Resposta do Papa


Prezados visitantes do Olhar Católico publicamos a seguir fortes e verdadeiras palavras de S.S. Papa Bento XVI quanto a reação do levantamento da excomunhão dos bispos da Fraternidade Sacerdotal São Pio X. Alegro-me por tais palavras e manifesto minha total servidão e submissão ao Vigário de Cristo na terra. Que Deus abençoe e Maria guarde o Papa. Viva o Papa! Viva a Igerja!

CARTA DE SUA SANTIDADE BENTO XVI
AOS BISPOS DA IGREJA CATÓLICA
A PROPÓSITO DA REMISSÃO DA EXCOMUNHÃO
AOS QUATRO BISPO CONSAGRADOS 
PELO ARCEBISPO LEFEBVRE

 

Amados Irmãos no ministério episcopal!

remissão da excomunhão aos quatro Bispos, consagrados no ano de 1988 pelo Arcebispo Lefebvre sem mandato da Santa Sé, por variadas Continue lendo »

"Não há quem chore pelas criancinhas"


Fonte: http://www.permanencia.org.br/revista/atualidades/aborto.htm

Não há quem chore pelas criancinhas

Dom Lourenço Fleichman OSB

Bastou um bispo agir segundo a lei da Igreja e o mundo desabou numa enxurrada de blasfêmias e xingamentos. A mídia com sua supremacia apresenta a coisa com essa presunção típica de quem se acha todo-poderosa. Dom José Sobrinho virou carrasco, quando o crime foi cometido por terceiros.

Eis o quadro que se apresenta a qualquer pessoa de bom senso:


1- O bispo que confirmou a excomunhão automática por aborto era a autoridade competente para emitir essa sentença?
Constata-se que a pena de excomunhão ou a declaração dela é da competência do pastor eclesiástico das pessoas envolvidas. Nesse caso, o bispo diocesano ou o seu superior direto, o papa. Como é do conhecimento geral que Dom Sobrinho é o Arcebispo de Recife-Olinda, estamos, sim, diante da autoridade competente.


2- O ato praticado pelas pessoas ora declaradas excomungadas é, de fato, passível dessa grave pena, ou foi invenção do bispo?
De fato, o Direito da Igreja, chamado Direito Canônico, aplica a excomunhão automática, também chamada latae setentiae, para as pessoas que praticam ou que colaboram diretamente no ato de aborto.

Continue lendo »

Papa anula excomunhão de bispos ordenados por D. Lefebvre


DECRETO DA CONGREGAÇÃO PELOS BISPOS
 

Por meio da carta do dia 15 de dezembro de 2008, dirigida à Sua Eminência, Cardeal Dario Castrillón Hoyos, o presidente da Comissão Pontifical Ecclesia Dei, Dom Bernard Fellay em nome próprio e em nome dos outros três bispos sagrados no dia 30 de junho de 1988, solicitava novamente o levantamento da excomunhão latae sententiae formalmente declarada pelo Decreto do Prefeito desta mesma Congregação para os Bispos na data de 1 de julho de 1988. Na carta anteriormente mencionada, Dom Fellay afirmava, entre outras coisas: “Nós estamos também aferrados à vontade de permanecer católicos e de pôr todas as nossas forças a serviço da Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo, que é a Igreja Católica Apostólica Romana. Nós aceitamos seus ensinamentos filialmente. Nós cremos firmemente no Primado de Pedro e nas suas prerrogativas e é por isso que a situação atual nos faz sofrer tanto”.Sua Santidade Bento XVI – paternalmente sensível ao mal estar espiritual manifestado pelos interessados por causa da sanção de excomunhão e confiando no compromisso expressado por eles na carta citada de não poupar nenhum esforço para aprofundar nas necessárias conversações com as Autoridades da Santa Sé sobre as questões ainda abertas, e de poder deste modo chegar rapidamente à uma plena e satisfatória solução do problema posto na origem – decidiu reconsiderar a situação canônica dos Bispos Bernard Fellay, Bernard Tissier de Mallerais, Richard Williamson e Alfonso de Galarreta relativa à sua sagração episcopal.

Este ato expressa o desejo de consolidar as relações recíprocas de confiança, de intensificar e de tornar estáveis as relações da Fraternidade São Pio X com a Sé Apostólica. Este dom de paz, no fim das celebrações do Natal, quer ser também um sinal para promover a unidade na caridade da Igreja Universal e, deste modo, retirar o escândalo da divisão.

Desejando que este passo seja seguido sem demora da pela comunhão com a Igreja de toda a Fraternidade São Pio X, em testemunho de uma verdadeira fidelidade e de um verdadeiro reconhecimento do Magistério e da autoridade do Papa pela prova de uma unidade visível.

Conforme as faculdades que me foram expressamente concedidas pelo Santo Padre o Papa Bento XVI, em virtude do presente Decreto, eu levanto aos Bispos Bernard Fellay, Bernard Tissier de Mallerais, Richard Williamson e Alfonso de Galarreta a censura de excomunhão latae sententiae declarada por esta Congregação no dia 1 de julho de 1988, do mesmo modo que declaro sem efeitos jurídicos, a partir de hoje, o Decreto publicado naquela época.

Roma, da Congregação para os Bispos, dia 21 de janeiro de 2009

 

 .
Card. Giovanni Battista Re

Prefeito da Congregação pelos Bispos

[00145-01.02] [Texto original: Italiano, traduçao DICI http://www.dici.org ]

[Fonte: site do Vaticano em http://212.77.1.245/news_services/bulletin/news/23251.php?index=23251&lang=it ]

Bento XVI clama pelo retorno da comunhão de joelhos


BRINDINSI (AFP) – Depois da reabilitação da Missa “Tridentina” em latim e do reaparecimento das alvas rendadas, Bento XVI no Domingo foi um passo além trazendo de volta antigas práticas litúrgicas ao distribuir a comunhão aos fiéis que se ajoelhavam em um genuflexório.

Esse retorno à prática que caiu em desuso nos últimos 40 anos ocorreu durante uma Missa celebrada pelo Papa [em 15/06/2008] em Brindisi com cerca de 60.000 fiéis.

Bento XVI fez o mesmo em um Missa anterior no dia 22 de maio na Basílica de São Joao Laterano em Roma, mas o evento teve menos impacto uma vez que a congragação era bem menor.

Os fiéis que escolhiam receber a comunhão do Papa deviam se ajoelhar na frente dele em um genuflexório e receber a hóstia na boca.

Desde a reforma litúrgica do Concílio Vaticano Segundo (1962-65), a prática atual, considerada menos intimidadora, chama aos fiéis a receberem a hóstia (um pedaço não fermentado de pão dito ser “o corpo de Cristo”) de pé nas próprias mãos antes colocarem nas próprias bocas. Eles podiam ainda optar por receber a hóstia direto na boca, mas de pé.

A prática de se ajoelhar, que nunca foi banida, restou confinada em paróquias tradicionalistas.

Utilizando esta prática ele mesmo, Bento XVI pretende dar um exemplo para toda a Igreja – particularmente para o clero.

“Nós Cristãos nos ajoelhamos em frente ao Santíssimo Sacramento (a hóstia) porque, nele, nós sabemos e acreditamos ser a presença do único e verdadeiro Deus”, disse ele em 22 de maio.

“Eu estou convicto da importancia de dar a hóstia aos fiéis diretamente na boca sem eles tocarem nela” e “ao retorno da genuflexão durante a Comunhão como um sinal de respeito” ele adicionou.
(tradução: Associação Cultural Montfort)

PSL Cedro

Deus acima de tudo e Cedro para todos!

FSSPX - Portugal

Tudo por amor a Jesus Cristo, Nosso Senhor.

O Legado d'O Andarilho

opiniões, considerações políticas e religiosas.

Roberta Acopiara's Blog

Just another WordPress.com weblog

Blog do Curso Técnico em Informática do IFCE - Campus Iguatu

Blog do Curso Técnico em Informática do IFCE - Campus Iguatu

pregarevangelho

Só mais um site WordPress.com

:.:Paródias da Professora Décia:.:

Paródias de uma professora cedrense!

Fratres in Unum.com

Ecce quam bonum et quam jucundum habitare fratres in unum.

Compartilhar é preciso.

Sinta-se livre para conhecer, aprender e compartilhar

§|Olhar Católico|§

Um Olhar Católico sobre o mundo!

Pacientes na tribulação

Apologética católica

Grupo S. Domingos de Gusmão

Fiéis Católicos de Maringá

Missa Tridentina em Brasília

Santa Missa no Rito Romano Tradicional

Vida, dom de Deus

Gratiam tuam, quaesumus, Domine, mentibus nostri infunde; ut qui, angelo nuntiante, Christi Filii tui encarnationem cognovimus, per Passionem eius et Crucem, ad Resurrectionis gloriam perducamur. Per eumdem Christum Dominum nostrum. Amen.

%d blogueiros gostam disto: