Tatuagens, moral e a Bíblia – Prof. Carlos Ramalhete


Alguns hoje, para condenar as tatuagens, citam Lv 19,28. Isso entra naquela
questão de leis morais e leis cerimoniais?

Evidentemente. Os próprios judeus reconhecem isso, aliás. O sábio judeu Maimônides (freqüentemente citado por S. Tomás como autoridade em assuntos judaicos, aliás; S. Tomás o chama “Rabi Moisés”, por ser seu nome hebraico Moisés Ben-Maimon) escreveu no Livro das Leis sobre a Idolatria da Mishné Torá (editada em português pela Imago, ISBN 85-312-0226-4; os números de página se referem a esta edição):

“É proibido seguir os costumes dos não-judeus ou imitá-los (…), como está escrito: ‘Não seguireis os costumes das nações’ (Lc 20,23), ‘Não seguireis suas leis’ (Lv 18,3), e ‘Acautela-te para que não te deixes seduzir a segui-los'(Dt 12,30). Todos estes textos referem a um tema e alertam contra a sua imitação. O judeu, ao contrário, deve diferenciar-se deles e ser reconhecido pelo modo de se trajar e por suas outras atividades, assim como está separado deles por seu conhecimento e seus princípios. E assim está escrito: ‘E Eu vos separei de todos os povos (Lv 20,26).” (XI,1, p. 248)

“A tatuagem, mencionada na Torá (Lv 19:28) (…) era o costume dos ateus que costumavam marcar a si mesmos para a idolatria, e dizer que o tatuado era um escravo vendido ao ídolo e marcado para o seu serviço.” (XII,11 – p. 254)

Esta lei cerimonial, como aliás todas elas, tem um sentido simbólico: ela serve para evitar que se confunda o judeu com um idólatra. O seu equivalente hoje em dia seria, por exemplo, uma proibição às católicas de andar vestida de mãe-de-santo, com turbante, roupas brancas e colares coloridos de  “guias”.

Mesmo isso, contudo, não existe. Não existe por uma razão muito simples: a
Lei de Moisés é uma lei preparatória, uma lei que serve para conduzir a Cristo, que já veio! Na Nova Aliança não temos este tipo de lei, pois o seu papel (ensinar que há diferença entre o Deus verdadeiro e os ídolos, etc.) já foi mais que cumprido. Querer cumprir este tipo de lei preparatória é como querer que motocicletas tenham rodinhas do lado, como as bicicletas de criança.

Além da falta de senso da Fé de quem sequer cogita seguir uma “proibição”  dessas “porque tá na Bíblia” (uma Bíblia não deveria jamais ser deixada ao alcance de alguém assim despreparado, aliás), isso pode levar a um pecado gravíssimo: o puritanismo.

O puritanismo moderno é oriundo de algumas seitas inglesas (que perturbaram tanto a paciência de seus conterrâneos que foram expulsos para a América; são os “peregrinos” que chegaram aos EUA no barco Mayflower), mas a tendência ao puritanismo é uma tendência comum de nossa natureza marcada pelo Pecado Original, e deve ser duramente combatida. O puritano acha que é “santo”, que tem “as regras”, e não só segue estas regras à letra (a mesma “letra que mata”, aliás), como fica atazanando a paciência de quem não as segue e acusando de pecado tudo o que, em seu puritanismo, ele resolve que é. Os puritanos modernos tendem a ser anti-tabagistas e anti-álcool, mas qualquer coisa vagamente mal-vista (ou vagamente divertida ou bonita… Mencken dizia que o puritano é alguém que fica roxo de raiva só de pensar que alguém, em algum lugar, está se divertindo…) pode ser alvo deste tipo de fanático perigoso. Este erro é especialmente perigoso por ser ao mesmo tempo um pecado pessoal gravíssimo e um incentivo ao pecado nos outros. O puritano não se cansa enquanto não faz os outros se sentirem culpados por coisas que não são em absoluto pecaminosas (o que já é meio caminho andado para tornar-se outro puritano), e se compraz em sua idéia de ser mais santo que os outros.

Recomendo, aliás, ler o excelente artigo de Chesterton sobre a moral americana (leia-se puritanismo). Segue um excerto e sua tradução:

===

The standard of abstract right and wrong apparently is this. That a girl by smoking a cigarette makes herself one of the company of the fiends of hell. That such an action is much the same as that of a sexual vampire. That a young man who continues to drink fermented liquor must necessarily be ‘evil’ and must deny the very existence of any difference between right and wrong.
That is the ‘standard of abstract right and wrong’ that is apparently taught in the American home. And it is perfectly obvious, on the face of it, that it is not a standard of abstract right or wrong at all. That is exactly what it is not. That is the very last thing any clear-headed person would call it. It is not a standard; it is not abstract; it has not the vaguest notion of what is meant by right and wrong. It is a chaos of social and sentimental accidents and associations, some of them snobbish, all of them provincial, but, above all, nearly all of them concrete and connected with a materialistic prejudice against particular materials. To have a horror of tobacco is not to have an abstract standard of right; but exactly the opposite. It is to have no standard of right whatever; and to make certain local likes and dislikes as a substitute.

Eis aparentemente o padrão abstrato de certo e de errado: que uma mocinha que fuma um cigarro faz-se parte das hostes infernais, que tal ação é praticamente a mesma de uma vampira sexual; que um rapazote que continua bebendo bebidas quentes deve necessariamente ser “mau” e negar a própria existência de qualquer diferença entre certo e errado. Este é o “padrão abstrato de certo e errado” que aparentemente é ensinado em uma casa americana. É perfeitamente óbvio, quando o vemos, que não se trata de padrão de certo ou errado algum; isto é exatamente do que não se trata, é a última coisa que qualquer um que tenha a cabeça no lugar diria que isso seja. Não é um padrão, não é abstrato e não tem a mais vaga noção do que signifiquem certo e errado. É uma bagunça de associações e acidentes sentimentais e sociais, alguns esnobes, todos provincianos, mas, acima de tudo, praticamente todos concretos e ligados a um preconceito materialista contra alguns materiais particulares. Ter horror a tabaco não é um padrão abstrato do que é certo, mas exatamente o oposto; é não ter padrão algum do que seja certo, e usar alguns gostos e repulsas em seu lugar.

===

É exatamente isto o que ocorre com tatuagens, também, ou com qualquer outra maluquice que os puritanos vejam com maus olhos (como, sei lá, cabelos pintados de azul). Os judeus não tinham tatuagens por uma razão muito simples: eles estavam aprendendo a separar certo e errado, estavam aprendendo a não ser idólatras em um mundo em que o monoteísmo só existia ali, com eles. Os idólatras usavam tatuagens? Então os judeus não usavam. Os idólatras usavam cavanhaque? Então os judeus não aparavam os cantos da barba. Os idólatras faziam isso ou aquilo? Então os judeus não.

Não se tratava de atos maus em si, apenas de atos que traziam um significado
diferente aos olhos de quem estava em torno (“tatuagem é coisa de idólatra; este tatuado é judeu, logo é possível ser idólatra e judeu ao mesmo tempo”). É exatamente a mesma coisa que faz com que nenhum de nós, por exemplo, se precisar jogar fora algumas velas, pratos de barro e restos de comida, não
vai fazer uma obra de arte moderna na encruzilhada: todo mundo que passar
vai ter certeza de que o que se está fazendo é macumba!

No caso dos judeus, eles estavam aprendendo o que para nós parece óbvio (ou alguém aqui anda vestido de mãe-de-santo só porque acha chique o turbantão branco?), e por isso Deus precisou especificar uma montoeira de regrinhas,  que se fossem hoje incluiriam não usar turbante branco com colares coloridos. Tomar isso fora de contexto para substituir gostos e repulsas por um padrão do que é certo ou errado é um erro gravíssimo.

Como explicar isso de forma mais completa para os que condenam tatuagens?

Mande-os guardar a Bíblia no fundo do fundo do fundo mais fundo de uma gaveta trancada e não chegar perto de novo antes de ter lido, estudado e entendido o Catecismo inteiro mais todos os documentos citados nas notas de pé de página e a Suma Teológica inteira. Ah, e um bom tratado de Teologia Moral. Alguém capaz de condenar tatuagens em nome de Deus, mais ainda apelando a uma tremenda incompreensão da Sagrada Escritura, seus fins, sua história e seu uso, decididamente não é católico. Colocar uma Bíblia nas mãos de alguém assim é como dar uma coleção de giletes a uma criança pequena.

©Professor Carlos Ramalhete – livre cópia na íntegra com menção do autor

O que significa “Igreja Católica”?


Se alguém lhe interrogar sobre sua religião, creio eu que você será pronto em responder: “-sou católico!”. O triste é que após essa pergunta vem logo outra: “-praticante?”. Mas o que quero analisar nesse breve artigo não é isso (quem sabe em outro), mas sim sobre a palavra católico. Também não é sobre o que é ser católico, mas restritamente, o significado desta palavra, e, para ser fiel ao título deste artigo, o siginificado de “Igreja Católica”.

Na Bíblia encontraremos a palavra “igreja”  85 vezes, e todas elas no Novo Testamento. A primeira vêz que esta palavra é citada na Bíblia é por nada mais, nada menos que Nosso Senhor Jesus Cristo, veja:
E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela.” (Mt. 16, 18)

Recorrendo ao Catecismo da Igreja Católica, e esta sitação você poderá encontrar também lendo o post sobre Ser Igreja, temos que:
A palavra “Igreja” [“ekklésia”, do grego “ekkaléin” – “chamar fora”] significa “convocação”. Designa assembléias do povo, geralmente de caráter religioso. (…) Ao denominar-se “Igreja” a primeira comunidade dos que criam em Cristo se reconhece herdeira dessa assembléia. (CIC 751)

Então fica bem claro, que a palavra Igreja significa chamado, convocação, no nosso caso, convocados/chamados por Jesus Cristo. Aí entramos na segunda palavra: Católica.

Chamados por Jesus para fazer o quê e a quem? Êis a resposta:

Ide, pois, e ensinai a todas as nações; batizai-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.” (Mt. 28, 19)

“(…)e ensinai a todas as nações” ou seja a todo mundo, ao universo. Jesus confia a Sua Igreja sua missão, seu chamado, sua convocação de anunciar o Evangelho, repito, ao universo, e é aí que por este motivo sua Igreja recebe o nome de Igreja Católica. Ainda não ficou claro né. Lendo esta citação do Catecismo da Igreja Católica ficará melhor de entender:

• A palavra “católica” significa “universal” no sentido de “segundo a totalidade” ou “segundo a integralidade”. (…) (Confira CIC 830)” e consequentemente “Por ser “convocação” de todos os homens para a salvação, a Igreja é, por sua própria natureza, missionária enviada por Cristo a todos os povos para fazer deles discípulos. (CIC 767)

Repito mais uma vês: “A palavra “católica” significa “universal” .

 

Unindo então, caros leitores, o significado da palavra Igreja à palavra Católica temos que ela é “convocação” de todos os homens para a salvação“.

E é exatamente por isso que na Bula Unam Sanctam de 1302, o papa Bonifácio VIII diz: “Una, santa, católica e apostólica: esta é a Igreja que devemos crer e professar já que é isso o que a ensina a fé. Nesta Igreja cremos com firmeza e com simplicidade testemunhamos. Fora dela não há salvação, nem remissão dos pecados, como declara o esposo no Cântico: “Uma só é minha pomba sem defeito. Uma só a preferida pela mãe que a gerou” (Ct 6,9). Ela representa o único corpo místico, cuja cabeça é Cristo e Deus é a cabeça de Cristo.

Tendo em vista o expoto, se alguém se deparar com você e lhe interrogar: “-Onde existe a palavra católica na Bíblia?” você estará pronto a responder “-Leia Mt. 28, 19, e lá você verá, não a palavra católica, mas o seu significado:Universal, a todas as nações

Que Maria, Nossa Senhora, Nossa Mãe e Mãe da Igreja de Jesus Cristo, interceda por nós e pela salvação dos homens, Amém!

Qeu Deus nos abençoe e Maria nos guarde!

Moisés Gomes de Lima, catquista da Paróquia de S. João Batista, Cedro-CE.

O “crente” que foi pro céu


O “crente” que foi pro céu (cordel)

 

“Tem um “crente” aqui no céu!!!”
E a confusão se deu,
todos perguntavam: “Onde???”
O alerta se ascendeu,
a milícia foi chamada
pra ver onde se escondeu.

 

Logo o Anjo Gabriel,
deu a ordem de prisão,
e a busca e captura
foi em toda direção,
a primeira testemunha
deu-lhes esta descrição:

 

“Ele era baixo e gordo,
tinha um paletó lascado”.
Logo o anjo desenhista
fez um retrato falado,
e no céu distribuiu
com a cara do safado.

 

E os anjos comentavam,
fazendo especulação:
“será o  Edir Macedo?
Ou a bispa Sônia, então?
Ou R.R. Soares,
com a sua enganação?”
Era grande o comentário
no meio da multidão.

 

Disse o apóstolo Paulo:
“aqui não pode entrar
os que são de divisão,
é bom deles se afastar,
esses não servem a Cristo,
existem pra dispersar”. …………………..(Rm 16,17-18)

 

Pedro disse: ”esses indoutos
de Escrituras na mão
pegam os pontos difíceis
fazem deles confusão
distorcendo as Escrituras
pra a própria perdição.” ———(2 Pd 3,16) Continue lendo »

Crise de pederastia na Igreja em 1.001 palavras e a resposta de Bento XVI


Por Marc Argemí*

ROMA, segunda-feira, 26 de abril de 2010 (ZENIT.org).- O New York Times (NYT) publica (12/3/10) que em 1980 a arquidiocese de Munique e Freising, sendo Joseph Ratzinger bispo, acolheu e finalmente reincorporou um sacerdote acusado de abusar sexualmente de crianças.

O padre perpetrou mais tarde novos abusos e foi processado. Como se demonstrou depois, quem tomou a decisão de readmitir não foi Ratzinger, mas o vigário geral: a reinserção aconteceu em setembro de 1982, quando Ratzinger já estava em Roma. No dia 5/03/10, tenta-se implicar o irmão de Ratzinger, mas a acusação não se sustenta.

A resposta de Bento XVI

Bento XVI (19/03/10) escreve uma carta aos bispos da Irlanda sobre os abusos a crianças e jovens por parte de clérigos, destapados pelos informes Murphy (julho de 2009) e Ryan (maio de 2009). A Irlanda é o segundo país após os Estados Unidos onde se investiga a fundo.

Na carta, Bento XVI aponta 8 causas deste desastre: 1) inadequada reposta à secularização, 2) descuido de práticas sacramentais e devocionais (confissão frequente, oração diária e retiros anuais), 3) tendência a adotar formas de pensamento e julgamento sem referência suficiente ao Evangelho, 4) tendência a evitar enfoques penais das situações canonicamente irregulares, 5) procedimentos inadequados para determinar a idoneidade dos candidatos ao sacerdócio e à vida religiosa, 6) insuficiente formação humana, moral, intelectual e espiritual nos seminários e noviciados, 7) tendência social a favorecer o clero e outras figuras de autoridade e 8) preocupação fora de lugar pelo bom nome da Igreja e para evitar escândalos.

Às vítimas, disse: “sofrestes tremendamente e por isto sinto profundo desgosto. Sei que nada pode cancelar o mal que suportastes (…). É comprensível que vos seja difícil perdoar ou reconciliar-vos com a Igreja. Em seu nome expresso abertamente a vergonha e o remorso que todos sentimos. Ao mesmo tempo peço-vos que não percais a esperança”. Aos sacerdotes e religiosos que abusaram de crianças: “por isto deveis responder diante de Deus omnipotente, assim como diante de tribunais devidamente constituídos”. Aos bispos: “não se pode negar que alguns de vós e dos vossos predecessores falhastes, por vezes gravemente, na aplicação das normas do direito canónico codificado há muito tempo sobre os crimes de abusos de jovens. Foram cometidos sérios erros no tratamento das acusações”.

Bento XVI propõe cinco medidas: 1) um ano de penitência, 2) redescobrir o sacramento da Reconciliação (a confissão), 3) fomentar a adoração eucarística, 4) uma Visita Apostólica (uma inspeção) em algumas dioceses, seminários e congregações religiosas, 5) uma missão para todos os bispos, sacerdotes e religiosos. Entre outras palavras: fazer a limpeza. 

Ainda mais

No dia 24/03/10, NYT aponta diretamente Bento XVI como responsável por um caso, quando ainda era cardeal: o de Lawrence Murphy, que abusos de crianças surdas nos anos 70 em Milwaukee e não foi condenado nem pela justiça ordinária nem pelo arcebispado. Como se viu depois, a falta de diligência na punição do malfeitor foi culpa do próprio arcebispado local: o caso não chegou ao Vaticano até os anos 90. A miopia da notícia jornalística pode-se explicar por erros de tradução e porque o artigo bebe de duas fontes: os advogados que denunciaram o arcebispado (um deles, Jeffrey Anderson, tem litígio aberto contra a Santa Sé) e o arcebispo emérito de Milwaukee, Rembert Weakland, no cargo quando tudo sucedeu.

A 2/2/10, Associated Press lançou outra acusação contra Bento XVI, cujas provas se demostraram falsas. A 9/4/10, voltou a artilharia do NYT, com mais acusaçõescom igual sorte.

Em resumo, as acusações contra a Igreja são três: 1) alguns sacerdotes católicos abusaram de crianças, 2) muitos bispos ocultaram e 3) Bento XVI seria pessoalmente responsável. Com dados na mão, o n.1 é, lamentavelmente, certo em uma ínfima minoria do coletivo; n. 2 se afirma em determinados prelados e n. 3 e totalmente falso.

As consequencias

Alguns pedem que se julgue o Papa por encobrimento e aproveitam para suspender o catolicismo em seu conjunto. Outros já haviam tentado, tempos atrás, usar os delitos de uns poucos para desacreditar toda a instituição. Alguns advogados tentam tirar proveito. Não faltam vozes amigas do Papa desde o judaísmo, o agnosticismo e, em geral, desde ambientes intelectuais. 

O Vaticano pôs sobre a mesa a informação que tem. Tal exercício de transparência chegou ao extremo de que o fiscal do Vaticano fale sobre os casos de abusos em uma entrevista documentada. A Santa Sé publicou os regulamentos pelos quais se julgam estes casos e abundante documentação.

Dentro da Igreja, tem havido partidários da ruptura e partidários da renovação. Ruptura: 1) algumas vozes reclamam uma revisão do celibato e da moral católica, ainda que especialistas e opinadores inclusive não católicos denunciem com dados a inexistência de tal vinculação causa-efeito, 2) expoentes antirromanos de certa idade reclamaram a demissão do Papa ou uma reforma.

Renovação: muitos aplaudiram o posicionamento de Bento XVI de tolerância zero, petição de perdão e penitência e conversão. Muitos católicos saíram da perplexidade buscando a verdade dos fatos. A operação limpeza iniciada anos atrás retomou impulso: desde a carta à Irlanda foram demitidos dois bispos irlandeses, um americano, um alemão, um norueguês e um belga. A liderança interna de Bento XVI é maior agora: percebe-se Bento XVI como parte da solução e não como parte do problema.

Além da Igreja, poucos priorizaram a proteção das vítimas e as medidas para acabar com a pederastia. É lamentável, tanto mais quando se constata que é um problema transversal: afeta mais gravemente muitos outros coletivos sociais. Países como Alemanha já o enfrentam globalmente. Alguns articulistas apontaram a culpa em que a extensão do fenômeno estivesse vinculada à revolução sexual dos anos 60 e sua simpatia declarada para a pedofilia.

EVANGÉLICOS FRAUDAM CHARGE DO VERITATIS


Charge original minha conforme publicada em http://blog.veritatis.com.br/index.php/2008/07/04/qual-banquinho-e-mais-estavel/

Charge descaradamente alterada conforme publicada em http://www.cpr.org.br/banquinho.htm

_______________________________________________

Recentemente, navegando pela Net descobri um site evangélico (http://www.cpr.org.br/banquinho.htm) fiquei estupefato pela forma degradante e desrespeitosa que os evangélicos fizeram com uma charge minha postada no http://blog.veritatis.com.br/. Eles MENTIRAM dizendo que fomos nós que copiamos de uma charge evangélica. Isso é totalmente falso, sendo que fui eu que fiz a charge do Veritatis e os evangélicos só a alteraram e alegaram isto depois.

Abaixo vou refutar as alegações do site Desafio às Seitas e logo após desmascarar a fraude protestante.

O texto do site protestante está em preto e minhas respostas em azul.

—————————————————————————————–

A charge abaixo foi retirada do site Veritatis Splendor, um site de apologia católico, e demonstra exatamente a importância que eles dão à Palavra de Deus.  

Bom, pelo menos aqui foram honestos. Sim, fui eu que inicialmente fiz a charge e a publiquei. Agora vamos ver se eles estão certos no que eles falam sobre como os católicos “dão valor à Bíblia”.

Viram como eles vêem a Bíblia?

Para eles – os católicos – só ela não é suficiente para sustentar, precisando, no caso, de ajuda.

Para eles a Palavra de Deus não completa, não encerra em si toda a verdade, não alimenta por si só.

Como diz o ditado popular: “Uma imagem vale mais do que mil palavras”.

Nada disso. A Igreja católica tem a Bíblia em mais alta estima que o protestantismo. A verdade está muito além da visão nublada que este escritor (pr. Neto Curvina, um batista que já debateu com o pessoal do Veritatis) quer impingir.

A desconchava alegação só parece verdadeira para quem não tem o mínimo de conhecimento da Palavra de Deus e da História cristã, quiçá da Igreja católica, a qual muitos pastores denigrem e fazem uma caricatura dela tal que os membros acham que o que eles falam é verdade dela. Vamos lá.

Para começar, vamos com o Catecismo: Continue lendo »

Saudação do Papa aos fiéis de língua portuguesa no Angelus de 25/11/09


Queridos irmãos e irmãs:

No século XII, a abadia de São Vítor, em Paris, contava entre os seus mestres Hugo e Ricardo, duas figuras exemplares de teólogos e filósofos crentes que se empenharam em mostrar a concórdia entre a razão e a fé. Hugo de São Vítor estimulava a uma sã curiosidade intelectual, considerando como o mais sábio quem tiver procurado aprender qualquer coisa de todos. Quem aprendeu o sentido da história descrito na Bíblia, sabe que as vicissitudes humanas não são guiadas por um destino cego, mas age nelas o Espírito Santo que suscita um diálogo maravilhoso dos homens com Deus, seu amigo. Deste Deus que é amor, fala Ricardo de São Vítor na sua obra sobre a Trindade. A divindade é como uma onda amorosa que jorra do Pai, flui e reflui no Filho para ser depois felizmente difusa no Espírito Santo. 

Bento XVI recorda que só a Igreja pode interpretar autênticamente a Bíblia


Bento XVI recorda que só a Igreja pode interpretar autenticamente a Bíblia

VATICANO, 26 Out. 09 (ACI) .- Ao receber aos membros do Pontifício Instituto Bíblico, com motivo do centenário de sua fundação, o Papa Bento XVI recordou que “à Igreja está confiada a tarefa de interpretar autenticamente a palavra de Deus” e pediu que “a Sagrada Escritura seja neste mundo secularizado não só a alma da teologia, mas também a fonte da espiritualidade e do vigor da fé de todos os crentes de Cristo”.

O Santo Padre saudou o Cardeal Zenon Grocholewski, Prefeito da Congregação para a Educação Católica, e manifestou sua gratidão ao Padre Adolfo Nicolás Pachón, superior geral da Companhia do Jesus “que, com notável esforço desdobra investimentos financeiros e recursos humanos na gestão da Faculdade de Antigo Oriente, da Faculdade Bíblica de Roma e da sede do Instituto em Jerusalém”. Também fez extensiva sua saudação ao reitor, professores e alunos do Instituto Bíblico.

Referindo-se ao centenário da fundação do Instituto por vontade do Papa Pio X, o Pontífice explicou que a data “constitui um ponto de chegada e ao mesmo tempo um ponto de partida. Enriquecidos com a experiência do passado, prossigam seu caminho com uma entrega renovada, conscientes do serviço que lhes pede a Igreja: aproximar a Bíblia à vida do Povo de Deus para que confronte adequadamente as provocações que os tempos modernos expõem à nova evangelização“.

“O desejo comum é que a Sagrada Escritura seja neste mundo secularizado não só a alma da teologia, mas também a fonte da espiritualidade e do vigor da fé de todos os fiéis de Cristo”, indicou.

Bento XVI recordou que a constituição dogmática “Dei Verbum”, do Concílio Vaticano II sublinhou no estudo bíblico “a legitimidade e a necessidade do método histórico crítico e de seus três elementos essenciais: a atenção ao gênero literário, o estudo do contexto histórico e o exame do que se costuma chamar Sitz im Lebem (a situação vital n.d.r.), (…) acrescentando outra indicação metodológica: Já que a Escritura é uma só coisa a partir do único povo de Deus, que foi seu portador através da história”.

“Portanto, ler a Escritura como uma unidade significa lê-la a partir da Igreja como seu lugar vital e considerar a fé da Igreja como a verdadeira chave de interpretação“, explicou.

“Se a exegese quiser também ser teologia deve reconhecer que a fé da Igreja é essa forma de simpatia sem a qual a Bíblia é um livro fechado; a Tradição não fecha o acesso à Escritura, ao contrário a abre. Por outra parte, é a Igreja, com seus organismos institucionais, a que tem a palavra decisiva na interpretação da Escritura. À Igreja, efetivamente, está confiada a tarefa de interpretar autenticamente a palavra de Deus, escrita e transmitida, exercendo sua autoridade em nome de Jesus Cristo“, concluiu.

 

>>Mais alguma dúvida senhores protestantes?

PSL Cedro

Deus acima de tudo e Cedro para todos!

FSSPX - Portugal

Tudo por amor a Jesus Cristo, Nosso Senhor.

O Legado d'O Andarilho

opiniões, considerações políticas e religiosas.

Roberta Acopiara's Blog

Just another WordPress.com weblog

Blog do Curso Técnico em Informática do IFCE - Campus Iguatu

Blog do Curso Técnico em Informática do IFCE - Campus Iguatu

pregarevangelho

Só mais um site WordPress.com

:.:Paródias da Professora Décia:.:

Paródias de uma professora cedrense!

Fratres in Unum.com

Ecce quam bonum et quam jucundum habitare fratres in unum.

Compartilhar é preciso.

Sinta-se livre para conhecer, aprender e compartilhar

§|Olhar Católico|§

Um Olhar Católico sobre o mundo!

Pacientes na tribulação

Apologética católica

Grupo S. Domingos de Gusmão

Fiéis Católicos de Maringá

Missa Tridentina em Brasília

Santa Missa no Rito Romano Tradicional

Vida, dom de Deus

Gratiam tuam, quaesumus, Domine, mentibus nostri infunde; ut qui, angelo nuntiante, Christi Filii tui encarnationem cognovimus, per Passionem eius et Crucem, ad Resurrectionis gloriam perducamur. Per eumdem Christum Dominum nostrum. Amen.

%d blogueiros gostam disto: