, donde o empenho do mestre alexandrino em que as consciências se mantivessem sempre claras e alertas e ‘exercitadas no discernimento do bem e do mal’ (Heb 5, 14), assim como no ‘discernimento dos espíritos’ (1Cor 12,10) para saber de quem lhes vinha a inspiração e sugestões.

Mas este discernimento não podia acontecer sem a ação do Espírito Santo, visto ser um carisma. Orígenes, comentando a inspiração profética, diz que “o toque daquele que chamamos Espírito Santo nas suas almas, tornava suas inteligências mais perspicaces e suas almas mais límpidas.” (Orígenes, Contra Celso, VII, 4)

Fontes:

MONTEIRO, Alina Torres. Os sentidos espirituais no comentário ao cântico dos cânticos de Orígenes, Universidade Católica Editora, Lisboa, 2004, p.348)
ORÍGENES, Contra Celso. ed. Paulus.

Feliz e Verdadeira Páscoa 2009!


Aos amigos e colegas de trabalho,

 

Desde a Criação o homem foi preparado para passar (fazer sua páscoa) para a Eternidade, e desde então ele aspira esta Eternidade, pois foi feito à “imagem e semelhança” (Cf. Gn1, 26) de Seu Eterno Criador.

E isto não foi mudado, ele continua destinado à Eternidade, no entanto houve um gravíssimo erro de utilização de um dos muitos presentes recebidos, o Livre Arbítrio. O homem decidiu por sir só rejeitar a Verdade negando a sua existência, negando e esquecendo a Sua Palavra para escutar uma palavra estranha: “Oh, não! – tornou a serpente – vós não morrereis (…) e sereis como deuses” (Cf. Gn3, 4-5).

Pior ainda o homem quis se tornar “a” Verdade e é por isso que A nega. Mas como disse, apesar disso, a Eternidade é o seu destino, e logo após o seu pecado vem a grande promessa: “Porei ódio entre ti e a mulher, entre a tua descendência e a dela. Esta te ferirá a cabeça, e tu ferirás o calcanhar” (Gn3, 15), a única inimizade louvável é a entre os seguidores da geração da serpente e os seguidores da Geração da Mulher, pois dela veio O que esmagará a cabeça da serpente mentirosa que ensina o homem a querer ser como Deus e a negar a Verdade.

Durante séculos a serpente feriu o homem, e os sacrifícios ofertados a Deus não o agradavam e nem remiam a Primeira Culpa. Mas Deus não se esquece de Suas promessas e de uma Mulher, a Nova Eva, nasce o Novo Adão (Cf. ICor15, 21-22), aquele que aceita a Verdade e não se revolta contra Ela, pois assim como a Nova Eva que diz: “Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra” (Lc1, 38) o Novo Adão reafirma: “Meu Pai, se não é possível que este cálice passe sem que eu o beba, faça-se a tua vontade!” (Mt26, 42). Ele por amor a Sua Criação se doou por inteiro: “sabendo Jesus que chegara a sua hora de passar deste mundo ao Pai, como amasse os seus que estavam no mundo, até o extremo os amou” (Jo13, 1).

A Paixão e Morte de Jesus na Cruz e sua Ressurreição é a VERDADEIRA PÁSCOA! Mas infelizmente ainda hoje o homem, os da geração da serpente, continua a negar esta Verdade: “[O Verbo] era a verdadeira luz que, vindo ao mundo, ilumina todo homem. Estava no mundo e o mundo foi feito por ele, e o mundo não o reconheceu. Veio para o que era seu, mas os seus não o receberam” (Jo1, 9-11). Desvirtuam a Páscoa como tempo disso e daquilo, de “sentimentos” bons, com coelhinhos de chocolate para enganar crianças e marmanjos, ocultando o nome da Verdade, pois não a suportam! Bebedeiras de vinho, festas intituladas de “aleluia”, com as velhas e falsas promessas da serpente! Tudo para quê? Para não receber a Verdade!

E você, caro colega de trabalho, amigo, conhecido, irmão…? E você? A qual geração você pertence? À geração que reconhece a Bem-Aventurada (Cf. Lc1, 48) e com ela segue a Cristo desde seu nascimento, passando pela Cruz á glória da Ressurreição? Ou à geração que nega a Verdade, que prefere o bem bom do sentimentalismo religioso, ou do ateísmo materialista,ou ainda da presunção iluminista com sua falsa “liberdade, igualdade e fraternidade”?

Não caiamos em sopros de doutrinas que pregam uma busca constante e infinita da verdade, que apesar de admitir sua existência, nega a possibilidade de alcançá-la. Caros colegas, a Verdade existe e é palpável: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida” (Jo14, 6), e negá-la é cair no Primeiro Erro, não busca-la e ocultá-la, também é. Não existe um tal arquiteto “projetista do mundo” que não está nem aí pra nós, tampouco nós não somos capazes de sozinhos tudo fazer. Pelo contrário, há Um Único Deus em substância, em Três Pessoas infinitamente Santas, sob o véu do Mistério da Santíssima Trindade, Nele tudo podemos e fora Dele nada fazemos, pois Neste é que está a verdadeira liberdade de servos/escravos de Deus, igualdade de submissão a Ele, e fraternidade por sermos filhos adotivos do Pai Criador, conquistados pelo Filho Redentor e auxiliado pelo Espírito Santificador.

É, pois com estas palavras que desejo a todos uma Santa, Feliz e Verdadeira Páscoa, Passagem da Morte para a Vida, em Cristo Nosso Senhor!

Que Deus os abençoe e Maria nos guarde!

A todos desejo a paz de Jesus e o amor de Maria!

Atenciosamente, 

 Moisés Gomes de Lima

“A concórdia não é uniformidade de opiniões, mas concordância de vontades” (S. Tomas de Aquino).

 

"Dialogando" com o protestantismo


Virgem Maria
Prezados leitores, publicamos a seguir os comentários de uma protestante feito ao post “Virgindade de Maria“. Logo após seu comentário vem a nossa resposta. Reparem que quando derrotada em um assunto, logo muda-se de assunto. 

Protestante:

A PAz Irmão,
Você acha que essa discussão vale a pena? Quando na verdade só desviam o foco do principal personagem bíblico Jesus? O Espírito Santo que habitou em Paulo é o Mesmo que habita em mim, o Espírito Santo que habitou em Pedro é o mesmo que habita em mim. (por isso afirmo que posso ser uma simples pescadora, ou “pedreiro” e mesmo assim ler a bíblia e pedindo em oração que o Espírito do Senhor me dê discernimento eu interprete da maneira que deseja o Senhor) Apos ler e aprender… Eu posso cumprir o mandamento que diz: Ide e pregai o evangelho a toda Criatura da maneira que o Senhor através do Espírito Santo tem me ensinado, mesmo sendo uma simples pescadora ou preciso ser doutora da lei?
Caro irmão em Cristo, se Maria teve ou não outros filhos após Jesus, não importa, de verdade não importa, pois o Foco e a essência de nossa vida é Jesus Cristo.     Continue lendo »

Latim e Devoção a Maria


O latim é tão importante que foi uma das 3 línguas em que foi escrita a causa da condenação de Jesus e colocada na sua cruz (Jo 19,20). Assim no Oriente o rito litúrgico continuou com o grego como língua oficial. No ocidente (Roma), o grego foi cedendo lugar ao Latim, até que no quarto século, a Igreja de Roma foi definitivamente latinizada (cf. A. G. Martimort ed; La Chiesa in preghiera, Collegeville, 1992, I, p. 161-165).

A Igreja fixou sua Sede em Roma, onde o Latim era a língua falada. Além disso como as línguas vivas as palavras mudam constantemente de significado, a Igreja elegeu o Latim como língua oficial, pois sendo língua-morta, não está sujeita às mudanças. E a Verdade conservada pela Igreja precisa permanecer inalterada através dos tempos.

Quanto ao culto a Maria:

Ora, o culto a Maria é bíblico. Nós repetimos na Ave-Maria as palavras do Arcanjo Gabriel. É só ler Lc 1, 26ss…

E a proclamamos bem-aventurada…(Lc 1, 45.48). E Isabel cheia do Espírito Santo a proclamou mãe de Deus: “Donde me vem esta honra de vir a mim a mãe de meu Senhor?”(Lc 1,43). Sabemos que os judeus usavam o nome “Senhor”(Kyrios), para se referir a Deus, pois não pronunciavam por respeito o nome YAWEH.(Confira os tetos onde “Senhor”= Deus: Mt 1,20; 1,22; Lc 1,38; 1,45; 1,58; 2,22; 2,24; 2,39; 4,18…e centenas de outros. Continue lendo »

Jesus nasceu! Quando… No Natal ora…


Por Vittorio Messori
Tradução: pensaBEM.net
Fonte: Corriere della Sera, 9 de Julho de 2003

Devo corrigir um erro que cometi. Aconteceu que num momento de mau humor, desejei – precisamente num meu artigo – que a Igreja se decidisse a fazer uma alteração no calendário: que transferisse para o dia 15 de Agosto aquilo que celebra no dia 25 de Dezembro. Um Natal no deserto estivo – argumentava eu – libertar-nos-ia das insuportáveis iluminações, dos enjoativos trenós com renas e Pais Natais, e até da obrigação de mandar cartões de Boas Festas e prendas. De facto, quando todos estão fora, quando as cidades estão vazias, a quem – e para onde – mandar cartões de Boas Festas e embrulhos enfeitados de fitas e laçarotes? Não são os próprios Bispos que trovejam contra aquela espécie de orgia consumista a que se reduziram as nossas Festas de Natal? Então, “fintemos” os comerciantes: passemos tudo para o dia 15 de Agosto. A coisa – observava eu – não parece ser impossível: de facto, não foi a necessidade histórica, mas sim a Igreja a escolher o dia 25 de Dezembro para contrastar e substituir as festas pagãs nos dias do solstício de Inverno: colocar o nascimento do Cristo em lugar do renascimento do Sol Invictus. No início houve, portanto, uma decisão pastoral, mas esta pode ser mudada, consoante as necessidades.

Era uma provocação, obviamente, mas que se baseava naquilo que é (ou, melhor, que era) pacificamente aceite por todos os estudiosos: a colocação litúrgica do Natal é uma escolha arbitrária, sem ligação com a data do nascimento de Jesus, a qual ninguém estaria em condições de poder determinar. Ora bem, parece que os especialistas se enganaram mesmo; e eu, obviamente, com eles. Na realidade, hoje – graças também aos documentos de Qumran* – estamos em condições de poder estabelecê-lo com precisão: Jesus nasceu mesmo num dia 25 de Dezembro. Uma descoberta extraordinária a sério e que não pode ser alvo de suspeitas de fins apologéticos cristãos, dado que a devemos a um docente judeu, da Universidade Hebraica de Jerusalém.

Procuremos compreender o mecanismo, que é complexo, mas fascinante. Se Jesus nasceu a 25 de Dezembro, a sua concepção virginal ocorreu, obviamente 9 meses antes. E, com efeito, os calendários cristãos colocam no dia 25 de Março a Anunciação do Anjo S. Gabriel a Maria. Mas sabemos pelo próprio Evangelho de S. Lucas que, precisamente seis meses antes, tinha sido concebido por Isabel, João, o precursor, que será chamado o Baptista. A Igreja Católica não tem uma festa litúrgica para esta concepção, mas a Igreja do Oriente celebra-a solenemente entre os dias 23 e 25 de Setembro; ou seja, seis meses antes da Anunciação a Maria. Uma lógica sucessão de datas, mas baseada em tradições não verificáveis, não em acontecimentos localizáveis no tempo. Assim acreditávamos todos nós, até há pouquíssimo tempo. Mas, na realidade, parece mesmo que não é assim.

De facto, é precisamente da concepção do Baptista que devemos partir. O Evangelho de S. Lucas abre-se com a história do velho casal, Zacarias e Isabel, já resignado à esterilidade – considerada uma das piores desgraças em Israel. Zacarias pertencia à casta sacerdotal e, um dia, em que estava de serviço no Templo de Jerusalém, teve a visão de Gabriel (o mesmo anjo que aparecerá seis meses mais tarde a Maria, em Nazaré), o qual lhe anunciou que, não obstante a idade avançada, ele e a mulher iriam ter um filho. Deviam dar-lhe o nome de João e ele seria grande «diante do Senhor».

Lucas teve o cuidado de precisar que Zacarias pertencia à classe sacerdotal de Abias e que quando teve a aparição «desempenhava as funções sacerdotais no turno da sua classe». Com efeito, no antigo Israel, os que pertenciam à casta sacerdotal estavam divididos em 24 classes, as quais, alternando-se segundo uma ordem fixa e imutável, deviam prestar o serviço litúrgico no Templo, por uma semana, duas vezes por ano. Já se sabia que a classe de Zacarias – a classe de Abias – era a oitava no elenco oficial. Mas quando é que ocorriam os seus turnos de serviço? Ninguém o sabia. Ora bem, o enigma foi desvendado pelo professor Shemarjahu Talmon, docente na Universidade Hebraica de Jerusalém, utilizando investigações desenvolvidas também por outros especialistas e trabalhando, sobretudo, com textos encontrados na Biblioteca essena de Qumran. O estudioso conseguiu precisar em que ordem cronológica se sucediam as 24 classes sacerdotais. A de Abias prestava serviço litúrgico no Templo duas vezes por ano, tal como as outras, e uma das vezes era na última semana de Setembro. Portanto, era verosímil a tradição dos cristãos orientais que coloca entre os dias 23 e 25 de Setembro o anúncio a Zacarias. Mas esta verosimilhança aproximou-se da certeza porque os estudiosos, estimulados pela descoberta do Professor Talmon, reconstruíram a “fileira” daquela tradição, chegando à conclusão que esta provinha directamente da Igreja primitiva, judaico-cristã, de Jerusalém. Esta memória das Igrejas do Oriente é tão firme quanto antiga, tal como se confirma em muitos outros casos.

Eis, portanto, como aquilo que parecia mítico assume, improvisamente, uma nova verosimilhança – Uma cadeia de acontecimentos que se estende ao longo de 15 meses: em Setembro o anúncio a Zacarias e no dia seguinte a concepção de João; seis meses depois, em Março, o anúncio a Maria; três meses depois, em Junho, o nascimento de João; seis meses depois, o nascimento de Jesus. Com este último acontecimento, chegamos precisamente ao dia 25 de Dezembro; dia que não foi, portanto, fixado ao acaso.

Sim, parece que festejar o Natal no dia 15 de Agosto é coisa não se pode mesmo propor. Corrijo, portanto, o meu erro, mas, mais que humilhado, sinto-me emocionado: depois de tantos séculos de investigação encarniçada, os Evangelhos não deixam realmente de nos reservar surpresas. Parecem detalhes aparentemente inúteis (o que é que importava se Zacarias pertencia à classe sacerdotal de Abias ou não? Nenhum exegeta prestava atenção a isto) mas que mostram, de improviso, a sua razão de ser, o seu carácter de sinais duma verdade escondida mas precisa. Não obstante tudo, a aventura cristã continua.

Nota:

* Os manuscritos de Qumran foram descobertos em 1947, perto das margens do Mar Morto, na localidade de Qumran, localidade onde a seita hebraica dos Essénios tinha nos tempos de Jesus a sua sede principal. Os manuscritos foram encontrados em ânforas, provavelmente escondidos pelos monges da seita, quando tiveram de fugir dos romanos provavelmente entre 66 e 70 d. C. Aqueles pergaminhos deram-nos os textos de quase todos os livros da Bíblia copiados de dois a um século antes de Jesus e perfeitamente coincidentes com os que são usados hoje pelos hebreus e pelos cristãos(cfr. Hipóteses sobre Jesus, Porto, Edições Salesianas, 1987, p. 101)

Festa de Nsa. Sra. das Graças!


4ª. Noite de Novena – 20/11/2008

Tema: “Discípulos e Missionários enviados a anunciar o Evangelho da Paz e da Justiça“.

Amados irmãos que celebram durante estas nove noites a aparição de Nossa Senhora à jovem Santa Catarina, da cidade de Labouré-França, que a paz de Jesus e o amor de Maria estejam com todos nós!

“Em uma tarde de sábado, no dia 27 de novembro de 1830, na capela das Irmãs Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo, Santa Catarina Labouré teve uma visão de Nossa Senhora. A Virgem Santíssima estava de pé sobre um globo, segurando com as duas mãos um outro globo menor, sobre o qual aparecia uma cruzinha de ouro. Dos dedos das suas mãos, que de repente encheram-se de anéis com pedras preciosas, partiam raios luminosos em todas as direções e, num gesto de súplica, Nossa Senhora oferecia o globo ao Senhor.”.

Com esta aparição e muitas outras, Nossa Mãe se mostra fiel ao Evangelho que acabamos de ler. Ela que permaneceu fiel, e esteve com Seu Amado Filho, desde sua Santa Concepção, passando pelo seu Santo Nascimento, até a sua morte na Cruz. É por isso, amados irmãos, que a Milagrosa Medalha que ela nos manda usar tem cunhado não somente o Sacratíssimo Coração de Nosso Senhor Jesus Cristo, mas também o seu coração, traspassado por uma lança de dor como havia professado o velho Simeão (cf. Lc2, 35). E fiel a Boa Nova de seu Filho, ela não abandona a Cruz, tampouco os apóstolos, seus filhos entregues na própria Cruz (Jo19, 26) e se faz presente com eles no dia de Pentecostes (At1, 14), e ainda hoje não cessa de orar e interceder por nós! Continue lendo »

Ser Como Anjos


Fonte: Permanência

Prática em dia do Arcanjo S. Miguel

Padre Manuel Bernardes

 Angeli eorum in Caelis semper vidents faciem Patris mei (Matth. 18)

 I

 

Se aos Anjos festejam neste dia os homens, não sei eu melhor modo de os festejar do que aspirando os homens a ser Anjos. Não pareça temerária a pretensão; por quanto o que não pode a natureza, pode a graça. E para que os fundamentos desta verdade se entendam, ouçam a seguinte história, que se bem no modo de referir-se parecerá nova, na substância é a mais antiga que há no mundo.

 

No princípio criou Deus o Céu, e a terra: fez a luz dividindo-a das trevas: criou aos Anjos, e formou aos brutos animais. Chegou o sexto dia, e disse em sua mente: Agora hei de fazer uma criatura, que seja um resumo das mais, e um mundo abreviado: Formavit igitur Dominus Deus hominem de limo terrae, et in spiravit in faciem spiraculum vitae (Gen. 2, 7). Esta criatura pois foi o homem, composto de corpo e alma, corpo que lhe formou do limo, alma que saiu da boca de Deus. E ficou o homem quanto ao corpo sendo terra, e quanto à alma Céu: por aquela parte sendo trevas, e por estoutra luz: pela primeira semelhante a bruto, e pela segunda semelhante a Anjo. E havendo Deus de sinalar-lhe habitação, quis que fosse aquele lugar onde o Céu e a luz confinam com a terra, e trevas que é a superfície da terra; e dando-lhe estatura reta, disse: Com a parte ínfima de teu corpo, que são os pés, pisarás a terra; e com a parte suprema, que é a cabeça, olharás para o Céu, e buscarás com o discurso: se obrares racionavelmente como Anjo, tua alma levantará consigo o corpo ao Céu: se obrares irracionavelmente como bruto, o teu corpo abaterá consigo a alma ao inferno.

Continue lendo »

Ser Como Anjos (parte II)


II

 

Quanto à primeira que é a Castidade, esta parece tocou o nosso texto naquelas palavras: Angeli eorum semper vident faciem Patris mei. Os Anjos, diz Cristo, sempre estão vendo a face de meu Pai. Porque não disse a face de Deus, senão a face de meu Pai; quando o que beatifica os Anjos, não é a vista da face de Deus só enquanto Pai, e primeira pessoa, senão a face de Deus enquanto Deus, e todas três? Assim é; mas um dos deleites que os Anjos recebem na face de Deus, é ver como sendo Pai, é juntamente Virgem: e à sua imitação para encarnar seu Filho lhe escolheu uma Mãe também Virgem. Por onde dizer Cristo verdadeiro Deus, e homem: a face de meu Pai: faciem Patris mei; foi tocar nestas duas gerações as mais castas, que pode haver: uma eterna, segundo a qual é filho da Virgem, sem pai porque, ainda que Pai e Mãe geraram a Cristo perfeitamente, foi com pureza castíssima. E esta maravilha estão os Anjos vendo com excessivo deleite na face de Deus Padre: Angeli eorum semper vident faciem Patris mei.

  Continue lendo »

Ser Como Anjos (parte III)


III

 

Sendo logo a castidade virtude que faz aos homens semelhantes a Anjos; qual é a razão porque seguem o contrário vício que os faz semelhantes a brutos? Oh grande lástima; que podendo qualquer de nós ser homem com semelhança de Anjo, se faça bruto só com aparência de homem! Verdadeiramente um homem que não ama a castidade, só no exterior é homem: porque a alma se lhe faz como material, grossa e escura, de modo que já parece que não pertence às cadeiras dos Anjos, e à luz do Céu, senão às masmorras tenebrosas do inferno. E assim como na Escritura, os castos tem nome de Anjos, assim os luxuriosas tem nome de animais. Disse-o o Apóstolo São Tadeu, onde falando destes tais, diz: Quaecumque autem naturaliter, tanquam muta animalia, norunt, in bis corrumpuntur (Jud. 5, 11). E a causa diti tinha apontado o mesmo Apóstolo dizendo: Dei nostri gratiam transferentes in luxuriam: Que os tais trocavam a graça de Deus pelo seu apetite; e se a graça de Deus, como ao princípio dizíamos, é a que transfere o homem em Anjo; que havia de fazer quem desprezou a graça pelo seu apetite, senão transformar-se em bruto: tanquam muta animalia.

 

Mas já eu não estou tão mal com os que caem por sua própria miséria, como com os que fazem cair pelo escândalo que dão. Que lhe não baste ao homem pecar, senão que também há de fazer pecar aos outros? Que se não contente um ímpio com ser filho da perdição, e discípulo da maldade, se também não for pai e mestre dela? Miséria é esta digna do sentimento e gemidos do mesmo Deus: Vae mundo à scandalis: Ai do mundo, assolado com escândalos, exclama Cristo no Evangelho de hoje. E se bem todas as virtudes padecem escândalos no mundo, esta da caridade como mais mimosa, e delicada os padece muito mais. É o mundo um campo, como lhe chama S. Ambrósio. São os escândalos espinhos, como os compara S. Jerônimo: e é a castidade açucena, como disse São Bernardo. E mal pode neste campo, entre tantos espinhos, deixar de magoar-se esta açucena. Nec enim (diz o mesmo São Bernardo) vel levissimam spinae sustinet ullatenus punctionem floris teneritudo. Os trajos pouco honestos, que estão peitando os olhos para que atendam, e fazendo à alma vendável o seu pecado: eis aí um espinho que lastima a flor da castidade. Os livros obscenos e vãos, que não sei como no princípio trazem licença para se imprimir, e mais se imprimem na alma para a escurecer, do que na oficina para saírem à luz: eis aí outro espinho, e outro escândalo. As pinturas indecentes, que estão com vozes mudas e permanentes, pregando mundo e carne e liberdade em lugar de penitência, e seus artífices lhe hão de pagar o preço do inferno: eis aí outro escândalo. As comédias, escolas de esgrima onde se joga a espada preta do pecado, para que depois saibam julgar a branca: mais outro escândalo. As palavras torpes e licenciosas, que agora se usam em lugar das orações e canções pias da cartilha que se ouviam pelas ruas em tempo do Padre Mestre Ignácio Martins; e são jaculatórias do diabo com que atira pelas janelas dentro: Ascendit mors per fenestras: mais outro escândalo. Os maus conselhos e companhias dos chamados amigos, mas na verdade inimigos, pois são confederados do demônio para perverter as almas: mais outro escândalo; aí da açucena da castidade tão cercada de espinhos: Vae mundo à scandalis.

  Continue lendo »

Ser Como Anjos (parte IV)


IV

 

A outra virtude que faz os homens semelhantes a Anjos, é o amor de Deus exercitado por freqüentes atos de presença sua. Angeli eorum semper vident faciem Patris mei. Os Anjos (diz Cristo) sempre estão vendo a face de Deus. Se sempre estão vendo, sempre estão amando; porque da vista da fermosura infinita, necessariamente procede o seu amor. E assim como o Sol no mesmo ponto em que difunde a luz, imprime o calor; assim aquele Sol incriado, no mesmo ponto em que ilustra os entendimentos, abrasa as vontades.

 

Mas se os homens não vemos a Deus, como vêem os Anjos, como os podemos imitar no exercício do amor? Não vemos cara a cara, mas vemos por fé, que também é luz, ainda que mais escassa. Excitando em nós esta fé, também excitaremos o amor; e destes atos de fé e amor continuados, consta o exercício que chamamos da presença de Deus: o qual bem freqüentado, de um homem faz um Anjo; porque no seu tanto faz o que os Anjos fazem; que é ver e amar a Deus: Angeli eorum semper vident faciem Patris mei.

  Continue lendo »

Ser Como Anjos (parte V)


V

 

Mas reparará alguém naquela palavra Semper: Sempre. Como pode um homem frágil andar sempre na presença de Deus? Respondo que assim como há Anjos de mais ou menos alta jerarquia, assim há homens que participam mais ou menos a semelhança dos Anjos. As jerarquias dos Anjos puros espíritos distinguem-se por estar mais ou menos perto de Deus. E as dos anjos humanos distinguem-se por andar mais ou menos tempo, com mais ou menos fervor em sua presença. Quem andar sempre, será Serafim, porque anda, porque anda mui perto. Quem não puder ser Serafim, seja de outra ordem inferior. Mas estejamos certos que o uso facilita muito este exercício, e a graça de Deus muito mais. O Padre Carlos Condren, Prepósito Geral da Congregação do Oratório em França, ainda quando antes de ser Sacerdote andava ocupado com negócios do século, não perdeu em muitos anos a presença de Deus mais que oito, nove vezes por intervalo brevíssimo, como consta da sua confissão geral manuscrita. E veio a ser Serafim tão abrasado no amor divino, que se lhe quebraram as costelas pela mesma causa que a meu Patriarca São Felipe Neri. A Venerável Madre Maria Victória, fundadora das Freiras da Anunciada, que chamam as Celestes, de tal modo tinha o ânimo pregado na presença de Deus, que a não divertiam as ocupações, nem colóquios com outras pessoas. E se se distraía um pouco, só com esta palavra Amor de Deus, como com fogo chegado à pólvora, se acendia novamente. O servo de Deus Gregório Lopes, por muitos anos contínuos, quantas vezes respirou, tantas disse falando com Deus: Seja feita a vossa vontade, assim na terra como no Céu. Estas e outras semelhantes maravilhas facilitou o uso continuado e os auxílios da graça de Deus bem aproveitados. E por isso estas pessoas saíram na pureza de vida verdadeiramente Anjos.

  Continue lendo »

PSL Cedro

Deus acima de tudo e Cedro para todos!

FSSPX - Portugal

Tudo por amor a Jesus Cristo, Nosso Senhor.

O Legado d'O Andarilho

opiniões, considerações políticas e religiosas.

Roberta Acopiara's Blog

Just another WordPress.com weblog

Blog do Curso Técnico em Informática do IFCE - Campus Iguatu

Blog do Curso Técnico em Informática do IFCE - Campus Iguatu

pregarevangelho

Só mais um site WordPress.com

:.:Paródias da Professora Décia:.:

Paródias de uma professora cedrense!

Fratres in Unum.com

Ecce quam bonum et quam jucundum habitare fratres in unum.

Compartilhar é preciso.

Sinta-se livre para conhecer, aprender e compartilhar

§|Olhar Católico|§

Um Olhar Católico sobre o mundo!

Pacientes na tribulação

Apologética católica

Grupo S. Domingos de Gusmão

Fiéis Católicos de Maringá

Missa Tridentina em Brasília

Santa Missa no Rito Romano Tradicional

Vida, dom de Deus

Gratiam tuam, quaesumus, Domine, mentibus nostri infunde; ut qui, angelo nuntiante, Christi Filii tui encarnationem cognovimus, per Passionem eius et Crucem, ad Resurrectionis gloriam perducamur. Per eumdem Christum Dominum nostrum. Amen.

%d blogueiros gostam disto: