Em carta circular, bispo de Iguatu, CE, proíbe Missas e eventos de “cura e libertação”, orações em línguas e “repouso” no Espírito.


Deus seja louvado por esta corajosa decisão!

Fratres in Unum.com

Ver o post original

Anúncios

Padre Marcelo Rossi: “Estamos voltando à Idade Média, o período mais terrível e negro da igreja”


O padre Marcelo Rossi quase nunca fala algo que se aproveite, mas quando fala alguma coisa que preste sempre vem acompanhado de algo pra melar o que disse. Acabo de ler aqui algumas declarações suas sobre a malfadada tentativa da CNBB (ou CNB do B como diria alguns 🙂 ) de revitalizar as moribundas CEB’s. Ao se referir sobre a participação de clérigos na disputa de cargos políticos solta a pérola que intitula este post.

Acho que o padre entende muito de como engordar, emagrecer, educação física, etc. e tal. Mas de História da Igreja anda muito desinformado e “fora de forma”. Acho que ele precisa de uma bela aula de introdução à Idade Média além da leitura de alguns livros sobre o assunto que não sejam seus “Ágape e agapinho” e verificar que a Idade Média não é isso que ele pinta ou lhe pintaram. Haveria muito mais o que falar sobre a Idade Média, aqui, aqui e aqui. Deixo estes poucos exemplos nestes link’s ao leitor para que se deliciem e talvez possa aparecer um discípulo do padre dos “animaizinhos subiram de dois-em-dois” e possa repassar para ele.

Abaixo a tal notícia:

Sacerdote católico mais famoso do país, o padre Marcelo Rossi, 45 anos, se mostrou contra o incentivo às Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) e à candidatura de representantes religiosos a cargos políticos. Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, padre Marcelo declarou que as CEBs – que tiveram seu auge nos anos 1980 combinando princípios cristãos a uma visão social de esquerda – apresentam o risco de estimular a “tentação à política”.

Segundo a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a igreja quer incentivar as CBEs para recuperar espaço em áreas pobres. “Nas CEBs, acaba se tornando mais política do que social. É mais perigoso a pessoa ter a tentação à política na CEB”, disse o religioso.

Sobre o uso da igreja como plataforma política, o padre fez uma crítica ao que os evangélicos começaram a fazer com a candidatura de pastores. “A Igreja Católica é apartidária, pelo menos deve ser. Os evangélicos, às vezes, determinam em quem votar. Estamos voltando à Idade Média, o período mais terrível e negro da igreja”, disse.

Marcelo Rossi  também se posicionou contra a presença do pastor e deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDH) da Câmara. “Ele nem deveria estar lá, na minha opinião. A partir do momento em que se diz um pastor, não dá para ser ao mesmo tempo um líder político. Acho importante ter uma bancada católica, como existe a evangélica. Mas não acho correto padre, bispo, pastor se candidatarem, porque aí estou transformando um púlpito num palanque”, falou.

RCC: a guardiã dos carismas


“temos que ser os guardiões da chama para que ela permaneça sempre acesa”

RCC: a guardiã do castelo de grayskull

Ela tem o poder!

Não, não é a Santa Igreja Católica que recebeu do próprio Nosso Senhor Jesus Cristo o Espírito Santo Paráclito (Jo14, 26).

Não, não é o Santo Padre, sucessor de São Pedro a quem Nosso Senhor Jesus Cristo confiou as chaves da Igreja (Mt16, 19).

Não, não é nem um cardeal ou bispo, Sucessor dos Apóstolos de Nosso Senhor Jesus Cristo (At1, 24-26).

É a velha pretensão da renovação carismática pseudocatólica de ser a guardiã e depositária dos carismas do Santo Espírito. Dela, da RCC, é que depende a permanência acessa da existência dos carismas. E sabe como eles chegaram a esta conclusão? Ora, através de algumas “moções proféticas reveladas pelo Senhor durante a última reunião do Conselho Nacional”. Isso mesmo senhores. Eles têm lá as “visage” deles, como se diz aqui no nordeste, e atribuem este negócio ao Senhor Jesus! Colocam palavras na boca de Nosso Senhor Jesus Cristo! Já não bastassem os grunhidos que se sabe lá quem põe na boquinha deles, pois o Espírito Santo com certeza não é, agora querem que Nosso Senhor Jesus Cristo reze na cartilhinha deles! “Foi o Senhor que disse”, “foi o Senhor que falou”, “o Senhor mandou fazer assim”, “o Senhor mandou fazer assado”… Essa é de lascar! Eu disse que “agora” querem fazer assim, apenas por força de expressão, mas é evidente que esta é uma prática velha da tal renovadora dos carismas.

Eu não preciso de uma renovadora: Cristo já fez nova todas as coisas (Ap21, 5).

Eu não preciso de uma guardiã dos carismas: Nosso Senhor Jesus Cristo nos deu a Sua Igreja (Mt16, 19).

Eu não preciso de “moções proféticas reveladas pelo Senhor”: Deus se revelou ao homem por completo desde a morte do ultimo Apóstolo (e revelações particulares só com aprovação da Igreja).

De onde estou tirando esta notícia? Pois é, andei dando uma olhada neste negócio aqui: http://www.rccbrasil.org.br/espiritualidade-e-formacao/index.php/artigos/896-palavras-profeticas-para-a-renovacao-carismatica-catolica-do-brasil

Não sei se D. Alberto estava presente no momento destas pseudorevelações, mas é triste que não oriente estes pobres coitados de que esta prática da RCC já há muito foi desencorajada pela, quem diria!, própria CNBB.

Publicado em RCC. Tags: . Leave a Comment »

Quem diria Canção Nova!


Pois é… Missa Tridentina na Canção Nova. Quem diria? Eu, confesso, nunca diria. Mas aconteceu.

No entanto, elogiar a Canção Nova é como elogiar bandeirinha ou juiz de futebol antes do jogo acabar. É um perigo!

Mas tenho que correr o risco: parabéns Canção Nova!

Agora só falta que acabem os grunhidos que ninguém entende, as dancinhas e “espetáculos” nas outras Missas, os desmaios tresloucados atribuídos ao Santo Espírito, etc.

Resposta a um comentário sobre oração em linguas


Rodrigo diz:
27/01/2010 às 1:00 am

Prezado Moises,

Conforme respostas anteriores pudi perceber que há uma certa revolta em não aceitar o dom de Línguas, que de fato é o menor dos dons.
Em Atos dos Apóstolos 19,1-8, Paulo percebe que aquele povo tinha necessidade de ser batizado no Espírito Santo. Eram pessoas boas, queriam acertar, mas lhes faltava o Espírito Santo. Paulo explicou isso a eles, impôs-lhes as mãos e sobre eles desceu a terceira Pessoa da Trindade. Começaram, a partir daí, a falar em línguas e a profetizar.
Quando nos falta palavras de adoração, oração e louvor ao nosso Deus devemos pedir que o Espírito Santo venha em nosso auxílio para que ele possa orar em nós, para que possa falar por nós, tudo aquilo que que já não conseguimos expressar para Deus em palavras, com isso na oração em línguas é o Espírito Santo que vem em soccorro a nossa fraqueza, pois com certeza Ele sabe o que é bom para nós e para nossa família, Ele já conhece a nossa dor e nossas alegrias.

Está na hora de deixarmos os preconceitos e a indgnação de lado, pois o mundo precisa de um novo pentencostes, a todo momento.

Moises observei que você enfantizou um pouco a questão de entender e/ou interpretar o que se fala ao orar em línguas, em Rm 8,26
“O Espírito vem em auxílio à nossa fraqueza; porque não sabemos pedir, nem orar como convém, mas o Espírito mesmo intercede por nós com gemidos inefáveis”

Enfim, a oração em línguas é o cumprimento da palavra: “falarão novas línguas” (Mc 16,17b), que o próprio Senhor Jesus proferiu aos onze discípulos após ressuscitar.

Amado uma coisa é certa, podemos perceber que o dom de línguas é plenamente uma inspiração dada pelo Espírito Santo. É uma forma de chegarmos a Deus, pois para orarmos e louvarmos em línguas é preciso que estejamos abertos a ação do Espírito Santo.

Fique com a paz do Nosso Senhor Jesus Cristo e não se limite para ação do Espírito Santo em sua vida, e em todos os momentos de sua vida em que não terás forças ou até mesmo palavras para louvar e bendizer ao nosso Deus, experimente essas força do alto, pois QUANDO O ESPÍRITO SANTO DE DEUS AGE, ELE SURPREENDE.

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo.

Moisés Gomes diz:
29/01/2010 às 12:28 pm

Prezado Rodrigo, a paz de Jesus e o amor de Maria.

Não, eu não me revolto com o verdadeiro falar em línguas, ocorrido em Pentecostes, onde todos os que estavam naquele acontecimento compreendiam o que os Apóstolos falavam.

Este dom caro Rodrigo é extraordinário, e não ordinário como o falso dom da RCC e que ninguém entende nada.

Rodrigo, para que o Espírito Santo interceda por nós junto a Deus não se faz necessário que Ele o faça em nosso ser, e grunhindo línguas ininteligíveis. Não. Deus se revela ao homem através de sua razão, e Deus não fere a nossa razão.

O que São Paulo diz na passagem citada (Rm8, 26) é que o Espírito Santo intercede junto ao Pai (pois Ele é o Nosso Advogado) por coisas que nem nós sabemos pedir, necessidades que nem nós sabemos que temos. Mas isto é um colóquio entre Duas Pessoas da Santíssima Trindade, não um punhado de gemidos ininteligíveis que nem Deus entende.
Ou seja, estes “gemidos inexprimíveis” (e não ininteligíveis) não são os “gemidos espremidos” (e ininteligíveis) praticados nas seitas neopentecostais, como na RCC, e sim um diálogo eterno e infinito entre o Espírito Santo e Deus Pai. Grunhidos ininteligíveis são sinais sim de possessão demoníaca (ou safadeza e fingimento mesmo) e não presença do Santo Espírito.

Recomendo-lhe a leitura destes post’s:
De: Bento XVI Para: os que oram em línguas ININTELIGÍVEIS
Enciclopédia Canção Nova x Bíblia: com quem ficar?
De: Papa S. Gregório/Para: RCC
Os Pais da Igreja também ensinam
Para a RCC: Falar em línguas hoje – é de Deus?

#Fail Padre…

A verdade sobre o dom de línguas


“Achavam-se então em Jerusalém judeus piedosos de todas as nações que há debaixo do céu. Ouvindo aquele ruído, reuniu-se muita gente e maravilhava-se de que cada um os ouvia falar na sua própria língua. Profundamente impressionados, manifestavam a sua admiração: Não são, porventura, galileus todos estes que falam? Como então todos nós os ouvimos falar, cada um em… nossa própria língua materna? Partos, medos, elamitas; os que habitam a Macedônia, a Judéia, a Capadócia, o Ponto, a Ásia, a Frígia, a Panfília, o Egito e as províncias da Líbia próximas a Cirene; peregrinos romanos, judeus ou prosélitos, cretenses e árabes; ouvimo-los publicar em nossas línguas as maravilhas de Deus!” (At 2, 2-11)

Seria falar línguas estrangeiras REALMENTE EXISTENTES ou seriam sons aleatórios (como fazem os pentecostais)? Seriam talvez os dois ao mesmo tempo?
Como saber a verdade se existem tantas opiniões contrárias? Isso seria ou não uma legítima prática católica?
Eis o método:
1 – Analisar o que os primeiros cristãos e os reconhecidos historiadores disseram sobre o fenômeno.
2 – “QUOD UBIQUE, QUOD SEMPER, QUOD AB OMNIBUS – o que em toda parte, sempre e por todos foi ensinado, isso é católico”. São Vicente Lérins (Séc V) Comonitório.

Santo Agostinho, no século IV, disse que foi um fenômeno daquela época apenas, mas que passou!

"[…]Quem em nossos dias, espera que aqueles a quem são impostas as mãos para que recebam o Espírito Santo, devem portanto falar em línguas , saiba que esses sinais foram necessários para aquele tempo. Pois eles foram dados com o significado de que o Espírito seria derramado sobre os homens de todas as línguas, para demonstrar que o Evangelho de Deus seria proclamado em todas as línguas existentes sobre a Terra. Portanto o que aconteceu, aconteceu com esse significado e passou[…]”
Santo Agostinho (Séc IV) -Homilias em 1 Joao 6 10; NPNF2, v. 7, pp. 497-498.

Santo Agostinho ainda diz mais… Que aquelas línguas eram sinal da Igreja que estava nascendo, e que falaria todas as línguas:

“[…] Aquele vento purificava os corações da palha da carne. Aquele fogo consumia o fogo da velha concupiscência. Aquelas línguas faladas pelos que estavam repletos do Espírito Santo prefiguravam a futura Igreja, que haveria de estar entre as línguas de todos os povos[…]”. Santo Agostinho (Séc IV ) Sermao 271

São João Crisóstomo diz algo que indica serem realmente línguas existentes, faladas:

“[…] e justamente ‘no dia de Pentecostes estavam todos reunidos no mesmo lugar’ (At 2, 1) – e sofreram uma transformação radical: repentinamente tomaram consciência da Palavra de Deus em seu seio e puseram-se a comunicar em todas as línguas as maravilhas de Deus.Sao Joao Crisostomo (Sec IV) Homilia sobre 1 Corintios

Eusébio de Cesaréia, também do século IV, fala de um fenômeno onde "falavam linguas estranhas"…

“[…] um dos novos crentes, chamado Montano, quando Grato era procônsul da Ásia, deu acesso ao inimigo, levado pela ambição imoderada de ocupar os primeiros lugares. Como um possesso, em falso êxtase, pôs-se a falar em seus excessos, a proferir palavras estranhas e a profetizar de forma inteiramente oposta ao uso tradicional conservado pela antiga tradição da Igreja[…]” Eusebio, Bispo de Cesaréia (Séc IV) Historia Eclesiastica 5,16,6

Contudo, já no século II, Santo Irineu de Lião já defendia que que tratava-se de línguas faladas, pois referia-se à "raças" e "povos" quando comenta sobre este dom:

“[…] E ainda este Espírito que Lucas nos diz ter descido, depois da ascensão do Senhor, sobre os discípulos no dia de Pentecostes, com o poder de falar em todas as línguas dos povos e abrir-lhes um novo testamento. Eis por que, na harmonia de todas as línguas, cantavam hinos a Deus, enquanto o Espírito Santo reunia na unidade as raças diferentes e oferecia ao Pai as primícias de todas as nações.[…]” Irineu de Lião (Sec II) Contra as Heresias 3,17,2

Santo Tomás de Aquino, no século XIII, disse que o dom de línguas foi necessário para que pudessem pregar o evangelho aos povos no começo da Igreja, logo… deveria ser uma língua de verdade ao invés de gemidos:

“[…] Porquanto o dom de línguas devemos saber que como na Igreja primitiva eram poucos os consagrados para ensinar pelo mundo a fé de Cristo, a fim de que mais facilmente e a muitos anunciassem a palavra de Deus, o Senhor deu-lhes o dom de línguas, para que a todos ensinassem, não de modo que falando uma só língua fossem entendidos por todos, como alguns dizem, mas sim, bem literalmente, de maneira que nas línguas dos diversos povos, falassem as de todos. Pelo qual disse o Apóstolo: Dou graças a Deus porque falo as línguas de todos vós (1Co 14,18)[…]". Santo Tomás de Aquino (Séc XIII) Comentário à Primeira Carta aos Coríntios

“[…] Além disso, os discípulos enviados eram pobres e sem poder; eles não teriam encontrado facilmente, desde o começo, intérpretes fiéis para traduzir suas palavras ou lhes explicar as dos outros, principalmente por terem sido enviados a povos infiéis. Por esta razão, era necessário que Deus lhes viesse em socorro com o dom das línguas […]
Santo Tomás de Aquino (Séc XIII) Summa Teologica 2-2. Q176

Áh, um tal de TANQUEREY, muito respeitado na Igreja Católica, quando comenta sobre os ‘tipos de graça’, dons, carismas… diz que esse tipo de fenômeno é raro, não é ordinário, é extraordinario.. e transitório.

“[…] já os carismas são “as graças gratuitamente dadas”, são-no principalmente para a utilidade dos outros. São, efetivamente, dons gratuitos extraordinários e transitórios[…]” TANQUEREY, Adolf. Compendio de Teologia Mistica e Ascetica, pg 716

Finalizando com o Papa Leão XIII:

“Posto isso, não é, absolutamente, admissível excogitar-se ou guardar uma segunda, mais ampla e fecunda ‘aparição ou revelação do Espírito Divino’; a que atualmente se efetua na Igreja é deveras perfeita, e nela permanecerá incessantemente até que a Igreja militante, após o percurso do seu período de lutas, seja transplantada para as alegrias da Igreja triunfante no céu” Papa Leao XIII, Enciclica Divinun Illud Múnus, n.10

FSSPX - Portugal

Tudo por amor a Jesus Cristo, Nosso Senhor.

Movimento Magistrados para a Justiça

"Uma visão conservadora de temas relacionados ao Direito"

O Legado d'O Andarilho

opiniões, considerações políticas e religiosas.

Roberta Acopiara's Blog

Just another WordPress.com weblog

Blog do Curso Técnico em Informática do IFCE - Campus Iguatu

Blog do Curso Técnico em Informática do IFCE - Campus Iguatu

pregarevangelho

Só mais um site WordPress.com

:.:Paródias da Professora Décia:.:

Paródias de uma professora cedrense!

Fratres in Unum.com

Ecce quam bonum et quam jucundum habitare fratres in unum.

Compartilhar é preciso.

Sinta-se livre para conhecer, aprender e compartilhar

§|Olhar Católico|§

Um Olhar Católico sobre o mundo!

Pacientes na tribulação

Apologética católica

Grupo S. Domingos de Gusmão

Fiéis Católicos de Maringá

Missa Tridentina em Brasília

Santa Missa no Rito Romano Tradicional

Vida, dom de Deus

Gratiam tuam, quaesumus, Domine, mentibus nostri infunde; ut qui, angelo nuntiante, Christi Filii tui encarnationem cognovimus, per Passionem eius et Crucem, ad Resurrectionis gloriam perducamur. Per eumdem Christum Dominum nostrum. Amen.

%d blogueiros gostam disto: